Pular para o conteúdo principal

Preto e Branco ou Colorido?






Era quase meia noite do último sábado dia 14/09 quando dei uma olhada no twitter e fui agraciado com os vídeos postados pelo grande Jota Roberto.

Muitos vídeos eram do maravilhoso Canal 100, que sempre fez excelentes produções sobre jogos de futebol, onde era possível mostrar outras facetas dos gramados do futebol brasileiro.

Enquanto assistia as imagens maravilhosas que compartilharei logo abaixo, imediatamente veio um insight para escrever este post.

Depois de mais um jogo onde o Palmeiras perdeu dois pontos, muito mais por falta de qualidade, competência e apetite do que grande resistência dos adversários da Série B, um forte questionamento despertou minha curiosidade :

Gestão com espírito vencedor e competência atraem e retêm jogadores e treinadores vencedores?

ou

Jogadores e treinadores vencedores são capazes de transformar uma gestão?

Na minha opinião a primeira opção é a mais provável, pois as gestões competentes trabalham com planejamento, visão de curto, médio e longo prazo, definem os perfis de todos os profissionais de acordo com a estratégia e com os recursos disponíveis. Também não deixam se intimidar por quem luta pelo atraso e faz de tudo para prejudicar quem está buscando mudar as coisas.

Tenho certeza que ousadia também é fundamental para atrair a boa sorte e os resultados poderem vir mais rápidos, mas os gestores nunca podem deixar de seguir o projeto previamente definido.

Ao ver Tupãzinho, Rinaldo, Ademir da Guia, Cesar, Dudú nas telas do Canal 100, é possível ver que os jogadores em campo refletiam uma gestão com espírito vencedor.

Vejam como os jogadores vibravam a cada gol e não se intimidavam com os gols sofridos. Vontade de ganhar sem temer a derrota, é essa a impressão que eu vi na expressão de cada jogador.

Mesmo Cesar, ao perder um gol feito, lamenta mas não demonstra o desespero que muito jogadores do Palmeiras demonstram nos dias de hoje.

O Palmeiras das telas do Canal 100 é o time que todos os Palmeirenses tem marcado nos seus corações e mentes, e o sofrimento e angústia que eu e milhões de torcedores sentimos ao ver o atual grupo de jogadores do Palmeiras em campo é um grande conflito entre a nossa imaginação e a realidade.

Os Márcio Araújos da vida não fazem parte do elenco porque entraram à força, mas, sim, porque gestões sem espírito vencedor e competente os atraíram, e que são refletidos nos gramados do Brasil afora, culminando com conquistas fugazes como a Copa do Brasil e em seguida o segundo rebaixamento em 10 anos.

O Palmeiras dos gramados está muito distante do Palmeiras das telas do Canal 100 e faz muito tempo que é essa a realidade do torcedor Palmeirense que torce, reza e muitas vezes se desespera nos gols, pontos e jogos perdidos por ver em campo jogadores e treinadores sem o espírito vencedor em que o clube se transformou desde a segunda metade dos anos 70, e apenas teve um hiato durante a Gestão Parmalat.

O Palmeiras que todos queremos ainda pode ser transformado, mas será necessário muitos e muitos anos de gestão vencedora e competente, mas que a política pequena e mesquinha luta para não deixar essa transformação acontecer de forma plena e sustentável.

Não defendo nomes, defendo que a gestão seja colocada a frente da política, para que seja possível que o Palmeiras que todos temos como ideal saia das imagens em preto e branco e se transformem em realidade multicolorida nos gramados do Allianz Parque.


http://www.youtube.com/watch?v=mbPM7LqNKrc


http://www.youtube.com/watch?v=gvFiNyawqpQ







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…