Pular para o conteúdo principal

Dinheiro e sucesso: Os times com melhores e piores performance no Brasileirão 2016



Recentemente conheci o site CIES Football Observatory, que fica na Suíça e produz análises e estudos estatísticos no Futebol.

Em um post de 2/05/2017 o site efetuou uma análise comparativa entre o salário gasto pelos times das cinco principais ligas da Europa e a performance em campo. Baseado nesses dados eles criaram um ranking para medir a eficácia da gestão das equipes. O ranking é baseado no GAP (diferença entre a classificação final e a posição no ranking de salários). Quanto maior o GAP, melhor a performance e vice versa.

Durante o mês de maio foram publicados os balanços dos times brasileiros e, baseado nos mesmos critérios do CIES, efetuei uma análise similar para os 20 times que disputaram a Série A em 2016.

Para chegar a um dado padrão dos gastos com salários, ao invés de considerar os gastos anuais, eu considerei oito meses de salários, pois o Campeonato Brasileiro começa a ser disputado em maio e termina em dezembro.

Os dados de gastos com salários foram coletados no blog Marketing e Economia da Bola. Devido falta de todos os times que disputaram a Série A ano passado, os dados do América Mineiro, Ponte Preta Santa Cruz foram coletados de outras fontes da internet.

Vamos aos ranking:

Podemos observar que,  por essa avaliação, Ponte Preta, Santos, Botafogo e Chapecoense fazem parte do G4 em termos de gastos com salários x performance em campo. Destaque para a Ponte Preta e Chapecoense, pois ficaram entre as 4 equipes com menor folha salarial entre os 20 participantes.

Como é possível de observar no ranking do CIES, os times com maiores  folhas salariais e com boa performance ficam no meio do ranking, pois conseguiram um desempenho de acordo com os recursos investidos. Já os times com os menores gastam com salários e com baixa performance também ficam no meio do ranking, pois não conseguiram performance superior aos gastos salariais.

Por outro lado, equipes com alta folha salarial e que não correspondem com desempenho em campo, acabam ficando nas piores posições do ranking.  Baseado nesse quesito, Internacional, São Paulo, Cruzeiro e Corinthians seriam rebaixados devido a má gestão dos recursos, sem deixar de mencionar que o Fluminense também teve uma péssima gestão dos recursos.

O futebol é um grande negócio, com os principais times  faturando um total R$ 4,9 bilhões na última temporada. Em qualquer segmento uma gestão eficaz e eficiente faz toda a diferença. A eficácia da gestão deve ser medida baseado nos objetivos e metas de cada organização.

Os dados desse ranking servem como parâmetro para o torcedor avaliar que apenas com uma gestão bem feita é possível se atingir resultados sustentáveis e uma conquista esporádica de um título pode mascarar uma má gestão. Por outro lado, nem sempre um time que não conquista títulos tem uma má gestão. Nesses casos, saber se comunicar muito bem com seus torcedores e trabalhar seus atributos, valores e propósitos, pode ser muito bem aceito e ter o sabor de uma conquista.

Parabéns à Ponte Preta, Santos, Botafogo e Chapecoense pela otimização dos recursos que foram premiados com ótima performance em campo e parabéns a Palmeiras, Flamengo, Atlético Mineiro e Atlético Paranaense pois conseguiram extrair em campo de maneira eficiente os recursos aplicados.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…