Pular para o conteúdo principal

Os Alienistas

Morumbi Final Palmeiras x Corinthians 1993


Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 

As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”

Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja. A grande festa de manifestação popular começou a perder seu brilho.

O que nossa geração presenciava nos estádios era uma grande festa. Quando era clássico no Morumbi havia uma disputa antes dos jogos para saber quem teria mais torcida nas arquibancadas. Qual torcida iria fazer a festa mais bonita. Depois vieram os bandeirões. Para muitos torcedores, essa parte do jogo era tão ou mais importante que o jogo em si. Uma manifestação popular de um esporte que ficou forte devido à classe trabalhadora.

Torcida do Corinthians Morumbi anos 70


Na Europa o hooliganismo era combatido ao extremo, principalmente após  o desastre de Hillsborough em 1996. O relatório Taylor revolucionou a forma de se fazer futebol na Inglaterra, com punições severas para os hooligans acompanhadas de uma nova concepção de estádios, sem grades, com a elitização dos torcedores através de preços mais altos, afastando a classe trabalhadora das novas arenas.

Esse movimento se espalhou pelo mundo, chegando ao Brasil na década de 2010, com as novas arenas construídas para a Copa do Mundo de 2014. Com o discurso de que os custos elevados demandavam preços mais altos, os ingressos foram majorados, trazendo junto os planos de Sócio Torcedor, que devido a descontos, é possível obter ingressos a preços mais baixos ou até sem custo, dependendo do plano escolhido.

Geraldinos do Maracanã
Discursos como "Seja sócio torcedor e ajude seu time" viraram mantra nos estádios e novas arenas. Como consequência, as classes trabalhadores mais simples, que não podem pagar um plano de sócio torcedor, e que faziam parte significativa das arquibancadas, foram afastadas. Locais marcantes como a geral do Maracanã e os Geraldinos ficaram apenas na memória, matando com isso parte da alma de um jogo de futebol, como bem descrito nesse post O Maracanã Morreu.


O professor e pesquisador do CPDOC da Fundação Getúlio Vargas, Bernardo Buarque de Holanda menciona:

"Com essas medidas os estádios brasileiros ficaram pouco atraentes  e as pessoas têm pouco engajamento com o espetáculo. A Alemanha, reorganizou os estádios, mas manteve a festa das torcidas".

Muralha Amarela Torcida Borussia Dortmund - Alemanha anos 2000

Com as novas arenas, somadas às medidas para combater a violência nos estádios, a festa acabou, transformando as antigas arquibancadas em locais esterilizados, livres das classes mais simples, que eram as possíveis causas da violência e mau comportamento nos estádios. Além disso, desde meados de 2016 os clássicos em São Paulo são com torcida única.

Agora os novos torcedores/consumidores podem frequentar as arenas, com seus smartphones de última geração para postar selfies com sorrisos no rosto mesmo com o time perdendo e precisando do apoio do seu torcedor mais leal, aqueles que ficaram de fora da festa. Além de todas as proibições anteriores, agora nem com livro é permitido entrar.

Os jogadores já começam a sentir a falta dessa energia que pulsava das antigas arquibancadas devido a esse novo público torcedor/consumidor. Na Inglaterra já estão percebendo o "Clima de Livraria" nas arenas inglesas, onde esse novo torcedor paga por um entretenimento. Caso não lhes agradem, vão embora mais cedo, ou demoram para voltar do intervalo. O autor Paul Maclnnes menciona esse fato no artigo que " A Premiere League precisa lutar contra a maré de torcidas cada vez mais silenciosas".


No Brasil, os arredores do Allianz Parque acolheram esse torcedor, que impedido de entrar por questões financeiras, abraçou seu time do lado de fora, torcendo como se estivesse lá dentro, enviando suas energias e sua alma para os jogadores, mesmo que tenham um muro de metal a sua frente.

Torcida do Palmeiras na Rua Palestra Itália - Final da Copa do Brasil 2015


Os Alienistas não se contentaram, e,  há cerca de um mês, proibiram que torcedores sem ingresso circulem nos arredores do Allianz Parque. O promotor Paulo Castilho e seus asseclas encarnaram de corpo e alma a personagem do Dr. Simão Bacamarte. Na visão desses senhores, todos são uma ameaça, não podem conviver com os novos torcedores/consumidores. Creio que devem pensar que todos eles precisam ficar confinados na "Casa Verde". 

Já que não é permitido a presença dos loucos pelos seus times nas novas arenas, nem nos seus arredores, a nova forma de chegar perto dos seus ídolos foi transformar os aeroportos em arquibancadas. 

Torcida do Flamengo - Aeroporto Santos Dumont 2016



A torcida do Flamengo e recentemente a do Palmeiras fizeram um show, com bandeiras, instrumentos, sinalizadores entre outros, Mais importante do que os adereços, o que vimos nos aeroportos foi um resgate da alma e do espírito de arquibancada que tanto tivemos até os anos 90. Essas manifestações foram elogiadas e admiradas por praticamente toda a sociedade.

Torcida do Palmeiras - Aeroporto de Congonhas 2016

Muito cuidado nessa hora, pois os Simões Bacamartes estão a solta e muito breve não será possível ir ao aeroporto fazer o que não se pode mais fazer nas arenas, nem no seu entorno. Depois os Alienistas vão proibir ver de jogos nos bares de toda a cidade, além de não poder mais gritar nas sacadas e janelas das casas e prédios. Mais alguns anos não poderemos nem escrever "Gol" nem "Chupa" nas redes sociais. 

Para evitar problemas vão proibir a transmissão de jogos pela TV, rádio, internet. Os Bacamartes vão proibir torcida, e no final, vão descobrir que a causa de tudo isso é o jogo de futebol, que por decreto será proibido no Brasil, tanto profissional, como amador, nas ruas, quadras, praias, quintais e calçadas. Nem jogo de botão será permitido, juntamente com os games.

Dessa forma teremos o mundo perfeito para os Alienistas, que talvez percebam que, a grande maioria dos brasileiros é louca  por futebol, e vão voltar a permitir tudo de novo, e eles que serão confinados na "Casa Verde", para nunca mais saírem de lá, pois a alma do ser humano precisa de poesia, festa.  Somos seres errantes, vivemos nossa vida numa constante dualidade,  gostamos demais de comemorar um gol do nosso time, seja onde for, porque dentro da nossa alma, sempre sentiremos nosso coração bater forte em cada segundo que lembramos de momentos tão marcantes como o grito de gol numa final de campeonato.


“A loucura, objeto dos meus estudos, era até agora uma ilha perdida no oceano da razão; começo a suspeitar que é um continente.” 



Comentários

  1. Excelente texto Marcelo, já falei em alguns grupos, que a barbárie de 1995, não foi destruída no ninho. O que aconteceu ? Temos homens de 21 anos, que nunca viu e não sabem o que é uma festa das bandeiras, uma chuva de papel para recepcionar seu time, uma bateria de escola de samba nas arquibancadas. Mas viram e sabem como as instituições educacionais e legisladoras são falidas. Eles acompanharam a destruição das escolas públicas, sabem seus direitos mas não sabem seus deveres. E são adultos que buscam um local para extravasar sua energia, suas vontades. E nada melhor que em uma TO onde tudo pode a preço de devoção e fidelização canina a uma instituição que hoje é um braço armado do crime organizado. Uma pena

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…