Pular para o conteúdo principal

Os torcedores paulistanos não sabem o nome dos jogadores do seu time?


Nessa semana a Folha de São Paulo divulgou pesquisas com torcedores paulistanos e a manchete de uma das pesquisas foi: “Maioria dos torcedores paulistanos não sabe os jogadores do seu time”.

Para a grande maioria dos leitores, é provável que os dados da pesquisa levem a conclusão que todos os torcedores dos principais times de São Paulo não sabem o nome dos jogadores do seu time. Como pesquisador do comportamento do torcedor eu sugiro ao leitor desse post que não leve os resultados ao pé da letra.

Para se chegar a esse tipo de conclusão da pesquisa seria necessário aprofundar ainda mais sobre o perfil dos torcedores entrevistados. A faixa de renda, nível de escolaridade, gênero, idade, entre outros, não são suficientes.

Visando obter resultados mais conclusivos é necessário detectar qual o nível de envolvimento, identificação e lealdade com seu time. Baseado nesses 3 quesitos, juntamente com o comportamento de compra de produtos relacionados ao seu time, é possível detectar se o torcedor tem alto, médio ou baixo envolvimento, identificação e lealdade.

É muito provável que os torcedores que possuam níveis altos em um dos três quesitos acima mencionados, saibam a escalação completa de todos os titulares, o nome dos reservas, do treinador, do presidente, do diretor de futebol, entre outros. Por outro lado, quanto menor o nível nos três quesitos, possivelmente os torcedores não saibam o nome dos jogadores dos seus respectivos times.

Portanto, nessa pesquisa da Folha de São Paulo, é possível que a grande maioria dos entrevistados tenham baixo nível de envolvimento, identificação e lealdade com seu time. Dessa forma, a manchete da pesquisa poderia ser:

““Torcedores paulistanos que não são fanáticos não sabem o nome dos jogadores do seu time”.

Dessa forma, é necessário se efetuar pesquisas detalhadas com seus torcedores para se chagar a conclusões mais completas.

Uma forma de segmentar os torcedores é através do comportamento de consumo de produtos e serviços do seu time. Existem vários produtos disponíveis para serem consumidos, como:

 -Camisas oficiais de jogo;
- Camisas casuais;
- Ingressos para os jogos de futebol;
- Programa de Sócio torcedor;
- Viajem para assistir aos jogos fora da cidade;
- Outros produtos licenciados.

De acordo com o comportamento de compras já é possível de se segmentar os torcedores. Esse tipo de informações é possível de se obter com os parceiros comerciais dos times.

Uma outra forma de segmentar e validar o comportamento de compras dos torcedores é através de escalas disponíveis para se fazer pesquisas, visando medir qual o nível de identificação, lealdade e envolvimento do torcedor com seu time. É provável que torcedores com alto nível em um dos três quesitos possuam maior consumo de produtos e serviço dos seus respectivos times.

Uma vez efetuado esse levantamento de informações, os profissionais de marketing dos times podem segmentar esses torcedores e fazer ações para cada grupo de consumidores, de acordo com seus comportamentos de compra e nível de identificação, lealdade e envolvimento.

Além dessa segmentação, efetuar ações constantes de relacionamento e a criar de canais de contato via mídias sociais, internet e nos próprios pontos de venda, visando atender às necessidades dos seus torcedores, podem aumentar o nível de consumo dos seus torcedores.

Como podemos observar, esse tipo de trabalho é efetuado em empresas de todos os segmentos de negócio, inclusive no segmento esportivo nos principais países europeus e nos Estados Unidos.

No Brasil, esse tipo de trabalho praticamente não existe nas organizações esportivas e esse tipo de ação é fundamental para se conhecer seus clientes, aumentando o potencial de receita além de um provável aumento da base de torcedores.

Um dos resultados dessa falta de ações dentro do departamento de marketing dos times de futebol com seus torcedores pode estar relacionando com o aumento de pessoas que não torcem para nenhum time na cidade de São Paulo, subindo de 12% em 1993 para 24% em 2017.

Sem uma visão de negócio, sem estrutura profissional adequada a organizações que faturam acima de R$ 100 milhões por ano, a priorização da política e interesses pessoais em detrimento da gestão, o número de torcedores que não torcem para nenhum time tende a aumentar, em conjunto com um aumento de torcedores que desde criança começam a torcer para times da Europa e Estados Unidos, com algumas pesquisas já começam a comprovar.

Conhecer seu torcedor, seus comportamentos de compra, efetuar segmentação para ações direcionais para cada tipo de perfil é fundamental para que as organizações esportivas possam aumentar as suas receitas bem como elevar o nível de identificação, lealdade e envolvimento com seu time, evitando perder potenciais consumidores para times do exterior ou para outros tipos de entretenimento. 

Post da semana na fanpage Marketing Futebol Clube.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…