Pular para o conteúdo principal

Super Bowl: A transformação de um evento esportivo em entretenimento



Na noite deste domingo teremos um dos grandes eventos do esporte mundial, o Super Bowl 51, que será disputado no NRG Stadium em Houston.

Desde a década passada, quando a ESPN começou a transmitir o Super Bowl no Brasil de forma regular, o evento começou a se popularizar no país, sendo hoje um dos grandes atrativos da TV a cabo, com recordes de audiência, forte incremente da base de fãs espalhados por todo o país, além de ter conseguido que a hashtag # ESPNTemSuperBowl49 alcançasse o primeiro lugar nos trending topics mundiais em 2015.

Atualmente o esporte faz parte da indústria do entretimento. Um evento esportivo é muito mais do que um jogo, vai além das quatro linhas, com foco voltado para os torcedores, patrocinadores, TV, mídias sociais entre outros envolvidos. Infelizmente no Brasil essa percepção ainda está muito distante do que vemos nos Estados Unidos e nos principais países da Europa.

De acordo com artigo do site theconversation.com, os colunistas esportivos nos anos 1970 e 1980 admitiram que os jogos dos Super Bowls eram insuportavelmente maçantes, sonolentos e com falta de emoção. Percebendo que não era possível garantir a emoção do jogo final, os executivos da NFL começaram a pensar o evento como um espetáculo de entretimento do que apenas um jogo.

Em 1977 foi feito o primeiro show do intervalo, com uma produção da Disney, e em 1993, com a apresentação de Michael Jackson, o show do intervalo saltou para o nível que atingiu nos dias de hoje, com vários ícones da música pop se apresentando, com shows marcantes e um grande aumento da audiência, atingindo mais de 110 milhões de espectadores nos últimos anos. Ao perceber o sucesso do show do intervalo, outros eventos começaram a ser introduzidos, como o hino nacional antes do início dos jogos, os fogos de artifício, os aviões militares.

 Além do show do intervalo o evento ganhou números mais relevantes devido aos famosos comerciais, que começaram a gerar uma grande receita, principalmente após o comercial daApple em 1984 . Em 1985 o valor de cada comercial de 30 segundos atingiu os US$ 500 mil, chegando em 2016 aos inimagináveis US$ 5 milhões para cada 30 segundos.

A prova de que o Super Bowl é hoje mais um evento de entretimento do que esportivo são pesquisas que demonstram que atualmente os espectadores, principalmente a geração Y (os Millennials) estão mais interessados no show do intervalo e nos comerciais inéditos do que em saber quem será o campeão da temporada. O oposto acontece com os homens mais velhos, que têm mais interesse no jogo do que no show do intervalo ou nos comerciais. 

Voltando para a nossa realidade, percebemos quanto o esporte brasileiro está distante da visão de negócio que o esporte pode se transformar no nosso país. Essas transformações que ocorreram no Super Bowl tiveram a visão de negócio dos gestores, transformando o evento esportivo num dos maiores e mais valiosos eventos de entretenimento do mundo.

As provocações que deixo para os nossos leitores e apaixonados pelo esporte são:

Como transformar nossos campeonatos em eventos de entretenimento?
Como fazer com que sejam muito mais do que um jogo?
Como transformar cada evento esportivo num negócio que vá além das quatro linhas, com foco voltado para os torcedores, patrocinadores, TV, mídias sociais entre outros?

Tenho convicção que o primeiro passo é que os organizadores dos campeonatos, juntamente com os gestores das organizações esportivas, a TV e os patrocinadores façam uma avaliação do atual status dos campeonatos disputados no Brasil, tomem algum campeonato internacional como referência, adotem metas racionais a serem atingidas, definam ações estratégicas para se atingir essas metas.

Todas essas medidas devem sempre de acordo com pesquisas com as demandas e as tendências comportamentais dos atuais e dos futuros torcedores, pois são eles que irão ser os clientes a serem atraídos para esses eventos.

“Quem tem uma base de dados do seu torcedor tem um tesouro em suas mãos”.

(Esteve Calzada – Show me the Money)

Post da semana na fanpage Marketing Futebol Clube

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…