Pular para o conteúdo principal

As premissas para produzir um Futebol Melhor




Fiquei a semana toda praticamente sem acessar os blogs e sites que costumo me atualizar regularmente e hoje fiz uma leitura geral de tudo que se comentou e repercutiu no mundo do futebol .

Cada vez mais fica claro que, independente de algumas divergências pontuais, o ponto chave é que jogadores e imprensa estão subindo o tom referente ao Produto Futebol produzido atualmente no Brasil.


Tragédia de Hillsborough 1989 - 96 mortos


Essa é a questão fundamental, reunir todos os envolvidos em um grande debate sobre os objetivos de curto, médio e longo prazo e definir os projetos com plano de ação, prazo e responsáveis.

Quais as premissas para produzir um Futebol de melhor qualidade dentro de campo, com a qualidade do espetáculo, e fora de campo,  na gestão e tratamento do torcedor / consumidor?

Na minha opinião os principais pilares devem ser:

- Responsabilidade Financeira : clubes que gastam mais do que arrecadarem, possuem mais de 03 meses de salários e/ou direito de imagem atrasados, gastarem acima de um patamar máximo do seu budget anual com salários e contratações, devem sofre punições como suspensão de participação em torneios internacionais, rebaixamento ou suspensão temporária.

- Calendário : todos os clubes do Brasil devem ter calendário mínimo de 09 meses, férias de 30 dias, 5 semanas de pré temporada, não haver jogos em datas FIFA, limite máximo de jogos por temporada.

-  Sistema de Classificação e Acesso :  não é necessário a polarização entre elitização x popularização, mas criar uma pirâmide complementar entre os clubes da elite do Futebol Brasileiro ( Série A , B e C do Brasileiro) com os demais, definindo claramente um sistema classificatório onde todos os clubes do Brasil possam atuar durante toda a temporada. Muita polêmica pode ser levantada, principalmente sobre o destino dos clubes que não terão jogos contra os clubes da elite do Brasil, mas é possível fazer um projeto de financiamento, onde parte do que os clubes da elite arrecadarem com verbas de TV, patrocínio e arrecadação sirvam como um financiamento para grande base da pirâmide dos clubes do Brasil, além da grande possibilidade de se trabalhar regionalmente os torneios estaduais e regionais.

- Profissionalização dos Árbitros : fim do jogo de cena, onde os árbitros fingem que trabalham e apitam ao mesmo tempo, não tendo as condições necessárias para se capacitarem adequadamente, com punições e regras claras para definir um ranking dos melhores árbitros. Uma má arbitragem afeta diretamente a qualidade de uma partida.

- Janela de Transferência para treinadores e jogadores : implementar o modelo europeu onde um treinador não pode trabalhar em outro clube na mesma temporada em caso de demissão. Da mesma forma os clubes devem montar seus elencos durante as janelas, e nenhum jogador pode se transferir e jogar por qualquer equipe fora destas janelas.

- Estádios : definir premissas básicas sobre a qualidade do gramado, capacidade, iluminação, conforto e serviço de acordo com cada divisão.

- Punições: definir claramente as infrações com suas respectivas punições sem que haja a impressão que alguns clubes sejam mais ou menos punidos, de acordo com a atuação dos bastidores de cada equipe.

- Entretenimento: transformar o jogo de futebol em um grande espetáculo, sem o clima de guerra, de ganhar a qualquer custo que impera no futebol sul americano. O estádio de futebol deve ter o mesmo clima de um grande show, trazendo a família para o estádio, um clima de festa e diversão, onde ganhar ou perder faz parte do jogo, desde que os dirigentes, árbitros, jogadores e torcedores entendam que o espírito de um jogo de futebol é acima de tudo ver um grande espetáculo. Frases como " o jogo da vida" , " jogo de vida ou morte" , sejam transformados em frases como " vamos fazer o maior espetáculo para o torcedor".

ABC x Palmeiras - 05/10/2013

Tenho certeza que existem outros tópicos que poderíamos debater, mas o espaço é pequeno e o tema é amplo demais para um único post.

O mais importante é que o debate sobre que tipo de Produto Futebol queremos para os próximos anos e gerações seja amplamente discutido, e que as mídias de massa tragam esse tópico para o centro das discussões, caso contrário iremos manter a estigma atual de produtores de pé de obra para os grandes centros do futebol mundial, e como disse muito bem Erich Beting, parar de tentar vender carro usado a preço de zero quilômetro.

Você gostaria de estar com sua família e amigos dentro do estádio com o espírito do vídeo abaixo ou passar por momento de terror como os ocorridos ontem em Natal?






Comentários

  1. Caro Marcelo
    Trabalhei em 2000, junto à FGV no "Plano de Modernização do Futebol Brasileiro". Mudei para a área técnica (hoje sou treinador e tenho um blog sobre tática: producaotatica.blogspot.com.br). Hoje torço para pessoas como você conseguirem o que há quase quinze anos se discute entre os "intelectuais" e que os políticos impedem: "Futebol Decente".
    Abs
    Marvio.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…