Pular para o conteúdo principal

O Dono e os Chefs



Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.

Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:

O Dono e os Chefs

Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.

O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro ficaram aquém do esperado e novamente as vendas diminuíram.

O dono descobriu os motivos e teve uma nova ideia,  demitiu o mestre churrasqueiro, trazendo um especialista em peixe, para criar um fato novo. O novo chef, devido a sua especialidade, pediu para alterar o cardápio,  pois ele sabia fazer muito bem peixe. 

Novamente a frequência de clientes aumentou pela novas expectativas mas, como consequência, muita carne nobre foi deixada de lado e começou a estragar, além do que, os pratos de carne que ficaram no cardápio não eram bem feitos devido a falta de especialidade do novo chef. Para completar o novo chef pediu para fazer reformas na cozinha para poder fazer seus pratos de acordo com suas técnicas.

Passado mais seis meses os resultados se repetiram.  A qualidade e a expectativa com o novo chef ficaram aquém do esperado e novamente as vendas diminuíram. Preocupado com as críticas dos clientes o dono demitiu o atual chef e resolveu transformar a casa em cantina italiana, pois era um sucesso na sua cidade.

Chegou o novo chef e as mesmas situação se repetiram. Devido a especialidade em cozinha italiana o novo chef tirou do cardápio os peixes e as carnes. Novamente a frequência de clientes aumentou pela novas expectativas mas, além das carnes, os peixes também ficaram de lado e começou a estragar. Além disso o novo chef pediu para reformar novamente a cozinha para adequar às suas necessidades, mas o dono exigiu que as carnes e os peixes ficassem no cardápio, pois ele tinha investido muito e tinha que fazer dinheiro com esses ingredientes.

O atual chef teve que aceitar, mas tanto os pratos de  carne como de peixe não ficavam bons, pois não era sua especialidade, tanto que, após mais seis meses, o chef pediu demissão pois não tinha como conviver com essa pressão.

Desesperado o dono atendeu às pressões dos clientes e contratou novamente o mestre churrasqueiro do antigo proprietário. Quando ele chegou no restaurante ele viu que a carne não era da mesma qualidade, as estruturas estavam totalmente alteradas, além de ter que fazer massas e peixes, que não eram sua especialidade. 

Após um mês de trabalho os clientes começaram a criticar novamente, pois a comida não era a mesma, os ingredientes tinham mudado totalmente e o chef pediu mais tempo para poder colocar a casa em ordem.

Os chefs que foram demitidos, com medo de perder seus empregos novamente, ao invés de exigir condições e tempo de trabalho, por segurança, começaram a servir apenas o comercial com opções de carne e frango. De uma hora para outra, todos os restaurantes da cidade começaram a ofertar comercial, e os clientes não se sentiam atraídos por nenhum restaurante, já que todos serviam os mesmos pratos, com pouca variedade de opções e de sabor.

Após dois anos, o dono vendeu o negócio porque ele não conseguiu dar resultado e veio um novo dono, cheio de ideias novas e resolveu montar um restaurante japonês.......

Fim

Moral da história:

Em quase 100% dos times brasileiros é assim que é gerido o departamento de futebol, onde se busca o resultado sem ter uma ideia clara, uma visão, uma missão , uma estratégia de longo prazo. Como consequência temos esse ciclo vicioso que impera no futebol brasileiro, principalmente por falta de visão de negócio, profissionalismo e gestão.

Podemos comparar essa situação pela análise que efetuei há duas semanas e que também foi aprofundada pelo Alex Bourgeois.

A pergunta que fica no ar é a seguinte:

Como os times brasileiros vão conseguir resultados sustentáveis, esportiva e financeiramente, se são geridos em sua grande maioria semelhantemente ao restaurante da história acima?

Comentários

  1. Nenhum clube brasileiro possui um conselho de gestores apartidario preocupado em pensar o clube estrategicamente no longo prazo, 20 ou 30 anos à frente. Pensam apenas para 20 ou 30 dias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…