Pular para o conteúdo principal

Pizzaria Paulista




A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.

Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.

Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.

Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a mais por cliente. Com esse aumento do ticket médio reduzimos em 3 pontos percentuais a ocupação média dos estabelecimentos, caindo de 32% em 2017 para 29% este ano. 

Não fomos capazes de atrair mais clientes, muito pelo contrário, afastamos clientes, e com isso perdemos arrecadação. A estratégia de aumentar o preço mas sem ofertar produtos e serviços de melhor qualidade não deu resultado.

Dois terços do número de clientes continuam provenientes das 3 tradicionais franquias da capital e da famosa unidade da baixada santista, com a ressalva que 50% dos clientes da franquia do litoral foi obtida em um único evento que foi efetuado na capital paulista. Mesmo nas quatro principais franquias, tivemos queda de R$ 1,2 milhões em faturamento e perdemos 35 mil clientes em 2018.

Mesmo com cidades ricas e com populações significativas, não conseguimos atrair mais clientes nessas regiões, pelo contrário. Em 2018 essas franquias arrecadaram R$ 900 mil a menos e perderam 27 mil clientes, fazendo com que a ocupação caísse de 26% no ano passado para 23% nesse ano.

Antes de concluir, gostaríamos de informar que qualquer franquia pode realizar evento fora da sua cidade, pois isso consta no contrato. Essa medida foi acordada entre os franqueados, pois o foco é buscar maiores receitas, independente do interesse dos clientes da cidade sede. Os que são mais assíduos com certeza não irão ligar para essas mudanças.Nossa preocupação é atender ao interesse dos franqueados, mesmo que essas medidas afetem a credibilidade e imagem da Pizzaria Paulista no estado.

Também vale ressaltar que, nos eventos especiais agendados para as datas de 17, 18, 20, 21 e 22 de março, não havíamos informado a Polícia Militar e tivemos que alterar alguns eventos, mas isso é normal na nossa gestão. Nossa preocupação foi atender aos interesses do nosso principal investidor, que acaba compensando a falta de receitas de outras fontes com seu investimento sempre relevante, fazendo com que os franqueados consigam pagar suas contas, sem se preocupar com qualidade e a credibilidade do produto ofertado.

Mesmo com os números negativos acima, a Pizzaria Paulista é a melhor franquia estadual de pizzas do Brasil e acreditamos que os resultados acima possam servir de referência para as demais franquias do gênero.

Esperamos que as demais franquias possam aprender como se deve gerir um produto voltado cada vez com mais ao interesse individual do que pensando nos clientes e demais interessados. Nosso interesse é ter dinheiro para pagar as contas e não com o desenvolvimento do segmento nem com a qualidade do produto ofertado.

Junte-se a nós, esse é o nosso jogo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…