Pular para o conteúdo principal

Mamãe não Quer, Papai não Deixa



Alguns devem entender o título deste post, outros não. Portanto, antes de desenvolver o tema, vamos à explicação desse ditado popular.

Quando a gente era moleque, lá no Tatuapé, tinham dias em que  combinávamos algo pra fazer, e algumas vezes a mãe de um dos colegas não deixava ele ir. Na hora de sairmos, o colega falava que não poderia ir e aí todos começavam a caçoar dele (hoje seria bullyng?) gritando em grupo:

"Mamãe não quer, papai não deixa!"

Utilizo esse mesmo ditado para desenvolver o tema deste post.

Se estivéssemos num país com gestão esportiva profissional e competente, o derby centenário entre Palmeiras e Corinthians NUNCA!! seria numa quarta feira às 21:45 com torcida única. Já fiz um post sobre a história do Derby, quem tiver curiosidade clique aqui.

Quando ousamos questionar essa situação é comum escutarmos que é por causa da TV que compra os direitos e paga alto para isso e por causa da Federação Paulista de Futebol que é a dona do torneio. Conclusão:

"Mamãe não quer, papai não deixa".

Já repeti milhares de vezes que no Brasil ainda focam como fator promocional de um evento esportivo o jogo em si, foco nas quatro linhas. Como a gestão esportiva ainda é muito limitada em termos de recursos e competência, os times perderam uma grande oportunidades de promover o derby centenário além de potencias formas de ativações com os patrocinadores do Campeonato Paulista e de ambos os times.

Primeiramente, um jogo como esse deveria ser num domingo às 16h, horário clássico de um jogo dessa magnitude e repercussão. 

Para evitar contusões e riscos de desmotivações antes do jogo, a data deveria ser num domingo sem que houvesse rodada no meio da semana. Dessa forma as equipes se preparariam durante toda a semana da melhor forma possível para o grande jogo do final da semana.

Durante toda a semana seria possível se efetuar uma série de ativações do jogo, tanto on line como off line, por exemplo:

- entrevistas coletivas em conjunto, em diferentes dias, dos presidentes, treinadores e grandes ídolos dos dois times;

- gerar conteúdos exclusivos em todas as mídias sociais;

- relembrar jogos históricos nos canais do youtube com participações ao vivo dos ídolos, interagindo com os torcedores;

- entrevistas coletivas em cada clube com seus heróis históricos do derby;

- ações promocionais dos patrocinadores da competição e dos times utilizando o derby como tema;

- participação dos jogadores, treinadores e grandes ídolos em campanhas promocionais na TV e nas mídias sociais promovendo o espetáculo;

- exibição de jogos históricos nos cinemas com ativações dos patrocinadores;

- debates com historiadores no museu do futebol, na sede da Federação Paulista e nos clubes;

- criar uma camisa comemorativa para ser comercializada para exclusivamente para o jogo.

Essas ações só iriam aumentar o clima para o grande jogo de domingo, preparando o clima do torcedor, tanto os que irão como os que não irão ao jogo.

Durante o dia da partida outra série de ativações e de entretenimento poderiam ser efetuados:

- jogo entre estrelas dos dois times na preliminar;

- sorteios de brindes antes, durante e depois do jogo;

- shows musicais antes e depois do jogo;

- colocar uma taça para ser disputada; 

Todo esse clima seria suficiente para que o jogo fosse um grande evento esportivo e de entretenimento, inclusive afetando a motivação dos jogadores com todo o clima de festa e expectativa da semana.

Uma medida, mesmo que em caráter de exclusividade, seria autorizar a presença das duas torcidas, se possível dividindo o estádio, como nos áureos temos do derby. Eu sou da época de pegar o ônibus gratuito da CMTC e ir conversando com os torcedores sobre quantos gomos cada torcida iria ocupar no Morumbi, qual seria a melhor festa das Torcidas Organizadas, quais surpresas elas iriam fazer naquele jogo.

Gostaria muito que, apenas por uma única vez, que fosse possível rememorar esses momentos que nunca sairão da minha memória afetiva e de milhões de torcedores que tiveram a experiência de ir a um Palmeiras e Corinthians no Morumbi até os anos 90. Tenho certeza que as novas gerações iriam se apaixonar por uma experiência como a que tínhamos naquela época, podendo ser um fomentador de novas paixões por um dos times e pelo derby.

A belíssima história dos 100 anos de derby não se construiu com jogos as 21:45 as quartas feiras nem com torcida única.Se não mudarem essa mentalidade não sei como esse maravilhoso clássico chegará aos 200 anos. Para mim Palmeiras e Corinthians sempre será como a foto abaixo.

#derbycentenário


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…