Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro 2017 R25



Quanto vale o show?

A cada rodada que passa do Brasileirão 2017 mais estamos vendo os números com tendência de queda. Estamos entrando na fase decisiva do campeonato, faltando 13 jogos para definir o campeão, os classificados para a Copa Libertadores e Sul-Americana, além dos times que lutam para não serem rebaixados, e o campeonato não empolga.

Um campeonato de pontos corridos é um torneio com vários mini-campeoanatos. Esta fórmula de disputa em tese seria um grande motivador para todos os times, pois todos estão envolvidos em alguma disputa, ainda mais após o aumento para 6 vagas para a Copa Libertadores.

Portanto, o que se esperava neste momento da disputa era todos os times e suas respectivas torcidas envolvidas nas suas respectivas disputas. Essa situação é o que se observa nas grandes ligas europeias, mas parece que, para o torcedor e os times brasileiros, essa situação não se repete.

A rodada 25 foi a segunda pior em média de renda bruta, com R$ 353 mil/jogo, apenas R$ 300 a mais que a pior renda, que foi na segunda rodada, onde em tese o campeonato ainda está esquentando. Também nesta rodada tivemos o terceiro pior ticket médio (R$ 22,46/jogo). Se na rodada 25 parece que o campeonato está esfriando, imaginem o que pode acontecer à partir das próximas rodadas.

O único e grande destaque da rodada foi o público do Majestoso no Morumbi. Os mais de 61 mil pagantes foi o maior público do campeonato. A torcida são paulina tem feito sua parte e dado um show, com média de 53 mil pagantes nos últimos 5 jogos.

A pergunta que se faz é: a torcida são paulina estaria comparecendo nesse nível ao Morumbi caso o time estivesse em quinto lugar no campeonato? Provavelmente não, como provam os números de anos anteriores.

Além do Campeonato Brasileiro, estão chegando as fases decisivas da Copa Libertadores, Copa Su-Aamericana e Copa do Brasil, e a percepção que se tem é que,  tanto os times como os torcedores, além das TVs responsáveis pelas transmissões, estão dando maior peso para os torneios mata mata do que ao principal campeonato do Brasil.

A festa que vimos nas semifinais e finais da Copa do Brasil e nas quartas de final da Copa Libertadores não podem ser replicadas para o Campeonato Brasileiro?

Estamos fadados a ver público nos estádios apenas dos líderes e quando algum time grande disputa para não ser rebaixado?

O que é necessário se alterar em termos de:

- fórmula de disputa;
- horário das partidas;
- promoção e produção do evento;
- qualidade técnica dos times e competência dos treinadores;
- entretenimento antes, durante e depois dos jogos;
- conforto, serviços dentro das arenas e estádios;
- transporte e acesso aos eventos;
- sensação de insegurança, riscos e violência;
- novas demandas de novos públicos como mulheres e geração milênio.

O que fazer para que o torcedor faça, a cada rodada o Brasileirão, a festa e o clima quente de um estádio de futebol que vimos nos jogos das Copas?

Afinal, quanto vale o show do Brasileirão?




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…