Pular para o conteúdo principal

Menos é mais?



No último final de semana se iniciou o décimo quinto campeonato brasileiro da Série A na versão pontos corridos. Quando se decidiu por essa fórmula de disputa, o grande ponto de melhoria era que todos os times poderiam se programar para ter jogos até o final do ano.  Até 2002, com a fórmula anterior, os times que não se classificavam entre os oito melhores ficavam sem jogar em meados de novembro, não tendo como conseguir receitas adicionais para fechar o ano.

Muitas fórmulas de disputa foram utilizadas nos 40 anos de Brasileirão, mas a média de público quase não teve muitas oscilações. As médias de público desde a criação do Campeonato Brasileiro no final da década de 60 são as seguintes:

Anos 60: 20.120 (poucos times, poucos jogos)
Anos 70: 15.441 (inchaço do campeonato, excesso de times e de jogos, com várias fases)
Anos 80: 17.021 (grande maioria das edições ainda com excesso de times e de jogos)
Anos 90: 12.556 (início da redução de times e de jogos)
Anos 00: 13.345 (início dos pontos corridos em 2002 com 26 times. Em 2006 com 20 times)
Anos 10: 15.279 (abertura das novas arenas em 2013)
Média geral: 14.980

Em apenas 3 anos a média de público foi acima de 20 mil/jogo: 1970, 1980, 1987. O campeonato de 1970 teve 17 participantes e 142 jogos, o de 1980 teve 44 participantes e 306 jogos, já a Copa União de 1987 teve 16 participantes e 126 jogos. Mesmo o campeonato de 1980, com 44 times, teve 20% menos jogos que a fórmula de disputa atual. Além disso, em 1980 e 1987 a fórmula de disputa foi através de playoffs nas fases decisivas com o Flamengo, maior torcida do Brasil, sendo o campeão.

Se formos avaliar por décadas, existe um incremento de média de público nos últimos 16 anos, mas, após 3 anos de incremento consecutivo, 2016 teve queda na média. A taxa de ocupação também está estagnada nos últimos 3 anos, com média de 42%. Considero a taxa de ocupação muito baixa, por mais que exista um incremento nos preços dos ingressos nos últimos anos devido às novas arenas.

Em 2017 o campeonato paulista, com menos times e menos jogos na fase de grupos e aumento de jogos na fase de playoffs, teve um incremento de 54% na média de público pagante, 69% em arrecadação bruta, 27% em taxa de ocupação, mesmo com ticket médio 21% mais caro.

No livro Marketing Esportivo: A reinvenção do esporte em busca de torcedores (Rein, Kotler, Shields), os autores mencionam que os campeonatos devem contar uma história para serem atrativos. Para o público se identificar com a história do campeonato, fatores sócio culturais devem ser levados em conta.

Como estamos na América do Sul, uma região cheia de contradições, injustiças, má distribuição de renda, reviravoltas e cheia de particularidades, um campeonato de regularidade, sem muitas emoções, reviravoltas é o modelo que o torcedor se identifica?

Não defendo o modelo que imperou até 2002, mas será que mercadologicamente o modelo dos pontos corridos é o mais atrativo e que o torcedor brasileiro mais se identifica?

Será que chegou a hora de rever o atual modelo, com redução do número de jogos e mais jogos com mais apelo e emoção, visando atrair mais público?

Está aberto o debate.










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…