Pular para o conteúdo principal

Don´t Cry For Me Argentina



Há 10 dias tivemos mais uma aula de futebol no emocionante e grandioso jogo entre Real Madrid e Barcelona. As duas máquinas de jogar futebol, de marketing e de fazer dinheiro entregaram para uma audiência mundial mais um jogo inesquecível, onde não faltou nenhum ingrediente de um grande evento esportivo.

Chamou a atenção que, praticamente no mesmo horário das semifinais em grande parte dos estaduais, o jogo entre os gigantes espanhóis tenha despertado enorme envolvimento dos brasileiros, tanto que foi o terceiro país que mais mencionaram e/ou utilizaram hashtags sobre o jogo entre Real e Barcelona.





As grandes marcas globais, de olho num mercado ainda muito mal explorado pelas marcas brasileiras, estão efetuando ativações e atingindo um grande público no território nacional com muita eficiência. Os resultados estão comprovando que cada vez mais temos torcedores brasileiros torcendo para times europeus desde a infância.

A tendência no momento é que esse número cresça pois a cada semana vemos atitudes e fatos que só denigrem a imagem do futebol brasileiro e sul-americano. Um péssimo exemplo disso foi a vergonhosa atitude de todos os envolvidos no jogo Peñarol e Palmeiras pela Copa Libertadores. Uma antítese do que Real Madrid e Barcelona ofereceram no final de semana.

Segundo pesquisa recente do Instituto Paraná Pesquisas, cerca de 40 milhões de brasileiros não torcem para time algum. O segundo colocado é o Flamengo com 33 milhões. Portanto podemos verificar que o maior contingente de brasileiros não torce para nenhum time. 40 milhões é praticamente uma Argentina.

No livro “A Estratégia do Oceano Azul” os autores mencionam que para buscar maior lucratividade e competitividade, o ideal é focar nos não clientes e em setores alternativos. Por enquanto o que vemos no Brasil são 40 milhões de não clientes lamentando a falta de interesse dos gestores esportivos em buscar entendê-los e atraí-los. Além disso é possível que muitos destes 40 milhões devem estar entre os que fizeram comentários no Twitter sobre o clássico de Madrid.

Cabe a nós, que vemos o enorme potencial inexplorado no esporte brasileiro, lamentarmos utilizando o célebre refrão da música de Adrew Llooyd Webber e Tim Rice para o musical Evita:

“Don´t Cry For Me Argentina!!”


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

A Sexta Coroa

Muitos Palmeirenses mais jovens acabam descobrindo as histórias das conquistas do nosso amado time através dos livros, revistas, internet, principalmente aqueles cujos pais não são Palmeirenses ou não sejam praticantes ( uma minoria em nosso caso).
Já os mais rodados pela idade ou da linhagem "old school" foram forjados em sangue verde desde o embrião. Eu e meus irmãos tivemos esse privilégio. Nosso sangue verde já percorria nossos embriões. Mesmo antes de nascer já sentíamos o que era ser Palmeirense.
Quando a gente nasceu o Palmeiras fez parte das nossas vidas em todos os momentos.Fomos batizados Palmeirenses através do sangue verde e branco muito antes do batismo religioso.
O meu velho pai deveria estar ansioso para chegarmos a idade onde ele poderia passar para nós o que era o Palmeiras, quanto ele amava esse time, contar as histórias, conquistas, as poucas derrotas. Aos 6 anos de idade recebi o batismo no estádio num Palmeiras 2 x 1 São Paulo no Morumbi, "gols de Nei …

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…