Pular para o conteúdo principal

Precisamos falar de identidade



A demissão de Eduardo Batista e a volta de Cuca para o cargo de treinador do Palmeiras foi um dos temas mais discutidos nos últimos dias. Nas mídias sociais notamos as reações entusiasmadas da grande maioria dos torcedores palmeirenses, celebrando a volta do treinador que comandou o Palmeiras na conquista do título brasileiro de 2016. Por outro lado, vimos muitas críticas de analistas sobre a demissão de Eduardo Batista.

Comentei via twitter sobre a necessidade das organizações esportivas trabalharem sua identidade e, consequentemente, a identificação do torcedor com seu time. Por não trabalharem corretamente essa identidade, acabam contratando jogadores e treinadores que não são identificados com os atributos dos times e, como consequência, o imediatismo pelos resultados acaba queimando qualquer tipo de trabalho, pois o foco fica apenas em ganhar, não importando a forma, sem que tenha uma relação cognitiva, afetiva do torcedor pelo treinador, jogadores e estilo de jogo.

Todos os times possuem uma identidade e, devido a ela, um grupo de pessoas se identificam com esse time baseado nas influências dos familiares, da região/cidade, jogadores, treinadores, presidentes, feitos históricos, número de conquistas, o estádio onde jogam, as causas que a organização esportiva defende entre outros.

Esses fatores geram uma série de atributos que criam uma identidade única de cada organização esportivo. Caso os gestores consigam definir claramente esses atributos, toda a comunicação do time será baseada nesses atributos, por exemplo: cores, design do uniforme, modelo de jogo, além de buscar parceiros comerciais com congruência de atributos que possam se apropriar mutuamente.

O Barcelona possui no seu estatuto a obrigação de sempre jogar de forma técnica, artística. Dessa forma jogadores e treinadores que não possuem esses atributos dificilmente jogarão no time catalão. Os catalães valorizam e se identificam com esses atributos, e o Barcelona entende muito bem isso.

O Atlético de Bilbao não aceita atletas não nascidos, não desenvolvidos ou não descendentes no País Basco. O time basco é uma bandeira para a região e jogar com atletas bascos é a sua identidade. Torcedores de muitos times europeus enchem seus estádios, consomem produtos e serviços devido a essa identidade bem trabalhada pelas organizações esportivas.

Nos times do futebol brasileiro esses atributos podem ser percebidos. Prestigiar jogadores da base é aceito pela torcida do Santos. Flamengo e Corinthians, devido grande parte da sua torcida vir de classes sociais mais baixas, possuem como identidade as vitórias na superação, na garra, pois grande parte da sua torcida se identifica com esses atributos. Torcedores dos times do Grêmio e Internacional valorizam treinadores e jogadores de força. Os torcedores do Palmeiras valorizam times mais técnicos.

O torcedor sempre gostou que a seleção brasileira levasse a campo os atributos que nos identificamos como o drible, o improviso, jogadores e jogadas plásticas, ganhando e convencendo. Uma forma de mostrar no futebol que o Brasil é superior aos demais países. Não é à toa que reverenciamos até hoje a seleção de 1982 quase no mesmo nível da seleção de 1970, pois foram times que mais próximos ficaram desses atributos que nos identificam com escola futebolística.

Como os times não trabalham claramente seus atributos e também devido a muitos times necessitarem de conquistas, treinadores e jogadores são contratados e demitidos no mesmo ritmo devido à busca incessante por resultados, não importando a forma. Para mim esse é um dos grandes motivos para as reações da semana com a pressão para a demissão de Eduardo Batista e pela festa dos palmeirenses devido a volta de Cuca, que criou uma grande identificação com a torcida e vice-versa.


Entender quais são os atributos, validar esses atributos com a base de torcedores, criar uma comunicação clara baseado nessa identidade única e nos seus atributos é uma das funções do departamento de marketing de qualquer organização esportiva visando criar sua proposta única de valor para os torcedores, patrocinadores, mídia e os demais envolvidos. Caso contrário, veremos situações como a demissão de Eduardo Batista se repetir seguidamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…