Pular para o conteúdo principal

Primeiro de Abril



01/04/2017

Ata da reunião do Conselho Técnico da Federação Paulista

Foram apresentados para todos os presidentes dos times participantes da Série A1 os números consolidados da presença de público pagante nos estádios da fase de grupos. Esse foi um tema muito discutido nos últimos anos, tanto que parte das cotas de cada time estavam atrelada ao aumento de público pagante no ano de 2017 em diante.

O presidente da entidade comemorou o incremento de 34% na média de público pagante, 48% na renda bruta e 23% na taxa de ocupação na primeira fase em comparação ao ano de 2016, mas um dos executivos que estava presente ressaltou que parte desse aumento foi devido à redução de times participantes, enfatizando que, com menos jogos, foi possível incrementar as médias e que seria necessário esperar os próximos anos para se verificar a evolução desses números.

Posteriormente foi apresentado os números referentes aos clássicos, onde o presidente enfatizou um grande incremento em todos os quesitos em comparação com o ano anterior, com 56% de aumento da média de público pagante, 58% na arrecadação e 36% na taxa de ocupação. O presidente ressaltou que os 71% de taxa de ocupação não devia nada para qualquer grande liga do mundo.

Quando foram apresentados os números referentes aos jogos onde os times do interior receberam os 4 times grandes, o clima esquentou. O presidente cobrou ferrenhamente uma melhoria nos números para os próximos anos, pois os clubes pequenos cobraram quase o dobro do ticket médio visando forte aumento de arrecadação, mas a média de público foi 5% inferior e a renda bruta subiu apenas 7% em comparação à média do campeonato, com um incremento de 46 % da taxa de ocupação. Os números de 2016 são praticamente os mesmos, mesmo com menos jogos.

Ficou decidido como meta para 2018 que todos os times do interior façam um estudo para que consigam arrecadação e média de público no mínimo 10% superior à média geral do campeonato, pois, segundo palavras do presidente, por causa dos jogos contra os grandes que ele luta pela manutenção dos estaduais no atual formato.

Nos jogos onde os 4 grandes foram mandantes, houve um incremento de média de público de 22% além de um incremente de 13% na arrecadação. A taxa de ocupação e ticket médio se mantiveram estáveis. O São Paulo foi elogiado pelo forte incremento de público, triplicando sua média sobre 2016, além do Palmeiras, que também obteve aumento de 37%. Foi sugerido aos dois alvinegros um estudo para verificar os motivos pela queda de público e ficou decidido que no mínimo ambos devem voltar às médias de 2016, 28 mil (Corinthians) e 10 mil (Santos).

Finalizando as análises, os clubes do interior receberam forte cobrança, mas também apoio da federação visando aumentar as médias para os próximos anos, pois houve queda na média de público nos jogos entre si, além da taxa de ocupação ser a mesma do ano anterior e com leve incremento na arrecadação. Ficou decidido que seja drasticamente reduzido os jogos com público abaixo dos 4 mil, pois em 2017 50% dos jogos tiveram essa média, além de zerar jogos com menos de 2 mil pessoas, pois 27% dos jogos entre os pequenos tiveram menos de 2 mil pagantes.

Como a federação zela pelos seus clubes membros, o departamento de marketing da entidade irá desenvolver um plano de ação para buscar maneiras de aumentar a presença de público nos jogos contra os grandes e também entre os times do interior para valorizar o espetáculo.

O presidente ressaltou que o aumento das médias, muito mais do que a queda do número de jogos, foi devido aos clássicos e também aos jogos de Palmeiras e São Paulo como mandantes. Corinthians e Santos precisam trabalhar melhor os jogos como mandantes, bem como os times do interior, tanto quando recebem os 4 grandes como nos jogos entre si. Ficou decidido que no mínimo 33% dos jogos tenham público pagante acima de 10 mil pessoas, pois em 2017 essa meta foi atingida em 21 jogos dos 96 realizados.

Os presidentes dos clubes reclamaram dos jogos aos sábados e domingo pela manhã, onde apenas o jogo Red Bull e Santos teve bom público, 20 mil pagantes, bem como os jogos às sextas feiras 19h, segunda e terça feira à noite. Também jogos aos domingos no início da noite não são atrativos. Mencionaram que nesses horários ou se marca jogos contra times grandes ou não é viável jogar. Por outro lado, jogos às sextas feiras a noite, sábado à tarde e início da noite são mais atrativos. Os representantes dos 3 times da capital sugeriram evitar marcar jogos no meio de semana antes das 20:30h pois, devido à hora do rush, muitos torcedores não conseguem chegar a tempo.

O que é possível de se perceber, é a que a Federação Paulista de Futebol está empenhada em aumentar a média de público, renda e taxa de ocupação, pois sabem que o espetáculo com mais público é muito mais atrativo para todos os envolvidos, bem como potencial de arrecadação a ser melhor explorado pelos seus membros, pois o Campeonato Paulista Serie A1 é o produto premium da entidade e precisa ser melhorado constantemente para atrair mais patrocinadores e parceiros comerciais.

Todos os dados desse post são verdadeiros, já as metas e comentários são fictícios. Esperamos que em breve esta ata de reunião se transforme de ficção em realidade.

Post da semana na fanpage Marketing Futebol Clube




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…