Pular para o conteúdo principal

A Violência no Futebol




Acabei de ler o excelente livro “A Violência no Futebol” do professor e pesquisador Maurício Murad, um especialista sobre o tema da violência nos estádios. O livro é riquíssimo em informações, dados e sugestões de melhorias para minimizar a atual situação e a percepção de insegurança nos estádios e arenas brasileiros.

Segundo o autor, a contextualização da violência no Brasil se replica no futebol, tendo como os principais fatores a impunidade, a corrupção, a degradação das famílias e das escolas, principalmente as públicas. Esse conjunto de fatores são as principais causas da violência urbana e, consequentemente, no futebol.

Juntando-se a esses fatores, temos a entrada do crime organizado, tráfico de armas e de drogas, consumo excessivo de drogas e álcool, treinamentos de lutas marciais dentro das torcidas organizadas e a espetacularização da violência em grande parte da mídia, que também acaba dissipando e criando uma percepção de violência maior do que realmente é na prática.

Com a percepção de violência extrapolada, além dos fatores citados acima, as famílias, mulheres, crianças e pessoas do bem acabam se afastando e os vândalos, mesmo os que não gostam de futebol, se sentem atraídos a irem aos jogos para praticar violência. Com menos público, a segurança é reduzida, as revistas são menos ostensivas, facilitando a entrada de artefatos que são utilizados como armas dentro dos estádios.

As sugestões de melhorias são de fácil implementação, mas precisam de perfeita execução e, principalmente, vontade política para mudar o atual cenário, onde o Brasil é o primeiro do ranking em mortes nos estádios, além de estar entre os países mais violentos do mundo. O número de mortes no Brasil é maior do que na Guerra Civil da Síria. A conclusão é que a violência no Brasil está banalizada, anestesiando a sociedade para mudar o atual cenário.

Corrupção e impunidade são as principais causas dessa situação de impotência por parte da sociedade, e o que estamos vendo nas delações premiadas durante os últimos dias só reforçam essa percepção. No esporte e no futebol, sabemos que essa situação também existe, e já estamos vendo alguns casos sendo revelados.

Os dados sobre o público alvo para se efetuar as medidas são os seguintes: são cerca de 125 a 175 mil torcedores organizados os que praticam violência, jovens (15 a 24 anos), homens (85%), desempregados e baixo nível de escolaridade, classe média baixa, que se relacionam com gangues urbanas, consomem drogas e álcool e treinam lutas marciais. Esse extrato da sociedade se sente acolhido pelas torcidas organizadas, por virem de famílias desestruturadas e por estudarem em escolas degradadas. Para eles as Torcidas Organizadas são a verdadeira família deles.

As propostas do autor baseado em pesquisas são: punição no curto prazo, prevenção no médio prazo e reeducação no longo prazo são as propostas do autor. Leis existem, basta vontade política, mas aparentemente a corrupção é a grande barreira para se implementar as medidas.

Post da Semana na Fanpage Marketing FC 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…