Pular para o conteúdo principal

A Violência no Futebol




Acabei de ler o excelente livro “A Violência no Futebol” do professor e pesquisador Maurício Murad, um especialista sobre o tema da violência nos estádios. O livro é riquíssimo em informações, dados e sugestões de melhorias para minimizar a atual situação e a percepção de insegurança nos estádios e arenas brasileiros.

Segundo o autor, a contextualização da violência no Brasil se replica no futebol, tendo como os principais fatores a impunidade, a corrupção, a degradação das famílias e das escolas, principalmente as públicas. Esse conjunto de fatores são as principais causas da violência urbana e, consequentemente, no futebol.

Juntando-se a esses fatores, temos a entrada do crime organizado, tráfico de armas e de drogas, consumo excessivo de drogas e álcool, treinamentos de lutas marciais dentro das torcidas organizadas e a espetacularização da violência em grande parte da mídia, que também acaba dissipando e criando uma percepção de violência maior do que realmente é na prática.

Com a percepção de violência extrapolada, além dos fatores citados acima, as famílias, mulheres, crianças e pessoas do bem acabam se afastando e os vândalos, mesmo os que não gostam de futebol, se sentem atraídos a irem aos jogos para praticar violência. Com menos público, a segurança é reduzida, as revistas são menos ostensivas, facilitando a entrada de artefatos que são utilizados como armas dentro dos estádios.

As sugestões de melhorias são de fácil implementação, mas precisam de perfeita execução e, principalmente, vontade política para mudar o atual cenário, onde o Brasil é o primeiro do ranking em mortes nos estádios, além de estar entre os países mais violentos do mundo. O número de mortes no Brasil é maior do que na Guerra Civil da Síria. A conclusão é que a violência no Brasil está banalizada, anestesiando a sociedade para mudar o atual cenário.

Corrupção e impunidade são as principais causas dessa situação de impotência por parte da sociedade, e o que estamos vendo nas delações premiadas durante os últimos dias só reforçam essa percepção. No esporte e no futebol, sabemos que essa situação também existe, e já estamos vendo alguns casos sendo revelados.

Os dados sobre o público alvo para se efetuar as medidas são os seguintes: são cerca de 125 a 175 mil torcedores organizados os que praticam violência, jovens (15 a 24 anos), homens (85%), desempregados e baixo nível de escolaridade, classe média baixa, que se relacionam com gangues urbanas, consomem drogas e álcool e treinam lutas marciais. Esse extrato da sociedade se sente acolhido pelas torcidas organizadas, por virem de famílias desestruturadas e por estudarem em escolas degradadas. Para eles as Torcidas Organizadas são a verdadeira família deles.

As propostas do autor baseado em pesquisas são: punição no curto prazo, prevenção no médio prazo e reeducação no longo prazo são as propostas do autor. Leis existem, basta vontade política, mas aparentemente a corrupção é a grande barreira para se implementar as medidas.

Post da Semana na Fanpage Marketing FC 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…