Pular para o conteúdo principal

Pizzaria Paulista




A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.

Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.

Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.

Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a mais por cliente. Com esse aumento do ticket médio reduzimos em 3 pontos percentuais a ocupação média dos estabelecimentos, caindo de 32% em 2017 para 29% este ano. 

Não fomos capazes de atrair mais clientes, muito pelo contrário, afastamos clientes, e com isso perdemos arrecadação. A estratégia de aumentar o preço mas sem ofertar produtos e serviços de melhor qualidade não deu resultado.

Dois terços do número de clientes continuam provenientes das 3 tradicionais franquias da capital e da famosa unidade da baixada santista, com a ressalva que 50% dos clientes da franquia do litoral foi obtida em um único evento que foi efetuado na capital paulista. Mesmo nas quatro principais franquias, tivemos queda de R$ 1,2 milhões em faturamento e perdemos 35 mil clientes em 2018.

Mesmo com cidades ricas e com populações significativas, não conseguimos atrair mais clientes nessas regiões, pelo contrário. Em 2018 essas franquias arrecadaram R$ 900 mil a menos e perderam 27 mil clientes, fazendo com que a ocupação caísse de 26% no ano passado para 23% nesse ano.

Antes de concluir, gostaríamos de informar que qualquer franquia pode realizar evento fora da sua cidade, pois isso consta no contrato. Essa medida foi acordada entre os franqueados, pois o foco é buscar maiores receitas, independente do interesse dos clientes da cidade sede. Os que são mais assíduos com certeza não irão ligar para essas mudanças.Nossa preocupação é atender ao interesse dos franqueados, mesmo que essas medidas afetem a credibilidade e imagem da Pizzaria Paulista no estado.

Também vale ressaltar que, nos eventos especiais agendados para as datas de 17, 18, 20, 21 e 22 de março, não havíamos informado a Polícia Militar e tivemos que alterar alguns eventos, mas isso é normal na nossa gestão. Nossa preocupação foi atender aos interesses do nosso principal investidor, que acaba compensando a falta de receitas de outras fontes com seu investimento sempre relevante, fazendo com que os franqueados consigam pagar suas contas, sem se preocupar com qualidade e a credibilidade do produto ofertado.

Mesmo com os números negativos acima, a Pizzaria Paulista é a melhor franquia estadual de pizzas do Brasil e acreditamos que os resultados acima possam servir de referência para as demais franquias do gênero.

Esperamos que as demais franquias possam aprender como se deve gerir um produto voltado cada vez com mais ao interesse individual do que pensando nos clientes e demais interessados. Nosso interesse é ter dinheiro para pagar as contas e não com o desenvolvimento do segmento nem com a qualidade do produto ofertado.

Junte-se a nós, esse é o nosso jogo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…