Pular para o conteúdo principal

Super Bowl: A transformação de um evento esportivo em entretenimento



Na noite deste domingo teremos um dos grandes eventos do esporte mundial, o Super Bowl 51, que será disputado no NRG Stadium em Houston.

Desde a década passada, quando a ESPN começou a transmitir o Super Bowl no Brasil de forma regular, o evento começou a se popularizar no país, sendo hoje um dos grandes atrativos da TV a cabo, com recordes de audiência, forte incremente da base de fãs espalhados por todo o país, além de ter conseguido que a hashtag # ESPNTemSuperBowl49 alcançasse o primeiro lugar nos trending topics mundiais em 2015.

Atualmente o esporte faz parte da indústria do entretimento. Um evento esportivo é muito mais do que um jogo, vai além das quatro linhas, com foco voltado para os torcedores, patrocinadores, TV, mídias sociais entre outros envolvidos. Infelizmente no Brasil essa percepção ainda está muito distante do que vemos nos Estados Unidos e nos principais países da Europa.

De acordo com artigo do site theconversation.com, os colunistas esportivos nos anos 1970 e 1980 admitiram que os jogos dos Super Bowls eram insuportavelmente maçantes, sonolentos e com falta de emoção. Percebendo que não era possível garantir a emoção do jogo final, os executivos da NFL começaram a pensar o evento como um espetáculo de entretimento do que apenas um jogo.

Em 1977 foi feito o primeiro show do intervalo, com uma produção da Disney, e em 1993, com a apresentação de Michael Jackson, o show do intervalo saltou para o nível que atingiu nos dias de hoje, com vários ícones da música pop se apresentando, com shows marcantes e um grande aumento da audiência, atingindo mais de 110 milhões de espectadores nos últimos anos. Ao perceber o sucesso do show do intervalo, outros eventos começaram a ser introduzidos, como o hino nacional antes do início dos jogos, os fogos de artifício, os aviões militares.

 Além do show do intervalo o evento ganhou números mais relevantes devido aos famosos comerciais, que começaram a gerar uma grande receita, principalmente após o comercial daApple em 1984 . Em 1985 o valor de cada comercial de 30 segundos atingiu os US$ 500 mil, chegando em 2016 aos inimagináveis US$ 5 milhões para cada 30 segundos.

A prova de que o Super Bowl é hoje mais um evento de entretimento do que esportivo são pesquisas que demonstram que atualmente os espectadores, principalmente a geração Y (os Millennials) estão mais interessados no show do intervalo e nos comerciais inéditos do que em saber quem será o campeão da temporada. O oposto acontece com os homens mais velhos, que têm mais interesse no jogo do que no show do intervalo ou nos comerciais. 

Voltando para a nossa realidade, percebemos quanto o esporte brasileiro está distante da visão de negócio que o esporte pode se transformar no nosso país. Essas transformações que ocorreram no Super Bowl tiveram a visão de negócio dos gestores, transformando o evento esportivo num dos maiores e mais valiosos eventos de entretenimento do mundo.

As provocações que deixo para os nossos leitores e apaixonados pelo esporte são:

Como transformar nossos campeonatos em eventos de entretenimento?
Como fazer com que sejam muito mais do que um jogo?
Como transformar cada evento esportivo num negócio que vá além das quatro linhas, com foco voltado para os torcedores, patrocinadores, TV, mídias sociais entre outros?

Tenho convicção que o primeiro passo é que os organizadores dos campeonatos, juntamente com os gestores das organizações esportivas, a TV e os patrocinadores façam uma avaliação do atual status dos campeonatos disputados no Brasil, tomem algum campeonato internacional como referência, adotem metas racionais a serem atingidas, definam ações estratégicas para se atingir essas metas.

Todas essas medidas devem sempre de acordo com pesquisas com as demandas e as tendências comportamentais dos atuais e dos futuros torcedores, pois são eles que irão ser os clientes a serem atraídos para esses eventos.

“Quem tem uma base de dados do seu torcedor tem um tesouro em suas mãos”.

(Esteve Calzada – Show me the Money)

Post da semana na fanpage Marketing Futebol Clube

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…