Pular para o conteúdo principal

PALMEIRAS MEU PRIMEIRO AMOR




Antes de inciar propriamente este post, vamos a definição de Amor, paixão, e loucura pela Wikipédia:

Estudos têm demonstrado que o escaneamento dos cérebros dos indivíduos apaixonados exibe uma semelhança com as pessoas portadoras de uma doença mental. O amor cria uma atividade na mesma área do cérebro que a fome, a sede, e drogas pesadas, criando atividade Polimerase. Novos amores, portanto, poderiam ser mais emocionais do que físicos. Ao longo do tempo, essa reação ao amor muda, e diferentes áreas do cérebro são ativadas, principalmente naqueles amores que envolvem compromissos de longo prazo. Dr. Andrew Newbert  um neurocientista, sugere que esta reação de modificação do amor é tão semelhante ao do vício as drogas, porque sem amor, a humanidade morreria.

Estava pensando em como transformar em palavras, em algo racional o sentimento do Palmeirense com seu time e creio que a transcrição acima pode traduzir um pouco desta ligação que temos com o Palmeiras.  

Partindo desta descrição vamos entrar em detalhes de cada parte do texto para tentar colocar este post no ar dentro de uma forma racional. 

Estudos têm demonstrado que o escaneamento dos cérebros dos indivíduos apaixonados exibe uma semelhança com as pessoas portadoras de uma doença mental. O amor cria uma atividade na mesma área do cérebro que a fome, a sede, e drogas pesadas, criando atividade Polimerase.
 
O Palmeirense é  um doente mental,  o sentimento de fome e sede de vitória, de orgulho, de conquista ,  do desejo de prazer, de sempre querer mais, fazem com que estes dois pecados capitais transcendam do mal do corpo para o bem da alma e do coração. Como não deixar de sentir o desejo por mais gols, mais conquistas, mais títulos. Conquistas essas que nunca saciam nossa fome e sede, transformando um ser humano comum em um ser divino, supremo, vivenciando, mesmo que por alguns momentos, o paraíso na terra. Terra esta que neste caso são vivenciadas nas catedrais do Futebol, com seus súditos em estado de êxtase a cada grito de gol, a cada jogada mágica, a cada vitória, superação e títulos.
 

Palmeiras é minha droga pesada. Não consigo ficar sem assistir a nenhum jogo. Se existe algum compromisso durante o horário da partida é como se fosse uma crise de abstinência que um viciado em drogas também sente. Ainda bem que temos Smart Phones para nos salvar nos momentos de maiores dificuldades ( dentro da igreja durante um casamento , em uma sala de reunião tarde da noite, etc...).  Não consigo imaginar como um Palmeirense “ são “ pode ficar sem assistir a um jogo do seu time. Se for jogo decisivo então pode internar que esse cara não é normal, pois ele não é viciado.  Nesse vício eu sugiro que todos os não drogados sejam todos presos em um hospital de reabilitação enquanto nós, os viciados,fiquemos a solta espalhando este vírus em cada Tsunami Verde criado pelo nosso querido Santa Vicca. Mais uma prova de que futebol  é mais que um jogo, somente um viciado com o nome de Santa Vicca podia criar a Tsunami Verde, transcendendo do mundano para o sagrado, santo Santa Vicca!!.
 
Ao longo do tempo, essa reação ao amor muda, e diferentes áreas do cérebro são ativadas, principalmente naqueles amores que envolvem compromissos de longo prazo.  

Realmente ao longo do tempo essa reação ao amor que sentimos muda. No início temos a nossa " Era de Ouro ", uma relação de paixão igual a primeira namorada, algo ingênuo mas tão puro que fica impregnado em nossos corações para o resto de nossas vidas. Com o passar dos anos noivamos, casamos e ficamos maduros e nossos sentimentos de paixão vão se somando a outras emoções como companheirismo, comprometimento, parceiros, amantes.

A paixão do torcedor pelo Palmeiras também acompanha esta mesma lógica. Começamos somente ouvindo jogo pelo rádio, fantasiando nossas imaginações como uma masturbação mental até chegar ao orgasmo do gol. Depois vamos conhecendo os estádios, entrando em suas alamedas, escadarias, despertando sentimentos físicos e mentais de prazer que só vão aumentando e melhorando a cada sensação de êxtase. Na vida adulta, já com todas as  experiências vivenciadas,nos casamos e prometemos amor eterno, na alegria ( vitórias, títulos, conquistas) e na tristeza ( derrotas,eliminações, campanhas medíocres). Ao passar do tempo, em sinal de parceria e comprometimento, nos associamos ao clube, queremos fazer melhor, influenciar e desta forma trabalhar em conjunto para que a relação só melhore.

Dr. Andrew Newbert  um neurocientista, sugere que esta reação de modificação do amor é tão semelhante ao do vício as drogas, porque sem amor, a humanidade morreria.

Sem amor a humanidade morreria, sem o Palmeiras o futebol morreria, eu morreria, todos nós morreríamos. Não consigo imaginar minha passagem pela vida terrena  sem poder vivenciar cada segundo que é ver meu time jogar.

Palmeiras, eu celebro teu nome a cada segundo, a cada jogada, a cada gol, a cada centímetro que seus jogadores percorrem para levar a bola até dentro do gol adversário.

Palmeiras minha vida é você!!!

Palmeiras meu primeiro amor!!!

Palmeiras a razão do meu viver!!

Se ele jogasse lá no céu eu morreria só pra te ver!!!

Palmeiras vai jogar eu vou!!

Palmeiras!!

Palmeiras!!

Palmeiras!!

Palmeiras!!

Ops...

Já estava perdendo o controle. Deve ser abstinência, fome e sede.

Ainda bem que domingo tem Derby....

PARABÉNS PALMEIRAS!!!


Comentários

  1. Nossa, por um momento eu quase fiquei com ciúmes.... Mas parabéns pelo post, está muito bom!! Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Acho que há uma chance, porque onde há uma paixão, sempre haverá uma possibilidade. Na semana dos 97 anos, uma vitória contra o arquirrival, é mais do que um sonho é tudo o que de mais obscuro move esse esporte!

    Louvo e endosso suas palavras, Bense! Parabéns por mais um texto!

    Beijo.

    Adriano Paciello

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…