Pular para o conteúdo principal

Sí, se puede!!



Na semana passada tivemos uma notícia que já se ventilava desde 2016, mas que foi oficializada com a aprovação unânime do conselho da Conmebol. À partir de 2019 a final da Copa Libertadores da América será disputada em jogo único em um sábado numa sede ainda a ser definida.

As premiações serão maiores para os participantes, além de toda organização ser efetuada pela Conmebol, com maiores possibilidades de ativações por parte dos patrocinadores. De acordo com o tweet do presidente da entidade, Alejandro Domingues, os benefícios dessa medida são:

✔ Muito mais que uma partida
✔ Campo neutro
✔ Melhor organização
✔ Mais segurança
✔ Mais ingressos para os finalistas
✔ Mais desenvolvimento para o futebol sul-americano

Segundo palavras do presidente da Conmebol, a final em jogo único "será um grande evento esportivo, cultural e turístico que trará grandes benefícios para o futebol sul-americano, seus clubes e seus torcedores. Esta emocionante alteração oferecerá um espetáculo desportivo de classe mundial e uma melhor experiência em casa e no estádio. Em termos de desenvolvimento, projetamos maiores receitas para o torneio e para os clubes finalistas, assim como uma maior projeção do futebol sul-americano e da Conmebol a nível global”.

Juntamente com essa medida, a Conmebol também está em processo de licitação dos direitos de transmissão à partir de 2019, com as TVs podendo perder o poder de definir a tabela e dos jogos que querem transmitir. Mais uma medida voltada para valorizar o produto e transformando o jogo de forças, onde o organizador do evento assume um papel de maior protagonismo em decisões sobre seu produto, que acabavam sendo influenciadas pelas emissoras detentoras dos direitos.

Muito se repercutiu sobre essa notícia nos últimos dias, com críticas positivas e negativas sobre a decisão. Independente das medidas aprovadas, recebi essas notícias com muito otimismo pois, após décadas de gestão voltadas para interesses políticos e pessoais, estamos vendo uma mudança de ventos, com a atual gestão mais arejada, voltada para o mercado, para a modernidade e valorização do produto.

Num exercício de futurologia  e de visão estrutural, espero ver em breve mais um tweet do presidente da Conmebol com as seguintes medidas:

✔ Padronização da qualidade e das medidas dos gramados
✔ Padronização da iluminação em todos os estádios
✔ Investimento para melhoria das estruturas dos estádios (serviços, acomodações, etc.)
✔ Padronização dos critérios de arbitragem (ex: evitar ceras, anti jogo, violência)
✔ Punições severas para as agremiações que não evitarem violência dos seus torcedores
✔ Punições severas para jogadores violentos
✔ Conscientização dos jogadores para evitar pressionar os árbitros durante o jogo

A implementação das medidas estruturais acima propostas  definitivamente elevariam a percepção de qualidade do produto ofertado, valorizando ainda mais o campeonato, além de atrair mais patrocinadores e também de jogadores e treinadores de outros mercados. Juntamente com essa valorização provavelmente atrairiam mais torcedores para os jogos, principalmente nos menores mercados.

A Conmebol está de parabéns com as medidas adotadas, mas as ações não podem para por aí pois, caso contrário, a busca pela valorização e a percepção definitiva de uma grande mudança de patamar no produto ofertado não será atingida.

Caso as medidas futuras caminhem nessa direção, com certeza o torcedor sul-americano será o grande beneficiado.

Sí, se puede!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…