Pular para o conteúdo principal

Sí, se puede!!



Na semana passada tivemos uma notícia que já se ventilava desde 2016, mas que foi oficializada com a aprovação unânime do conselho da Conmebol. À partir de 2019 a final da Copa Libertadores da América será disputada em jogo único em um sábado numa sede ainda a ser definida.

As premiações serão maiores para os participantes, além de toda organização ser efetuada pela Conmebol, com maiores possibilidades de ativações por parte dos patrocinadores. De acordo com o tweet do presidente da entidade, Alejandro Domingues, os benefícios dessa medida são:

✔ Muito mais que uma partida
✔ Campo neutro
✔ Melhor organização
✔ Mais segurança
✔ Mais ingressos para os finalistas
✔ Mais desenvolvimento para o futebol sul-americano

Segundo palavras do presidente da Conmebol, a final em jogo único "será um grande evento esportivo, cultural e turístico que trará grandes benefícios para o futebol sul-americano, seus clubes e seus torcedores. Esta emocionante alteração oferecerá um espetáculo desportivo de classe mundial e uma melhor experiência em casa e no estádio. Em termos de desenvolvimento, projetamos maiores receitas para o torneio e para os clubes finalistas, assim como uma maior projeção do futebol sul-americano e da Conmebol a nível global”.

Juntamente com essa medida, a Conmebol também está em processo de licitação dos direitos de transmissão à partir de 2019, com as TVs podendo perder o poder de definir a tabela e dos jogos que querem transmitir. Mais uma medida voltada para valorizar o produto e transformando o jogo de forças, onde o organizador do evento assume um papel de maior protagonismo em decisões sobre seu produto, que acabavam sendo influenciadas pelas emissoras detentoras dos direitos.

Muito se repercutiu sobre essa notícia nos últimos dias, com críticas positivas e negativas sobre a decisão. Independente das medidas aprovadas, recebi essas notícias com muito otimismo pois, após décadas de gestão voltadas para interesses políticos e pessoais, estamos vendo uma mudança de ventos, com a atual gestão mais arejada, voltada para o mercado, para a modernidade e valorização do produto.

Num exercício de futurologia  e de visão estrutural, espero ver em breve mais um tweet do presidente da Conmebol com as seguintes medidas:

✔ Padronização da qualidade e das medidas dos gramados
✔ Padronização da iluminação em todos os estádios
✔ Investimento para melhoria das estruturas dos estádios (serviços, acomodações, etc.)
✔ Padronização dos critérios de arbitragem (ex: evitar ceras, anti jogo, violência)
✔ Punições severas para as agremiações que não evitarem violência dos seus torcedores
✔ Punições severas para jogadores violentos
✔ Conscientização dos jogadores para evitar pressionar os árbitros durante o jogo

A implementação das medidas estruturais acima propostas  definitivamente elevariam a percepção de qualidade do produto ofertado, valorizando ainda mais o campeonato, além de atrair mais patrocinadores e também de jogadores e treinadores de outros mercados. Juntamente com essa valorização provavelmente atrairiam mais torcedores para os jogos, principalmente nos menores mercados.

A Conmebol está de parabéns com as medidas adotadas, mas as ações não podem para por aí pois, caso contrário, a busca pela valorização e a percepção definitiva de uma grande mudança de patamar no produto ofertado não será atingida.

Caso as medidas futuras caminhem nessa direção, com certeza o torcedor sul-americano será o grande beneficiado.

Sí, se puede!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…