Pular para o conteúdo principal

As novas tendências do comportamento do consumidor esportivo e os seus potenciais de negócio



Recentemente li um trabalho da REPUCOM sobre as 10tendências comerciais no segmento esportivo para os próximos anos. Gostaria de compartilhar com vocês alguns tópicos relacionados aos novos comportamentos e potenciais segmentos do mercado que os gestores esportivos no Brasil precisam ficar atentos.

O trabalho corrobora com as tendências do comportamento publicada em artigos acadêmicos, que são os torcedores virtuais, que possuem as seguintes características:

          Assistem aos jogos nos pubs;
          Uma nova forma coletiva de experimentar e consumir o esporte;
          As evoluções tecnológicas na forma de transmissão das partidas juntamente com as ações das grandes ligas e clubes, visando cada vez mais transformar suas marcas em produtos globais;
          Os preços dos ingressos podem limitar o acesso para as classes sociais mais baixas, aumentando o número de torcedores virtuais.

Uma das tendências é a ameaça das transmissões via TV. O estudo da REPUCOM menciona que as transmissões esportivas ao vivo continuarão a ser um excelente produto, com os emissoras buscando contratos de longo prazo, incluindo as plataformas digitais. Como perspectiva de potencial futuro, os detentores de direitos desenvolverão modelos de direitos digitais para equilibrar a necessidade de receitas significativas de transmissão com maior controle de seus próprios ativos de mídia e plataformas de transmissão digital.

Existem quatro tipos de eventos e esportes de rápido crescimento: 1) eSports, 2) novos formatos para as ligas e eventos existentes, 3) fitness e esportes de participação, 4) dos esportes de combate. Os eSports continuarão a crescer exponencialmente, se consolidarão e irão competir com os grandes esportes globais. Novos formatos e eventos nos esportes tradicionais (críquete, tênis, golfe) continuarão a surgir e poderão substituir antigos formatos. Eventos formais e informais de fitness e participação continuarão a ter grande interesse e continuarão a crescer devido a tecnologia e capacidade de compartilhar informações. Os esportes de combate também continuarão a crescer e terão novos formatos quando a regulamentação permitir.

Há um foco intenso em dois grupos principais, mulheres e a geração milênio. Os milênios apresentam novas oportunidades, mas também desafios para as marcas, enquanto as mulheres representam a maior fonte de novos fãs em potencial. A busca por atrair e envolver a geração milênio continuará intensa. Também existe um crescente reconhecimento de que as mulheres são poderosas e influentes compradoras de mercadorias e isso demandará um maior investimento e inovação nos esportes femininos, desde as categorias de base até os profissionais.

Uma infinidade de tecnologias, todas em diferentes estágios de desenvolvimento estão revolucionando os esportes e a experiência dos fãs. Os fãs de esportes têm maior propensão a adotar tecnologia que a população em geral. A realidade virtual vai ser uma realidade em breve e se tornará um must do para todos os stakeholders se envolverem com sua base de fãs.- As instalações esportivas vão continuar a investir para criar melhores experiências dentro do local e a experiência para os fãs se tornarão mais imersiva e mais pessoal onde quer que estejam. Como resultado novas oportunidades de receita surgirão.

Aumentará o foco na construção de um forte relacionamento com os fãs. Relações fortes são sobre qualidade, não apenas quantidade, de engajamento e criação de valor. Identificar e compreender os diferentes tipos de fãs, com diferentes estilos comportamentais, é o caminho do sucesso para maior engajamento e ativação. As relações com os fãs se tornarão mais diretas e mais personalizadas, com base na segmentação comportamental. As organizações esportivas precisarão cada vez ter uma compreensão especializada sobre a base de fãs e saber como ativá-los. CRM e CRM digital se tornarão peças centrais para atrair parceiros e desenvolvimento de fãs, transformando-se no coração da função comercial das organizações esportivas.

Já podemos observar em nível mundial as parcerias das grandes ligas americanas como NBA e NFL com o Twitter e Facebook, bem como alguns movimentos nesse sentido no Brasil com a NBB, jogos das divisões menores transmitidos via Facebook da Federação Paulista de Futebol e a já famosa quebra de paradigma com a transmissão do Atletiba via Youtube.

Outro movimento bem intenso são os eSports, com vários times de futebol e franquias americanas criando times para disputar torneios eletrônicos e a geração milênio é um dos grandes consumidores desse novo segmento no esporte.

A busca por novas experiências dos torcedores tanto nas arenas como via realidade virtual estão em fase inicial de desenvolvimento de produtos, mas imagino que em breve poderemos assistir um jogo em realidade virtual, mesmo estando a milhares de quilômetros do local da partida, como estivéssemos dentro das arenas.

Já existem no mercado vários softwares de relacionamento disponíveis, o desenvolvimento do Big Data também é uma realidade, o mundo está cada vez mais migrando para o digital e os algoritmos desenvolvidos pelas empresas já percebemos no nosso dia a dia, ex: Amazon, Netflix, Facebook.

Os gestores esportivos terão cada vez mais obrigação de conhecer nos seus mínimos detalhes o comportamento do consumidor esportivo. Quem não tiver estratégias consolidadas dentro desse segmento ficará cada vez mais fora do mercado e desperdiçando enormes potenciais de geração e receitas significativas no segmento esportivo.

Post da semana na fanpage Marketing Futebol Clube.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…