Pular para o conteúdo principal

Os Números do Campeonato Brasileiro Série A 2016



Baseado nas estatísticas dos campeonatos brasileiros desde 2006, após a R12, R26 e R29 fiz uma análise das perspectivas para o título, G4 (agora G6) e rebaixamento. Finalizado mais um Campeonato Brasileiro da Série A, vamos aos números consolidados de 2016:
Campeão Brasileiro
  • O Campeão Brasileiro, Palmeiras (80 pontos e aproveitamento de 70%), foi o segundo maior aproveitamento dos pontos corridos com 20 equipes,  juntamente com o Cruzeiro de 2014. Campanha acima da média histórica.
  • Diferente dos últimos 3 anos, o campeão de 2016 precisou de 74 pontos. Nos últimos 3 anos o clube campeão precisou de 76 pontos. 
  • Em média a campanha do campeão brasileiro é 23V / 7E /8D. Palmeiras fechou as 38 rodadas com 24V/ 8E/ 6D. Campanha acima da média histórica.
  • Cruzeiro 2014, Corinthians 2015 e Palmeiras 2016 conseguiram o recorde de vitórias em um único campeonato, 24.
  • Pela quarta vez o campeão teve o melhor ataque e a melhor defesa. As outras três vezes foram com o Corinthians em 2015, Cruzeiro em 2014 e o São Paulo em 2006.
  • Em 5 anos o campeão teve o melhor ataque e em 8 anos o campeão teve a melhor defesa. Em dois anos (2008 e 2009) o campeão não teve nem o melhor ataque nem a melhor defesa. 
  • Palmeiras teve 10 vitórias como visitante, aproveitamento inferior apenas ao Fluminense de 2012 com 11 vitórias.
  • Juntamente com o Corinthians de 2015, Palmeiras teve apenas 1 derrota como mandante.
  • O Palmeiras fez 62 gols, praticamente mantendo a média de gols marcados para um time ser campeão, que  é de 63 gols. Em apenas 03 anos o campeão fez menos que 60 gols.
  • Palmeiras tomou 32 gols, abaixo da média de gols sofridos para um time ser campeão, que  é de 34 gols. Em apenas 01 ano um time foi campeão sofrendo mais de 40 gols.
Como previsto no post de 9/10, o Palmeiras foi o campeão com uma rodada de antecedência,  precisando de 74 pontos (dentro da faixa prevista entre 73 a 76 pontos).

Zona de Libertadores
  • Com a alteração da Conmebol referente ao aumento do número de participantes brasileiros na Libertadores, o sexto colocado em 2016 (Atlético Paranaense) teve 50% de aproveitamento com 57 pontos.
  • Com a criação do G6, após 3 anos um time fora dos quatro principais estados do Brasil conseguiu classificação para a Libertadores, o Atlético Paranaense.
O sexto colocado não precisou de 60 pontos para se classificar para a pré libertadores como previsto no post de 9/10. Além disso eu imaginava que o Fluminense seria um dos seis classificados, mas, como mencionado por Pep Guardiola sobre ganhar ou perder um campeonato nas oito últimas rodadas,  o time caiu de rendimento nas últimas 9 rodadas e terminou o campeonato em décimo terceiro colocado.

Rebaixamento
  • O Vitória, décimo sétimo colocado, precisou de um aproveitamento superior a média histórica para não ser rebaixado (45 pontos / 39% de aproveitamento). A média histórica  é de 43 pontos (38% de aproveitamento).
  • Juntamente com Palmeiras em 2006 e Fluminense 2009, Vitória precisou de 12 vitórias para não ser rebaixado. Acima da média histórica de 11 vitórias.
  • Vitória conseguiu o melhor saldo de gols entre todos os décimo sétimos colocados juntamente com a Portuguesa em 2012 (-2). A média histórica é de -8.
Como previsto no post de 9/10, o os 4 times que estavam no Z4 foram rebaixados com pontuação acima da média histórica. Foi necessário 44 pontos para não ser rebaixado (dentro da faixa prevista entre 44 a 46 pontos).

Performance dos Campeões Estaduais no Campeonato Brasileiro
  • Cada ano se consolida a estatística de que o Campeão Estadual tem pouca probabilidade de de ser Campeão Brasileiro no mesmo ano. Apenas em 3 anos nos últimos 11 anos o campeão brasileiro foi campeão estadual, Flamengo 2009 / Fluminense 2012, Cruzeiro 2014.
  • Em 2016 três campeões estaduais foram rebaixados (Internacional, América Mineiro e Santa Cruz), demonstrando que os principais times estão cada vez mais tirando o foco dos estaduais. O Atlético Paranaense mais uma vez disputou o estadual com a equipe sub 23.
  • Abaixo da média histórica dos últimos 11 anos, apenas um Campeão Estadual dos 4 principais estados do Brasil ( Santos) se classificou no G6 em 2016. A média histórica é de 2 campeões estaduais se classificarem para a Libertadores.
Com exceção de 2008 e 2009, os dados estatísticos históricos mais uma vez foram comprovados neste campeonato, deixando uma margem muito pequena para surpresas em um campeonato em que é necessário muito planejamento tanto dentro como fora de campo para se atingir os objetivos traçados no início do campeonato.

Mais uma vez vale a pena ressaltar que uma gestão profissional e competente em todos os segmentos de uma organização esportiva é peça chave para um time obter êxito em um campeonato tão disputado como o Brasileirão e a incompetência é punida com rebaixamento ou posições aquém do que foi investido durante a temporada.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…