Pular para o conteúdo principal

Campeonato Brasileiro: o que os números dizem após a R26




Após a R13 fiz a primeira análise do Campeonato Brasileiro baseado nas estatísticas dos campeonatos anteriores. Dando sequência as analises, após percorridos 2/3 das rodadas, seguem os números e as tendências considerando os campeonatos a partir de 2006, quando o número de times se fixou em 20 equipes. 

Título

- Em 7 campeonatos o futuro campeão brasileiro já era o primeiro colocado;

- Em 1 campeonato o futuro campeão brasileiro estava no G4 (2011);

- Em 2 campeonatos o futuro campeão brasileiro não estava no G4 (2008 e 2009);

- Desde 2010 o campeão brasileiro estava em primeiro lugar e/ou no G4;

- A média de pontuação do líder na R26 é de 53 pontos com diferença de 5 pontos para o segundo colocado;

- A menor pontuação do líder na R26 foi o Vasco da Gama em 2011 (49 pontos). O Vasco da Gama foi o vice campeão;

- A maior pontuação do líder na R26 foi do Cruzeiro em 2013 (59 pontos). O Cruzeiro foi o campeão;

- A maior diferença de pontos do primeiro para o segundo colocado foi do Cruzeiro em 2013 e 2014 (9 pontos). Nos dois anos o Cruzeiro foi o campeão brasileiro;

- A menor diferença de pontos do primeiro para o segundo colocado foi do Grêmio em 2008 (1 ponto). Em 2008 o Grêmio foi o vice campeão;

- Nos 3 campeonatos em que o campeão ainda não era o líder, a diferença do primeiro para o segundo colocado era de 1 ponto em 2008, 5 pontos em 2009 e 2 pontos em 2011;

- Nos 3 campeonatos em que o campeão ainda não era o líder, a diferença do primeiro para o futuro campeão era de 7 pontos em 2008, 10 pontos em 2009 e 2 pontos em 2011;

- Os líderes na R26 com 51 pontos ou mais foram campeões brasileiros, mas estavam no mínimo a 3 pontos do segundo colocado;

- Em 3 dos 4 campeonatos que o líder estava com 49 ou 50 pontos o campeonato só foi decidido na última rodada. Apenas o São Paulo em 2006 foi campeão antecipado, na R36. Na R 26 a diferença de pontos do São Paulo para o segundo colocado era de 5 pontos.

Conclusões:

-  O campeonato deve ser decidido apenas na última rodada;

- A previsão é que para o time ser campeão seja necessário de 71 a 74 pontos (abaixo da média histórica);

- Palmeiras tem maior probabilidade de ser o campeão brasileiro por ser o atual líder na R26 e ter 51 pontos;

- Como em 2 dos 3 campeonatos em que o líder na R26 não foi campeão o principal motivo foi a baixa diferença de pontos para o segundo colocado ( 1 ou 2 pontos),  as chances de Flamengo, Atlético Mineiro e Santos aumentam.

- Essas chances também aumentam pois, em 2 dos 3 campeonatos, a diferença do líder para o futuro campeão era de 7 pontos (2008) e 10 pontos (2009).


Zona de Libertadores

- A média histórica demonstra que 3 times que estão no G4 na R26 terminam na mesma zona de classificação no final do campeonato;

- A média de pontuação do quarto colocado na R26 é de 43 pontos com diferença de 2 pontos para o quinto colocado;

- A menor pontuação do quarto colocado na R26 foi o Santos em 2010 (41 pontos). O Santos não terminou no G4;

- A maior pontuação do quarto colocado na R26 foi o Botafogo em 2011 (45 pontos). O Botafogo não terminou no G4;

- A maior diferença de pontos do quarto para o quinto colocado foi de 4 pontos em 2011 e 2013. Em 2011 duas equipes saíram do G4 no final do campeonato, já em 2013 todas as equipes que estavam no G4 permaneceram nas mesmas posições;

- A menor diferença de pontos do quarto para o quinto colocado foi a mesma pontuação do sétimo colocado em 2010. Apenas uma equipe saiu do G4 no final do campeonato.


Conclusões:

- A previsão é que para o time terminar no G4 seja necessário de 60 a 61 pontos (dentro da média histórica);

- Em 2 dos 3 anos que os 4 times que estavam no G4 na R26 terminaram no G4 a diferença de pontos era de 3 ou 4 pontos. 

- É possível mas pouco provável que exista no máximo uma alteração no G4;

- Em 2011 houveram 2 alterações no G4 após a R26 pois o quinto e sexto colocados tinham 4 pontos de diferença do quarto colocado;

- Em 2016 o sexto colocado tem 5 pontos de diferença para o G4. Nunca um time com 5 pontos de diferença do G4 na R26 conseguiu terminar o campeonato no G4.


Rebaixamento

- a média histórica demonstra que 3 times que estão no Z4 na R26 terminam na mesma zona de classificação no final do campeonato;

- apenas em 2009  3 times que estavam no Z4 na R26 conseguiram sair dessa zona de classificação no final do campeonato;

-- A média de pontuação do décimo sétimo colocado na R26 é de 27 pontos com diferença de 1 ponto para o décimo quinto colocado;

- A menor pontuação do décimo sétimo colocado na R26 foi o Santo André e Atlético Mineiros em 2009 e 2011 (25 pontos). O Santo André foi rebaixo em 2009, já em 2011 o Atlético Mineiro não foi rebaixado;

- A maior pontuação do décimo sétimo colocado na R26 foi o Paraná Clube em 2007 (31 pontos). O Paraná foi rebaixado;

- A maior diferença do décimo sétimo para o décimo sexto colocado foi de 4 pontos em 2011. Apenas uma equipe saiu do Z4 no final do campeonato;

- A menor diferença do décimo sétimo para o décimo sexto colocado foi de 1 ponto em sete vezes.


Conclusões:

- A previsão é que para o time não ser rebaixado seja necessário de 41 a 42 pontos (abaixo da média histórica);

- É provável que 3 dos 4 times que estão no Z4 sejam rebaixados, uma disputa que deve ficar entre Internacional e Figueirense para saírem do Z4.

Baseado nas conclusões tenho as seguintes opiniões:

1) Palmeiras, Flamengo e Atlético Mineiro ainda brigam pelo título;
2) Santos e Corinthians vão brigar pela quarta vaga do G4;
3) Santa Cruz e América Mineiro deverão ser rebaixados;
4) Internacional ou Figueirense vão brigar para sair do Z4, mas apenas 1 vai conseguir escapar do rebaixamento.

Dados estatísticos são baseados no histórico onde se procuram encontrar padrões de comportamento dos times em suas respectivas posições na tabela. Por outro lado, sempre existe possibilidade dessas regras serem quebradas, como em 2009, onde tanto para a conquista do título como para a fuga do rebaixamento, houveram performances fora do padrão.

Ainda faltam mais 12 rodadas para sabermos se 2016 será mais um ano que ficará dentro dos padrões estatísticos ou se teremos outro ano fora da curva.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…