Pular para o conteúdo principal

Chá de Cadeira - Chá de Sofá


O que parecia um milagre aconteceu nesta semana, depois de duas décadas tomando Chá de Cadeira, como Juca Kfouri sempre entoava quase como um mantra, finalmente caiu Ricardo Teixeira.
Na história da humanidade sempre houve esta dinâmica universal da lei da gravidade do subir e descer, que só não existe no espaço sideral. Os grandes impérios da história, que com suas virtudes os levaram à ascensão, também os levaram à decadência através dos seus defeitos.
Depois de mais de quatro décadas de vida, quando olhamos a vida com uma perspectiva mais ampla, como dizia Raulzito, podemos perceber que tudo tem um começo, um fim e um meio. Muito provavelmente o tempo que o meio irá permanecer entre o começo e o fim vai depender dos valores que norteiam as pessoas, organizações, governos, impérios em busca dos seus objetivos.
A queda de Ricardo Teixeira se consumou nessa semana, mas se iniciou há alguns anos, quando, o próprio, cegamente projetou conquistar o mundo, mas esqueceu que outros ventos podem alterar a rota e levar as pessoas para tormentas que, em certos casos, podem ficar eternamente presos e nem Ulisses em sua Odisseia poderia salvá-los.
Os rumos do comando da CBF por algum tempo permanecerão nebulosos, cheio de disputas e traições por parte dos clubes e dos presidentes de federações, mas o mais importante é que esta ruptura irá criar uma nova ordem. Esperamos que os mais bem preparados para conduzir esta organização e os rumos do futebol brasileiro, sejam os vencedores em curto prazo.
O mais importante deste momento histórico do Futebol Brasileiro é a mensagem em alto em bom som que, de uma forma ou de outra, o processo de transformação é inevitável e que os últimos redutos de ditadura, coação e conchavos dos que lutam desesperadamente para se manter no poder, estão com seus dias contados devido às mobilizações populares e também às publicações da imprensa que não tem rabo preso e não tem interesse na manutenção do status quo atual.
 O Chá de Cadeira que tomamos esperando a queda do Ricardo Teixeira finalmente aconteceu no dia 12/03/2012. Como Palmeirense e acompanhando de perto a atual política retrógrada dos que ainda lutam para que fique perpetuada dentro do clube, continuo tomando meu Chá de Sofá, esperando que, com as Diretas Já, teremos a queda definitiva do Mustafá.
Que este tão sonhado dia não demore muito para acontecer.
Avanti Palestrinos, scoppia che la vittoria sarà la nostra!!!



Comentários

  1. Temos que ter esperanças, claro, mas é inevitável ver um quê de continuidade muito triste, se pensarmos em Marín e Marco Polo del Nero ganhando força. O bom, pelo menos por enquanto, é que nenhum deles é unânime entre as federações, como era o Teixeira.
    Quando nos preocupamos com as duas questões, é duro ser Palmeirense e ainda torcer pela seleção. Por isso, enquanto o Mano Menezes estiver lá, péssimo no cargo, prefiro pensar no mais importante, o Palmeiras.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…