Pular para o conteúdo principal

Preto e Branco ou Colorido?






Era quase meia noite do último sábado dia 14/09 quando dei uma olhada no twitter e fui agraciado com os vídeos postados pelo grande Jota Roberto.

Muitos vídeos eram do maravilhoso Canal 100, que sempre fez excelentes produções sobre jogos de futebol, onde era possível mostrar outras facetas dos gramados do futebol brasileiro.

Enquanto assistia as imagens maravilhosas que compartilharei logo abaixo, imediatamente veio um insight para escrever este post.

Depois de mais um jogo onde o Palmeiras perdeu dois pontos, muito mais por falta de qualidade, competência e apetite do que grande resistência dos adversários da Série B, um forte questionamento despertou minha curiosidade :

Gestão com espírito vencedor e competência atraem e retêm jogadores e treinadores vencedores?

ou

Jogadores e treinadores vencedores são capazes de transformar uma gestão?

Na minha opinião a primeira opção é a mais provável, pois as gestões competentes trabalham com planejamento, visão de curto, médio e longo prazo, definem os perfis de todos os profissionais de acordo com a estratégia e com os recursos disponíveis. Também não deixam se intimidar por quem luta pelo atraso e faz de tudo para prejudicar quem está buscando mudar as coisas.

Tenho certeza que ousadia também é fundamental para atrair a boa sorte e os resultados poderem vir mais rápidos, mas os gestores nunca podem deixar de seguir o projeto previamente definido.

Ao ver Tupãzinho, Rinaldo, Ademir da Guia, Cesar, Dudú nas telas do Canal 100, é possível ver que os jogadores em campo refletiam uma gestão com espírito vencedor.

Vejam como os jogadores vibravam a cada gol e não se intimidavam com os gols sofridos. Vontade de ganhar sem temer a derrota, é essa a impressão que eu vi na expressão de cada jogador.

Mesmo Cesar, ao perder um gol feito, lamenta mas não demonstra o desespero que muito jogadores do Palmeiras demonstram nos dias de hoje.

O Palmeiras das telas do Canal 100 é o time que todos os Palmeirenses tem marcado nos seus corações e mentes, e o sofrimento e angústia que eu e milhões de torcedores sentimos ao ver o atual grupo de jogadores do Palmeiras em campo é um grande conflito entre a nossa imaginação e a realidade.

Os Márcio Araújos da vida não fazem parte do elenco porque entraram à força, mas, sim, porque gestões sem espírito vencedor e competente os atraíram, e que são refletidos nos gramados do Brasil afora, culminando com conquistas fugazes como a Copa do Brasil e em seguida o segundo rebaixamento em 10 anos.

O Palmeiras dos gramados está muito distante do Palmeiras das telas do Canal 100 e faz muito tempo que é essa a realidade do torcedor Palmeirense que torce, reza e muitas vezes se desespera nos gols, pontos e jogos perdidos por ver em campo jogadores e treinadores sem o espírito vencedor em que o clube se transformou desde a segunda metade dos anos 70, e apenas teve um hiato durante a Gestão Parmalat.

O Palmeiras que todos queremos ainda pode ser transformado, mas será necessário muitos e muitos anos de gestão vencedora e competente, mas que a política pequena e mesquinha luta para não deixar essa transformação acontecer de forma plena e sustentável.

Não defendo nomes, defendo que a gestão seja colocada a frente da política, para que seja possível que o Palmeiras que todos temos como ideal saia das imagens em preto e branco e se transformem em realidade multicolorida nos gramados do Allianz Parque.


http://www.youtube.com/watch?v=mbPM7LqNKrc


http://www.youtube.com/watch?v=gvFiNyawqpQ







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…