Pular para o conteúdo principal

Público e Renda: Campeonato Brasileiro Série A - Rodada 5 e 6



Começou a maratona de jogos de quarta e domingo. Serão três semanas seguidas com dois jogos por semana e que, além de afetar o desempenho dos atletas, também impacta no comparecimento do torcedor.

Conforme mencionei no post anterior, a média de público na rodada 5, além de ter tido uma queda, foi a segunda pior de todo o campeonato em média de público pagante (13.125/ jogo) e renda bruta (R$ 376 mil/jogo) e pior  taxa de ocupação (30%) e ticket médio  (R$ 19,31).

Destaques para a torcida do Bahia, que foi a maior média da rodada, com 18,9 mil pagantes e para o jogo Chapecoense e Grêmio, que teve a melhor renda bruta R$ 639 mil, taxa de ocupação 87% e ticket médio R$ 46,49. Essa presença de público em Chapecó também foi prevista anteriormente devido à forte presença de gaúchos na região.

Além desses dois pontos, destaque também para o Santos que, ao mandar o jogo contra o Botafogo no Pacaembu, conseguiu em uma única partida mais renda e mais público que nos dois jogos somados que disputou na Vila Belmiro. Não chegou a hora da diretoria pensar em mandar mais jogos em São Paulo?

Referente à rodada 6, mais uma vez os campeões de público deram as cartas. Corinthians foi o primeiro em público pagante, renda, taxa de ocupação, já o Palmeiras ficou em segundo mas com o melhor ticket médio.

A rodada 6 foi a melhor rodada em quase todos os quesitos, com média de público pagante de 17.132, renda bruta de R$ 718 mil, 47% de taxa de ocupação e o segundo melhor ticket médio R$ 32,26. 

A média de público e renda está crescendo a cada final de semana. O último final de semana foi o segundo com incremento contínuo. Fica claro que, quando Palmeiras e Corinthians jogam como mandantes, a média de público e renda sobe. As três rodadas com os dois rivais de São Paulo jogando como mandantes, foram até o momento, as três maiores presenças de público, renda, taxa de ocupação e ticket médio.

Um fato importante até o momento é que apenas dois dos times melhores classificados, Corinthians e Grêmio, estão entre os melhores públicos e renda. Palmeiras, Flamengo e Vasco, que até o momento oscilam no campeonato, completam os cinco melhores nesses quesitos. Algo que ultimamente não vem acontecendo, como no estudo científico que publiquei recentemente.

Após a R6 o campeonato brasileiro de 2017 já tem a melhor média de público pagante (14.928/jogo), a melhor média em renda bruta (533 mil), taxa de ocupação (40%) e ticket médio (R$ 28,76) dos últimos 4 anos.

Nas próximas duas rodadas Corinthians e Palmeiras não vão jogar como mandantes simultaneamente. Essa situação pode impactar na média de público e renda. 

O importante que estamos observando até um momento é que, apesar do futebol apresentando não ser empolgante, estamos tendo jogos com muitos gols, tanto que até o momento a média de gols (2,55/jogo) é a melhor desde 2011 e a média de público é a melhor dos últimos quatro anos.

Que a festa possa aumentar tanto dentro como fora de campo nas próximas rodadas.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

A Sexta Coroa

Muitos Palmeirenses mais jovens acabam descobrindo as histórias das conquistas do nosso amado time através dos livros, revistas, internet, principalmente aqueles cujos pais não são Palmeirenses ou não sejam praticantes ( uma minoria em nosso caso).
Já os mais rodados pela idade ou da linhagem "old school" foram forjados em sangue verde desde o embrião. Eu e meus irmãos tivemos esse privilégio. Nosso sangue verde já percorria nossos embriões. Mesmo antes de nascer já sentíamos o que era ser Palmeirense.
Quando a gente nasceu o Palmeiras fez parte das nossas vidas em todos os momentos.Fomos batizados Palmeirenses através do sangue verde e branco muito antes do batismo religioso.
O meu velho pai deveria estar ansioso para chegarmos a idade onde ele poderia passar para nós o que era o Palmeiras, quanto ele amava esse time, contar as histórias, conquistas, as poucas derrotas. Aos 6 anos de idade recebi o batismo no estádio num Palmeiras 2 x 1 São Paulo no Morumbi, "gols de Nei …