Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro Série A - Rodada 12 e 13





Basta!!!!

Infelizmente tivemos 3 mortes envolvendo brigas de torcedores entre sexta dia 07/07 e quarta feira dia 12/07.

Tudo começou na sexta feira a noite com a morte de um torcedor do num confronto entre integrantes das organizadas do Sport e do Santa Cruz em Recife. No sábado Vasco e Flamengo jogaram em São Januário e, após o apito final, "torcedores" do Vasco da Gama começaram um tumulto que rapidamente se espalhou por toda a arquibancada, culminando na morte de um torcedor nas imediações do estádio. Uma cena lamentável e traumática para quem não tem nada a ver com esse clima violento.

Na última quarta feira outra morte, dessa vez de um torcedor do Palmeiras após uma briga com corintianos a poucos quilômetros do Allianz Parque logo em seguida ao final do Derby que foi realizado na arena do Palmeiras.~

De acordo com a pesquisa "Os 17 motivos para não ir ao estádio" (Pluri Consultoria,2013), os principais motivos que afastam os torcedores do estádio no Brasil são: a) violência urbana, b) preço do ingresso, c) qualidade dos estádios, d) outras opções de lazer, e) falta de entretenimento nos estádios, f) pouca importância dos jogos, g) baixa qualidade das partidas, h) má classificação na tabela, i) transmissão dos jogos pela TV.

Em estudo publicado pelo Instituto Stochos Sports & Entertainment (2015), "Responsabilidade pela Violência no Futebol", o maior motivo para dos torcedores não irem ao estádio é a violência ou falta de segurança (43%), seguido pela distância do estádio (19,3%), nenhum interesse (16,7%), preço do ingresso (7%), falta de conforto no estádio (5,6%) e a falta de credibilidade da CBF (0,8%). Na mesma pesquisa foi detectado que 84,2% dos entrevistados responsabilizam as torcidas organizadas como responsáveis pela violência no futebol.

Mesmo com esses números, a pesquisa mostrou que, caso as torcidas organizadas fossem banidas do estádio, 58.5% dos entrevistados iriam aos jogos de futebol.  Esse número demonstra que, apesar dos entrevistados responsabilizarem a violência e as torcidas organizadas como os principais responsáveis por não irem ao estádio, mesmo com a hipótese do banimento das torcidas organizadas, 41.5% dos torcedores não iriam ao estádio.

Na minha pesquisa de mestrado foi detectado que quanto maior a percepção de risco menor a intenção de comprar ingressos para assistir a uma jogo de futebol no estádio.

No artigo “Os novos estádios e arenas e o comportamento do consumidor do produto esportivo: O padrão FIFA de qualidade e o impacto no torcedor brasileiro” (Mazzei & Rocco, 2015), o principal objetivo foi  identificar o perfil do consumidor de frequentadores de estádios de futebol antes, durante e depois da Copa do Mundo de 2014 realizada no país. Como objetivo secundário, o projeto identificou quais motivos faziam com que as pessoas não assistissem os jogos de futebol no Brasil, nos estádios e arenas nas doze cidades-sedes da Copa do Mundo 2014.Nas três etapas da pesquisa a violência nos arredores do estádio/torcidas organizadas e a sensação de insegurança no estádio foram as respostas mais recorrentes.

Até o momento já foram 9 mortes em confrontos de "torcedores" em 2017, transformando o Brasil no líder mundial em mortes em confrontos de torcedores. Conforme estudos do professor Maurício Murad, as mortes no Brasil estão ficando mais violentas com o passar dos anos.

Alguns colunistas se manifestaram sobre o tema nessa semana, pois a violência está cada vez mais recorrente como o principal fator que afasta os torcedores dos estádios.

O Brasileirão 2017, apesar de todos os fatos acima citados, está com a melhor média de público, renda, taxa de ocupação e ticket médio até a rodada 13. Na última quarta feira tivemos média de 17,2 mil pagantes/ jogo, a sexta melhor média em meio de semana desde 2014.

O Derby de São Paulo, o engajamento do torcedor são paulino em ajudar seu time a sair da zona de rebaixamento, a empolgação da torcida do Sport com a melhor série de vitórias em campeonatos brasileiros na rodada 13, além do sucesso de público nos jogos nas arenas do Corinthians e do Palmeiras já levaram mais de 2 milhões de pagantes aos jogos em 2017, a melhor marca desde 2014.

Fica claro que existe uma demanda reprimida que com uma melhoria na percepção de violência e insegurança nos estádios e arenas podem melhorar o atual cenário, juntamente com outros fatores esportivos como calendário, preço dos ingressos, fórmula de disputa, season ticket que também podem contribuir com a melhoria do cenário, mas infelizmente, sem uma grande melhoria na situação da violência, é muito provável que esse potencial de público não seja alterado significativamente.

Como frequentador de estádio por mais de 30 anos sou um grande defensor do aumento de público nos estádios mas, até o momento, as medidas adotadas como: proibição de torcedores entrarem nos jogos, fechamento de torcidas organizadas, não vender bebida alcoólica, proibição de bandeiras, instrumentos musicais e sinalizadores, torcida única não estão sendo eficazes.

Como sugerido pelo professor Murad, punição no curto prazo, prevenção no médio e reedução no longo prazo deveria ser o caminho a ser adotado, utilizando a inteligência e união de todos os envolvidos para transformar novamente os jogos de futebol numa grande festa, onde eu aprendi a me divertir e me apaixonar ainda mais por um jogo de futebol.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…