Pular para o conteúdo principal

A Violência no Futebol




Acabei de ler o excelente livro “A Violência no Futebol” do professor e pesquisador Maurício Murad, um especialista sobre o tema da violência nos estádios. O livro é riquíssimo em informações, dados e sugestões de melhorias para minimizar a atual situação e a percepção de insegurança nos estádios e arenas brasileiros.

Segundo o autor, a contextualização da violência no Brasil se replica no futebol, tendo como os principais fatores a impunidade, a corrupção, a degradação das famílias e das escolas, principalmente as públicas. Esse conjunto de fatores são as principais causas da violência urbana e, consequentemente, no futebol.

Juntando-se a esses fatores, temos a entrada do crime organizado, tráfico de armas e de drogas, consumo excessivo de drogas e álcool, treinamentos de lutas marciais dentro das torcidas organizadas e a espetacularização da violência em grande parte da mídia, que também acaba dissipando e criando uma percepção de violência maior do que realmente é na prática.

Com a percepção de violência extrapolada, além dos fatores citados acima, as famílias, mulheres, crianças e pessoas do bem acabam se afastando e os vândalos, mesmo os que não gostam de futebol, se sentem atraídos a irem aos jogos para praticar violência. Com menos público, a segurança é reduzida, as revistas são menos ostensivas, facilitando a entrada de artefatos que são utilizados como armas dentro dos estádios.

As sugestões de melhorias são de fácil implementação, mas precisam de perfeita execução e, principalmente, vontade política para mudar o atual cenário, onde o Brasil é o primeiro do ranking em mortes nos estádios, além de estar entre os países mais violentos do mundo. O número de mortes no Brasil é maior do que na Guerra Civil da Síria. A conclusão é que a violência no Brasil está banalizada, anestesiando a sociedade para mudar o atual cenário.

Corrupção e impunidade são as principais causas dessa situação de impotência por parte da sociedade, e o que estamos vendo nas delações premiadas durante os últimos dias só reforçam essa percepção. No esporte e no futebol, sabemos que essa situação também existe, e já estamos vendo alguns casos sendo revelados.

Os dados sobre o público alvo para se efetuar as medidas são os seguintes: são cerca de 125 a 175 mil torcedores organizados os que praticam violência, jovens (15 a 24 anos), homens (85%), desempregados e baixo nível de escolaridade, classe média baixa, que se relacionam com gangues urbanas, consomem drogas e álcool e treinam lutas marciais. Esse extrato da sociedade se sente acolhido pelas torcidas organizadas, por virem de famílias desestruturadas e por estudarem em escolas degradadas. Para eles as Torcidas Organizadas são a verdadeira família deles.

As propostas do autor baseado em pesquisas são: punição no curto prazo, prevenção no médio prazo e reeducação no longo prazo são as propostas do autor. Leis existem, basta vontade política, mas aparentemente a corrupção é a grande barreira para se implementar as medidas.

Post da Semana na Fanpage Marketing FC 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…