Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro 2017 R21



Despencando?

Até o final do primeiro turno houve uma curva ascendente da média de público pagante e renda bruta, fazendo com que o Brasileirão 2017 ficasse apenas abaixo do campeonato de 2015 em termos de público e renda. As perspectivas pareciam positivas de que o segundo turno pudesse aumentar ainda mais essa ascensão.

Foram disputadas apenas duas rodadas do segundo turno, ambas em finais de semana, onde a presença de público costuma ser maior, mas até o momento houve uma queda nos números, com média abaixo de 15 mil pagantes/jogo, além da queda da renda bruta e da taxa de ocupação.

No geral a média de público pagante ainda está levemente acima dos 16 mil por jogo mas, caso as médias se mantiverem nos níveis das duas últimas rodadas, a partir da próxima semana a  média de público cairá para baixo dos 15 mil.

Apenas o Corinthians, primeiro colocado disparado, conseguiu manter a sua excelente média de público pagante, renda bruta, ticket médio e taxa de ocupação, apesar do tempo frio e chuvoso no estado de São Paulo. 

O Palmeiras, que vinha em segundo lugar em quase todos os quesitos, teve uma forte queda na presença de público no jogo do último final de semana. A eliminação da Copa Libertadores, a baixa perspectiva de mudar o atual cenário no campeonato, num dia frio e chuvoso e num dos horários com pior média de público (domingo 19 horas), com certeza afetou no comparecimento. Apenas as próximas rodadas irão demonstrar se um ou mais fatores acima citados poderão afetar no comportamento do torcedor palmeirense.

Após a rodada 21 ganhou força o discurso sobre a importância que os dirigente e treinadores estão tratando o campeonato brasileiro em comparação às outras competições. Mais uma vez vimos Flamengo, Grêmio e Botafogo jogarem com times reservas, priorizando os jogos das semi finais da Copa do Brasil.

Os números abaixo demonstram com fatos como isso impacta no comportamento do torcedor:

Flamengo x Atlético Goianiense - Rodada 21 do Campeonato Brasileiro
Renda Bruta: R$ 319.740
Público Pagante: 5.969
Ticket Médio: R$ 53,57
Taxa de Ocupação: 30%

Flamengo x Botafogo - Semi final Copa do Brasil
Renda Bruta: R$ 2.955.550
Público Pagante: 47.573
Ticket Médio: R$ 62,13
Taxa de Ocupação: 60%

Grêmio x Atlético Paraense - Rodada 21 do Campeonato Brasileiro
Renda Bruta: R$ 461.683
Público Pagante: 13.615
Ticket Médio: R$ 33,91
Taxa de Ocupação: 24%

Grêmio x Cruzeiro - Semi final Copa do Brasil
Renda Bruta: R$ 1.758.042
Público Pagante: 41.711
Ticket Médio: R$ 42,15
Taxa de Ocupação: 75%


Nos dados acima podemos observar qual o campeonato o torcedor está valorizando. Mesmo no meio de semana, num horário que no Campeonato Brasileiro está na metade inferior em termos de médio de público pagante, o torcedor foi aos jogos, mesmo pagando mais pelo ingresso pois, nos jogos da Copa do Brasil, aparentemente estão dando maior importância, seguindo o que os dirigentes e treinadores comunicam nas suas coletivas de imprensa e nas escalações.

Creio que é preciso retomar o debate para levantar quais os fatores poderiam impactar para que o torcedor dê o mesmo valor ao Campeonato Brasileiro, entender os fatores motivacionais que poderiam fazer com que todos os envolvidos façam a cada rodada do Brasileirão, a mesma atmosfera que vimos nos jogos da Copa do Brasil.

Como mencionado no post da semana passada, creio que a fórmula de disputa pode ser um dos fatores a serem reavaliados.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…