Pular para o conteúdo principal

Além das Quatro Linhas


No dia 14/04 postei mais um excelente artigo do Correio Brasiliense sobre o alto risco que os clubes brasileiros estão correndo em perder torcedores para os grandes times europeus. Mais pesquisas começam a surgir mostrando o aumento de torcedores de times europeus na faixa etária de 16 a 29 anos, diminuindo o interesse em torcer para os times brasileiros.

Segundo pesquisa de mestrado do meu amigo Rafael Alberico, o hedonismo, a busca pelo prazer, além dos videogames, são os principais motivos dessa escolha. De acordo com a matéria do jornal, o sociólogo Luciano Paccagnella, da Universidade de Turim, filosofa: “O amor pelo Barcelona é o amor pelo sublime”, acrescentando que “vivemos num mundo em que, da classe média para cima, não há mais fronteiras”. Na visão dele, times e atletas vitoriosos seguirão atraindo fãs sem importar o país.

Na mesma matéria, a psicopedagoga Telma Gualberto comenta: ”a gente percebe crianças pequenininhas, de 3 anos, verbalizando Messi e Neymar. Para elas, o futebol é muito próximo do brinquedo”. “Os jogadores ganham muito dinheiro, são famosos, viajam, moram em outro país. É só encantamento, não há uma dimensão concreta”. Podemos dizer que são vistos como super-heróis pelas crianças devido ao que fazem em campo bem como a influência dos videogames.

A visão de negócio das grandes ligas e consequentemente dos times que disputam essas ligas, que comercializam seus campeonatos para todo o mundo, juntamente com o poder das mídias sociais, têm, como consequência, suas marcas internacionalizadas. A matéria cita o Barcelona é o time mais popular do Japão, o Manchester United domina China e Índia, na Argélia só dá Arsenal e o Liverpool reina na Tailândia.

Atualmente, 75% das vendas de material esportivo oficial do Real Madrid ocorrem no exterior. Tão importante quanto isso é a extensão da torcida oficial. O clube registra 550 mil madridistas em 180 países, fãs que pagam de 15 a 30 euros anuais. O faturamento do Real com essa rubrica é de 10 milhões de euros por temporada — o suficiente para pagar o salário de Cristiano Ronaldo por seis meses.

Tudo isso foi possível devido uma visão além das quatro linhas, tirando o foco do jogo, profissionalizando todas as áreas responsáveis pelo incremento de receitas, com foco na gestão e na satisfação dos torcedores bem como o aumento da base de fãs.

No Brasil ainda não saímos do século XX em termos de visão, que continua com foco dentro das quatro linhas, onde apenas o jogo é o fator preponderante para atrair torcedores. Mas é dentro dos gabinetes, onde a política, os interesses pessoais e de pequenos grupos, visando se perpetuar no poder, onde o jogo continua sendo realmente jogado. Exemplos não faltam: o grupo de Ricardo Teixeira na CBF há 28 anos, Nuzman no COB e vários presidentes de federações e confederações.

O resultado dessa cegueira está aí, corrupção, desvios de verbas, falta de credibilidade, interesses pessoais acima do coletivo, reduzindo o desenvolvimento do esporte, de novos atletas e de equipes de qualidade no alto rendimento. Soma-se a isso o risco de violência, o alto preço dos ingressos e uma série de campeonatos e jogos sem nenhum apelo.

Como resultado o torcedor vai perdendo interesse, se afastando cada vez mais dos eventos e se divertindo, tendo prazer e admirando ídolos e times através da TV e da tela dos smartphones, tablets e computadores, além de comprarem muitos produtos oficiais dos mesmos.

Um torcedor pagaria para ir num show musical onde apenas 40 minutos houvesse música e por 60 minutos o vocalista da banda ficasse falando ou discutindo com a plateia? Isso foi o que Palmeiras e Peñarol ofereceram aos mais de 38 mil pagantes na última quarta-feira.

Se houvesse visão de negócio, muito além das quatro linhas, essa situação nunca aconteceria, já que o foco deveria ser a preocupação em ofertar o melhor produto possível para o torcedor e o espectador.

Coluna da Semana na fanpage Marketing FC


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…