Pular para o conteúdo principal

Além das Quatro Linhas


No dia 14/04 postei mais um excelente artigo do Correio Brasiliense sobre o alto risco que os clubes brasileiros estão correndo em perder torcedores para os grandes times europeus. Mais pesquisas começam a surgir mostrando o aumento de torcedores de times europeus na faixa etária de 16 a 29 anos, diminuindo o interesse em torcer para os times brasileiros.

Segundo pesquisa de mestrado do meu amigo Rafael Alberico, o hedonismo, a busca pelo prazer, além dos videogames, são os principais motivos dessa escolha. De acordo com a matéria do jornal, o sociólogo Luciano Paccagnella, da Universidade de Turim, filosofa: “O amor pelo Barcelona é o amor pelo sublime”, acrescentando que “vivemos num mundo em que, da classe média para cima, não há mais fronteiras”. Na visão dele, times e atletas vitoriosos seguirão atraindo fãs sem importar o país.

Na mesma matéria, a psicopedagoga Telma Gualberto comenta: ”a gente percebe crianças pequenininhas, de 3 anos, verbalizando Messi e Neymar. Para elas, o futebol é muito próximo do brinquedo”. “Os jogadores ganham muito dinheiro, são famosos, viajam, moram em outro país. É só encantamento, não há uma dimensão concreta”. Podemos dizer que são vistos como super-heróis pelas crianças devido ao que fazem em campo bem como a influência dos videogames.

A visão de negócio das grandes ligas e consequentemente dos times que disputam essas ligas, que comercializam seus campeonatos para todo o mundo, juntamente com o poder das mídias sociais, têm, como consequência, suas marcas internacionalizadas. A matéria cita o Barcelona é o time mais popular do Japão, o Manchester United domina China e Índia, na Argélia só dá Arsenal e o Liverpool reina na Tailândia.

Atualmente, 75% das vendas de material esportivo oficial do Real Madrid ocorrem no exterior. Tão importante quanto isso é a extensão da torcida oficial. O clube registra 550 mil madridistas em 180 países, fãs que pagam de 15 a 30 euros anuais. O faturamento do Real com essa rubrica é de 10 milhões de euros por temporada — o suficiente para pagar o salário de Cristiano Ronaldo por seis meses.

Tudo isso foi possível devido uma visão além das quatro linhas, tirando o foco do jogo, profissionalizando todas as áreas responsáveis pelo incremento de receitas, com foco na gestão e na satisfação dos torcedores bem como o aumento da base de fãs.

No Brasil ainda não saímos do século XX em termos de visão, que continua com foco dentro das quatro linhas, onde apenas o jogo é o fator preponderante para atrair torcedores. Mas é dentro dos gabinetes, onde a política, os interesses pessoais e de pequenos grupos, visando se perpetuar no poder, onde o jogo continua sendo realmente jogado. Exemplos não faltam: o grupo de Ricardo Teixeira na CBF há 28 anos, Nuzman no COB e vários presidentes de federações e confederações.

O resultado dessa cegueira está aí, corrupção, desvios de verbas, falta de credibilidade, interesses pessoais acima do coletivo, reduzindo o desenvolvimento do esporte, de novos atletas e de equipes de qualidade no alto rendimento. Soma-se a isso o risco de violência, o alto preço dos ingressos e uma série de campeonatos e jogos sem nenhum apelo.

Como resultado o torcedor vai perdendo interesse, se afastando cada vez mais dos eventos e se divertindo, tendo prazer e admirando ídolos e times através da TV e da tela dos smartphones, tablets e computadores, além de comprarem muitos produtos oficiais dos mesmos.

Um torcedor pagaria para ir num show musical onde apenas 40 minutos houvesse música e por 60 minutos o vocalista da banda ficasse falando ou discutindo com a plateia? Isso foi o que Palmeiras e Peñarol ofereceram aos mais de 38 mil pagantes na última quarta-feira.

Se houvesse visão de negócio, muito além das quatro linhas, essa situação nunca aconteceria, já que o foco deveria ser a preocupação em ofertar o melhor produto possível para o torcedor e o espectador.

Coluna da Semana na fanpage Marketing FC


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…