Pular para o conteúdo principal

Campeonato Brasileiro 2017 - Análise de Performance



Começou o segundo turno do do Brasileirão da Série A 2017. Quanto mais o campeonato se desenvolve, mais vão se consolidando os grupos que disputam o título, o G4, o G6 e os que lutam para fugir do rebaixamento.
Seguem abaixo as constatações estatísticas atualizadas após o final do primeiro turno.

Corrida para o título
Muitos já consideram o Corinthians como o virtual campeão brasileiro de 2017, pois a campanha até o momento é a melhor da história dos pontos corridos. O aproveitamento de 82% é fantástico, juntamente com a invencibilidade no campeonato e a diferença de 8 pontos para o segundo colocado. Os 47 pontos conquistados pelo Corinthians em 19 jogos é a mesma pontuação do Cruzeiro em 2003 em 25 jogos.
A maior pontuação do primeiro turno até o último campeonato tinha sido do Atlético Mineiro em 2012 com 43 pontos (80% de aproveitamento), mas a diferença de 1 ponto para o segundo colocado, Fluminense, fez toda a diferença para a virada do tricolor carioca no segundo turno.
As maiores diferenças de pontuação entre o primeiro e segundo colocado no final do primeiro turno tinham sido do São Paulo em 2007 (5 pontos) e do Cruzeiro em 2014 (7 pontos). Nesses dois anos o primeiro colocado do primeiro turno foi o campeão brasileiro. Em 69% das vezes o campeão do primeiro turno foi o campeão brasileiro.
A média histórica para ser campeão brasileiro é (23V/7E/8D). A campanha corintiana é tão surreal que o Grêmio, segundo colocado, tem campanha de campeão, com 68% de aproveitamento, superior à média de 66.6%. Pelas duas campanhas, o Brasileirão 2017 matematicamente teria dois campeões, Corinthians e Grêmio.
Considerando que o Grêmio repita o aproveitamento do primeiro turno, o Corinthians precisa fazer a campanha do Palmeiras no primeiro turno para ser campeão (10V/2E/7D).
Portanto, a performance, a pontuação e a diferença de pontos para o segundo colocado praticamente colocam o Corinthians como virtual campeão. Apenas se houver uma grande mudança de cenário, como o Palmeiras de 2009, pode alterar a atual situação.
Vale lembrar a célebre frase de Pep Guardiola:
“Um campeonato se ganha e se perde nas 8 primeiras e nas 8 últimas rodadas”
 
Corrida para o G4
Relembrando que, nos últimos anos, para se classificar no G4 os times conseguiram em média 18V/ 9E/ 11D, aproveitamento de 55%.
Pela excelente campanha dificilmente o Grêmio sairá do G4. Santos (61% de aproveitamento) e Palmeiras (56% de aproveitamento), fizeram boas campanhas, ambos acima do aproveitamento médio. Pelo potencial do Flamengo, é possível colocar o rubro negro carioca na briga pelo G4 juntamente com os 2 times paulistas.
Nos últimos onze anos em média 3 dos 4 times que se classificaram para a Libertadores já estavam no G4 no final do primeiro turno. Portanto a chance de permanecer no G4 é de 75% no final do campeonato.
Para atingir ou permanecer no G4 os quatro times que considero que ainda disputam a vaga precisam fazer as seguintes campanhas:

- Grêmio: precisa fazer a campanha do Vasco da Gama no primeiro turno (7V/3E/9D);
- Santos: precisa fazer a campanha do Sport no primeiro turno (8V/4E/7D);
- Palmeiras: precisa repetir a mesma a campanha do primeiro turno (10V/2E/7D);
- Flamengo: precisa fazer a campanha do Santos no primeiro turno (10V/5E/4D).

Como Santos e Grêmio estão disputando a Copa Libertadores e Grêmio e Flamengo disputando a Copa do Brasil, o G4 pode virar G5 ou G6.

Corrida para o G6
Com a criação do G6 em 2016, o histórico adotado foi a campanha do Atlético Paranaense no ano passado, com 17V/ 6E/ 15D, aproveitamento de 50%. Considero que do quinto ao décimo colocados devem disputar as duas vagas do G6. Para atingir ou permanecer no G6 os seis times precisam fazer as seguintes campanhas:

- Flamengo: precisa fazer a campanha do Sport no primeiro turno (8V/4E/7D);
- Sport: precisa repetir a mesma campanha do primeiro turno (8V/4E/7D);
- Cruzeiro: precisa fazer a campanha do Flamengo no primeiro turno (7V/8E/4D);
- Atlético Paranaense, Coritiba, Fluminense e Botafogo: precisam fazer a campanha do Palmeiras no primeiro turno (10V/2E/7D).

Conforme mencionado na disputa do G4, o G6 pode virar G7 ou G8 devido às mesmas situações.

Rebaixamento
Nos últimos anos para não ser rebaixado os times conseguiram em média 11V/ 11E/ 16D, aproveitamento de 38%. A estatística histórica está sendo comprovada com os 38% de aproveitamento da Chapecoense, que está em décimo sexto colocado com os exatos 38% em 19 jogos.
Nos últimos onze anos em média 2 dos 4 times que foram rebaixados já estavam no Z4 no final do primeiro turno. Portanto a chance de permanecer no Z4 é de 50% no final do campeonato.
Todas as vezes que o time estava na última posição no final do primeiro turno, foi rebaixado. Para os times que estavam na penúltima posição, apenas dois grandes (Fluminense e Atlético Mineiro) escaparam. Todos as demais penúltimos colocados foram rebaixados. Esses dados aumentam a probabilidade de Atlético Goianiense e Avaí não saírem do Z4.
Pela diferença de apenas 6 pontos da Chapecoense e São Paulo, décimo sexto e décimo sétimo colocados respectivamente, para o Atlético Mineiro, décimo primeiro colocado, aumentam a chance de haver mudanças mais drásticas no Z4. Para fugir do Z4 os 10 times que considero que correm risco de rebaixamento precisam fazer as seguintes campanhas:

-  Vasco da Gama: precisa fazer a campanha do São Paulo no primeiro turno (5V/4E/10D);
- Ponte Preta, Bahia e Atlético Mineiro: precisam fazer a campanha similar da Chapecoense no primeiro turno (6V/2E/11D);
- Chapecoense: precisam fazer a mesma campanha do primeiro turno (6V/3E/10D).
-  São Paulo e Vitória: precisam fazer a campanha do Vasco da Gama no primeiro turno (7V/3E/9D);
- Avaí: precisa fazer a campanha do Botafogo no primeiro turno (6V/7E/6D);
- Atlético Goianiense: precisa fazer a campanha similar à do Palmeiras no primeiro turno (9V/4E/6D).

Pelas prováveis campanhas, é possível verificar que os times com maiores dificuldades de sair do G4 são Avaí e Atlético Goianiense. Vitória e São Paulo podem fazer campanha similar ao Vasco da Gama, mas os times logo acima do Z4 também podem atingir os números necessários para não serem rebaixados.
A média histórica pode ter leves distorções e os dados acima estão baseados nessa média. Com raras exceções esses números não batem no final do campeonato devido a performances acima da média, como do Corinthians neste ano, como abaixo da média, como o Palmeiras escapando do Z4 com 35% de aproveitamento em 2006 e 2014.
Quando completarmos 75% do campeonato, após a Rodada 29, iremos atualizar esses números.

"Quando os números não batem, você tem que mudar seu jogo." (Moneyball)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…