Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro Série A - Rodada 14 e 15



Após mais duas rodadas a avaliação que podemos fazer do comportamento do torcedor no Brasileirão se remete ao ditado português “Tudo como dantes no quartel de Abrantes” , que significa que tudo permanece sempre na mesma, sem alteração. 

Passadas cinco rodadas da R10, a média de público pagante, renda bruta, taxa de ocupação e ticket médio permanecem quase inalterados. São 15,4 mil pagantes/ jogo, R$ 550 mil/jogo de renda bruta, 42% de taxa de ocupação e ticket médio de R$ 28,58.

Quando Corinthians, Palmeiras e Grêmio jogam como mandantes na mesma rodada a média geral aumenta, tanto que a R14 teve a maior média de público pagante (21.013/jogo) e maior média de renda bruta (R$ 922 mil/jogo). A R14 teve o jogo Vasco x Santos disputado com portões fechados devido aos incidentes da semana anterior em São Januário. O jogo Cruzeiro x Flamengo também contribuiu para esse resultado, sendo a maior renda do Cruzeiro no campeonato até o momento.

Quanto ocorrem rodadas no meio de semana a média de público cai, ainda mais com Corinthians, Palmeiras e Grêmio como visitantes. Infelizmente a R15 foi a pior média de público do campeonato, com menos de 10 mil pagantes / jogo.

Os times de menor torcida conseguem maiores médias de público e renda quando recebem times grandes dos maiores centros do país, nos demais jogos as médias despencam.

Corinthians, Palmeiras e Grêmio continuam com as maiores médias de público, responsáveis por 31% de todo o público do campeonato. Corinthians, Palmeiras e Flamengo continuam com as maiores médias de renda bruta, responsáveis por 45% do total arrecadado até o momento.

Enquanto lemos entrevistas de ex presidente de time de futebol mencionando que jogos de futebol não são para pobre, o Campeonato Brasileiro mantém a taxa de ocupação em torno de 40%, sendo o décimo terceiro campeonato do mundo em média de público pagante, atrás países como México, Holanda, China, Estados Unidos, Japão, além da segunda divisão da Alemanha e Inglaterra. Vale a pena ler a análise que efetuei sobre o tema.

Avaliar se o copo está meio cheio ou meio vazio depende da forma como se quer interpretar os dados, mas o que mais se deve entender são os motivos que fazem com que o torcedor de todas as classes não frequentam estádios de futebol em maior número. Esse fenômeno é histórico e precisa ser melhor entendido pelos gestores visando mudar o cenário que se repete anualmente, onde em linhas gerais:

- Times com melhor campanha são os que conseguem as melhores médias de público e renda;

- Torcedores frequentam e pagam pagar mais em jogos de Copa do que nos pontos corridos;

- Campeonatos em que o torcedor percebe que há mais jogos que valem o público é maior;

-  Jogos da seleção brasileira;

- Jogos com baixa percepção de risco/violência nos estádios.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…