Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro 2017 R26



Mais um vôo de galinha?

Na rodada 23 fiz a indagação referente às dificuldades de manter a média de público pagante e renda bruta em um patamar estável dentro de todo o campeonato. Após três rodadas com médias de público abaixo dos 15 mil, a rodada 26 deu um salto e atingiu pela terceira vez no campeonato a média acima de 20 mil pagantes. Coincidentemente com a R14, que também foi acima dos 20 mil, esta rodada também atingiu boa média em 9 jogos, pois o jogo Vasco x Chapecoense foi disputado com portões fechados.

A média de 20.748 pagantes/jogo foi possível de ser alcançada pois, contrariamente ao histórico deste campeonato, tiveram 4 jogos com público pagante acima de 20 mil:

Bahia x Coritiba: 20.880 
Cruzeiro x Corinthians: 26.836 
Palmeiras x Santos: 37.527
São Paulo x Sport: 43.071

Podemos observar que, com apenas 2 a 3 jogos com média acima de 20 mil pagantes, é praticamente impossível de se atingir médias acima dos 20 mil. Portanto, acima de 4 jogos com público pagante elevado, as chances aumentam. 

Palmeiras e Santos mantiveram o histórico de bons públicos nos clássicos e a torcida do São Paulo, com média de público nível europeu nos últimos 6 jogos, foram os responsáveis principais da boa média de público pagante da R26.

A CBF, como organizadora do campeonato, caso tivesse essa preocupação, poderia definir metas para cada clube elevar suas taxas de ocupação, com premiações e punições financeiras para os clubes. Juntamente com essas medidas, seria importante definir ações para aumentar a presença de público. Para isso é necessário entender o comportamento do torcedor, como os novos gestores da FIA estão fazendo na F1.

Outro ideia poder ser como a da Fundação Municipal do Esporte (FME) de Florianópolis, com o objetivo de integrar alunos, pais e professores por meio do esporte. Uma ação de uma iniciativa municipal, mas que poderia ser muito bem adotada pela CBF e pelos clubes.

Muito mais do que apenas exigir presença dos atletas nas decisões das confederações, federações e clubes, a presença de profissionais competentes em suas respectivas áreas deveria ser cada vez mais valorizada pois, com certeza o debate e as melhorias seriam mais eficazes. De acordo com fontes da CBF, as reuniões onde os executivos dos times foram a maioria dos presentes, os resultados e o nível das discussões foi muito mais eficazes do que quando a presença dos cartolas foi maioria.

Quanto tempo o futebol brasileiro ainda resistirá sem que haja uma mudança de visão no futebol brasileiro?









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…