Pular para o conteúdo principal

Menos é mais?



No último final de semana se iniciou o décimo quinto campeonato brasileiro da Série A na versão pontos corridos. Quando se decidiu por essa fórmula de disputa, o grande ponto de melhoria era que todos os times poderiam se programar para ter jogos até o final do ano.  Até 2002, com a fórmula anterior, os times que não se classificavam entre os oito melhores ficavam sem jogar em meados de novembro, não tendo como conseguir receitas adicionais para fechar o ano.

Muitas fórmulas de disputa foram utilizadas nos 40 anos de Brasileirão, mas a média de público quase não teve muitas oscilações. As médias de público desde a criação do Campeonato Brasileiro no final da década de 60 são as seguintes:

Anos 60: 20.120 (poucos times, poucos jogos)
Anos 70: 15.441 (inchaço do campeonato, excesso de times e de jogos, com várias fases)
Anos 80: 17.021 (grande maioria das edições ainda com excesso de times e de jogos)
Anos 90: 12.556 (início da redução de times e de jogos)
Anos 00: 13.345 (início dos pontos corridos em 2002 com 26 times. Em 2006 com 20 times)
Anos 10: 15.279 (abertura das novas arenas em 2013)
Média geral: 14.980

Em apenas 3 anos a média de público foi acima de 20 mil/jogo: 1970, 1980, 1987. O campeonato de 1970 teve 17 participantes e 142 jogos, o de 1980 teve 44 participantes e 306 jogos, já a Copa União de 1987 teve 16 participantes e 126 jogos. Mesmo o campeonato de 1980, com 44 times, teve 20% menos jogos que a fórmula de disputa atual. Além disso, em 1980 e 1987 a fórmula de disputa foi através de playoffs nas fases decisivas com o Flamengo, maior torcida do Brasil, sendo o campeão.

Se formos avaliar por décadas, existe um incremento de média de público nos últimos 16 anos, mas, após 3 anos de incremento consecutivo, 2016 teve queda na média. A taxa de ocupação também está estagnada nos últimos 3 anos, com média de 42%. Considero a taxa de ocupação muito baixa, por mais que exista um incremento nos preços dos ingressos nos últimos anos devido às novas arenas.

Em 2017 o campeonato paulista, com menos times e menos jogos na fase de grupos e aumento de jogos na fase de playoffs, teve um incremento de 54% na média de público pagante, 69% em arrecadação bruta, 27% em taxa de ocupação, mesmo com ticket médio 21% mais caro.

No livro Marketing Esportivo: A reinvenção do esporte em busca de torcedores (Rein, Kotler, Shields), os autores mencionam que os campeonatos devem contar uma história para serem atrativos. Para o público se identificar com a história do campeonato, fatores sócio culturais devem ser levados em conta.

Como estamos na América do Sul, uma região cheia de contradições, injustiças, má distribuição de renda, reviravoltas e cheia de particularidades, um campeonato de regularidade, sem muitas emoções, reviravoltas é o modelo que o torcedor se identifica?

Não defendo o modelo que imperou até 2002, mas será que mercadologicamente o modelo dos pontos corridos é o mais atrativo e que o torcedor brasileiro mais se identifica?

Será que chegou a hora de rever o atual modelo, com redução do número de jogos e mais jogos com mais apelo e emoção, visando atrair mais público?

Está aberto o debate.










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

A Sexta Coroa

Muitos Palmeirenses mais jovens acabam descobrindo as histórias das conquistas do nosso amado time através dos livros, revistas, internet, principalmente aqueles cujos pais não são Palmeirenses ou não sejam praticantes ( uma minoria em nosso caso).
Já os mais rodados pela idade ou da linhagem "old school" foram forjados em sangue verde desde o embrião. Eu e meus irmãos tivemos esse privilégio. Nosso sangue verde já percorria nossos embriões. Mesmo antes de nascer já sentíamos o que era ser Palmeirense.
Quando a gente nasceu o Palmeiras fez parte das nossas vidas em todos os momentos.Fomos batizados Palmeirenses através do sangue verde e branco muito antes do batismo religioso.
O meu velho pai deveria estar ansioso para chegarmos a idade onde ele poderia passar para nós o que era o Palmeiras, quanto ele amava esse time, contar as histórias, conquistas, as poucas derrotas. Aos 6 anos de idade recebi o batismo no estádio num Palmeiras 2 x 1 São Paulo no Morumbi, "gols de Nei …

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…