Pular para o conteúdo principal

Precisamos falar de identidade



A demissão de Eduardo Batista e a volta de Cuca para o cargo de treinador do Palmeiras foi um dos temas mais discutidos nos últimos dias. Nas mídias sociais notamos as reações entusiasmadas da grande maioria dos torcedores palmeirenses, celebrando a volta do treinador que comandou o Palmeiras na conquista do título brasileiro de 2016. Por outro lado, vimos muitas críticas de analistas sobre a demissão de Eduardo Batista.

Comentei via twitter sobre a necessidade das organizações esportivas trabalharem sua identidade e, consequentemente, a identificação do torcedor com seu time. Por não trabalharem corretamente essa identidade, acabam contratando jogadores e treinadores que não são identificados com os atributos dos times e, como consequência, o imediatismo pelos resultados acaba queimando qualquer tipo de trabalho, pois o foco fica apenas em ganhar, não importando a forma, sem que tenha uma relação cognitiva, afetiva do torcedor pelo treinador, jogadores e estilo de jogo.

Todos os times possuem uma identidade e, devido a ela, um grupo de pessoas se identificam com esse time baseado nas influências dos familiares, da região/cidade, jogadores, treinadores, presidentes, feitos históricos, número de conquistas, o estádio onde jogam, as causas que a organização esportiva defende entre outros.

Esses fatores geram uma série de atributos que criam uma identidade única de cada organização esportivo. Caso os gestores consigam definir claramente esses atributos, toda a comunicação do time será baseada nesses atributos, por exemplo: cores, design do uniforme, modelo de jogo, além de buscar parceiros comerciais com congruência de atributos que possam se apropriar mutuamente.

O Barcelona possui no seu estatuto a obrigação de sempre jogar de forma técnica, artística. Dessa forma jogadores e treinadores que não possuem esses atributos dificilmente jogarão no time catalão. Os catalães valorizam e se identificam com esses atributos, e o Barcelona entende muito bem isso.

O Atlético de Bilbao não aceita atletas não nascidos, não desenvolvidos ou não descendentes no País Basco. O time basco é uma bandeira para a região e jogar com atletas bascos é a sua identidade. Torcedores de muitos times europeus enchem seus estádios, consomem produtos e serviços devido a essa identidade bem trabalhada pelas organizações esportivas.

Nos times do futebol brasileiro esses atributos podem ser percebidos. Prestigiar jogadores da base é aceito pela torcida do Santos. Flamengo e Corinthians, devido grande parte da sua torcida vir de classes sociais mais baixas, possuem como identidade as vitórias na superação, na garra, pois grande parte da sua torcida se identifica com esses atributos. Torcedores dos times do Grêmio e Internacional valorizam treinadores e jogadores de força. Os torcedores do Palmeiras valorizam times mais técnicos.

O torcedor sempre gostou que a seleção brasileira levasse a campo os atributos que nos identificamos como o drible, o improviso, jogadores e jogadas plásticas, ganhando e convencendo. Uma forma de mostrar no futebol que o Brasil é superior aos demais países. Não é à toa que reverenciamos até hoje a seleção de 1982 quase no mesmo nível da seleção de 1970, pois foram times que mais próximos ficaram desses atributos que nos identificam com escola futebolística.

Como os times não trabalham claramente seus atributos e também devido a muitos times necessitarem de conquistas, treinadores e jogadores são contratados e demitidos no mesmo ritmo devido à busca incessante por resultados, não importando a forma. Para mim esse é um dos grandes motivos para as reações da semana com a pressão para a demissão de Eduardo Batista e pela festa dos palmeirenses devido a volta de Cuca, que criou uma grande identificação com a torcida e vice-versa.


Entender quais são os atributos, validar esses atributos com a base de torcedores, criar uma comunicação clara baseado nessa identidade única e nos seus atributos é uma das funções do departamento de marketing de qualquer organização esportiva visando criar sua proposta única de valor para os torcedores, patrocinadores, mídia e os demais envolvidos. Caso contrário, veremos situações como a demissão de Eduardo Batista se repetir seguidamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…