Pular para o conteúdo principal

Denver Nuggets x Brasileirão 2016





Após as 10 primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A de 2016, vamos avaliar o comportamento do torcedor até a R 10 e uma breve avaliação sobre a atratividade do campeonato como produto.

O leitor deve estar estranhando o título, mas vou esclarecer logo no início do post para evitar dúvidas.

A pior média de público da NBA é do Denver Nuggets (14 mil/ jogo) , com uma taxa de ocupação de 74% na Pepsi Arena em toda a temporada regular 2015/2016. Até a R 10 a média de público pagante do Brasileirão 2016 é de 13 mil/jogo com uma taxa de ocupação de 33%.

Apenas 2 times possuem média acima da NBA: Corinthians (31,8 mil) e Palmeiras (30,4 mil) . A maior média de público da NBA na temporada 2015/2016 é o Chicago Bulls com 20,8 mil.

Os outros 5 times que possuem média similar aos times da NBA são:

- Flamengo e Portland Trail Blazers (19,4 mil)
- Cruzeiro  e San Antonio Spurs (18,7 mil)
- Internacional e Huston Rockets (18,1 mil)
- Atlético Mineiro e Indiana Pacers (16,8 mil
- São Paulo e Philadelphia 76rs (14,6 mil)

Os demais 13 times do Brasileirão 2016 possuem média inferior ao lanterna em público da NBA, o Denver Nuggets.

A primeira conclusão que se pode chegar é que se o Brasileirão 2016 fosse jogado em Arenas de Basquete da NBA, não conseguiriam taxa de ocupação total. Não é dessa forma que se deve promover um produto que ainda tem grande potencial de negócios como o Campeonato Brasileiro de Futebol.

Vamos aos números mais detalhados:

A média de 2016 está praticamente igual a 2014 ( 13 mil) e inferior a 2015 (15 mil). O total de público pagante em 2014 e 2016 está praticamente igual (1,3 milhões), já em 2015 o total até a R10 foi de 1,46 milhões.

Em termos de renda e ticket médio 2016 ( 455 mil / 27,23)  está inferior a 2015 ( 562 mil / 31,50), mas superior a 2014 (395 mil/ 25,81).

Referente à taxa de ocupação, a situação é similar a média de público, 2016 (33%), 2014 (34%), 2015 (39%).

Existe uma similaridade entre 2016 e 2014 devido a realização da Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, mas, diferentemente de 2014 onde vários estádios estavam em reforma para a Copa do Mundo, em 2016 apenas o Maracanã e o Engenhão estão em reformas para os Jogos Olímpicos. 

Os times do Rio de Janeiro são os principais responsáveis pela queda de público. Em 2014 e 2015 a média de público pagante dos cariocas era 15 mil, já em 2016 a média caiu para 9,6 mil.O excesso de jogos entre quarta e domingo e a crise econômica que o Brasil está atravessando também podem estar impactando o comparecimento de público nos estádios e arenas. 

Apenas 5 times são responsáveis por 50% do total de público pagante :

1) Palmeiras 183 mil
2) Corinthians 159 mil
3) Atlético Mineiro 100 mil
4) Flamengo 97 mil
5) Internacional 90 mil

Referente à arrecadação total, apenas 3 times são responsáveis por 50% do faturamento com bilheteria:

1) Palmeiras 10,7 milhões
2) Corinthians 8,4 milhões
3) Flamengo 4,6 milhões

OBS: Flamengo é o terceiro em média de renda e público devido aos jogos contra Palmeiras e São Paulo, dois clássicos regionais que atraíram a torcida dos dois times visitantes. Sem esses dois jogos, a média do Flamengo cai para 5,1 mil.

Apenas 3 times conseguem ocupar mais da metade do estádio:

1) Palmeiras e Corinthians - 71%
2) Atlético Mineiro - 56%

Referente ao ticket médio, o Palmeiras também lidera:

1) Palmeiras - R$ 56,37
2) Corinthians - R$ 52,96
3) Internacional - R$ 31,92

Os clássico como são sempre atrativos para a cidade, mesmo com torcida única em São Paulo. A média de público nos clássicos sobe para 21,5 mil. Nos clássicos entre os 11 grandes times do Brasil, também a média de público sobe para 19,5 mil. Mesmo nesses jogos, as Arenas de Basquete atenderiam perfeitamente esse público.

Os outros 9 times não conseguem explorar maiores receitas com bilheteria quando recebem os 11 grandes times do Brasil. A média de público( 9,5 mil), renda (215 mil) nesses jogos é inferior à média do campeonato. Além disso a taxa de ocupação está na média da competição (33%), além do ticket médio também ser inferior (23,00).

A média nos finais de semana é maior do que no meio de semana ( 13,4 mil x 12,3 mil). Essa diferença é muito maior quando se compara o público nas arenas e nos estádios (18,6 mil x 8,3 mil). O ticket médio nas arenas é de R$ 33,69, enquanto nos estádios é de R$ 21,94.  Existem muitos mais jogos pela NBA, tanto no meio como no final de semana, e a média sempre se mantém. 

Esses dados demonstram que o torcedor paga quando é melhor atendido em termos de qualidade e conforto, além de uma melhor experiência ao assistir aos jogos.

Os times que estão no G4 ou após uma sequencia positiva (3 vitórias ou 2 vitórias e 1 empate) atraem o dobro de torcedores em comparação aos demais clubes ( 22,3 mil x 11, 3 mil). O Chicago Bulls teve maior média de público na NBA na última temporada e não se classificou para os play offs.

Os dias e horários com melhor média de público são:

1) Domingo 16:00h - 16,7 mil
2) Quarta Feira 21:45h - 16,2 mil
3) Sábado 16:00h - 15, 7 mil

Os dias e horários com pior média de público são:

1) Sábado 18:30h - 6,2 mil
2) Sábado 21:00h - 7,3 mil
3) Quarta 19:30h - 8,2 mil

Esses dados demonstram que desempenho, arena moderna, jogos aos finais de semana, clássicos e jogos entre os 11 maiores times do Brasil são os grandes atrativos para o torcedor. Essas conclusões não servem para que as outras 9 equipes se conformem com a situação, mas sim buscar formas alternativas para motivar seus torcedores ao comparecerem aos estádios.

A conclusão que se pode chegar é que não há quase nenhum trabalho dos gestores dos times visando explorar maiores receitas com bilheteria. As grandes camisas, os clássicos e o desempenho são os fatores que mais atraem a torcida aos jogos. Os times de menor expressão também não conseguem explorar de uma maneira mais eficiente quando recebem os grandes times do Brasil em seus estádios.

Vamos aguardar se esses fatores se alteram ou se consolidam com o passar das rodadas, mas independente dos números futuros, é inaceitável que o "País do Futebol" não tenha competência para atrair uma média de público superior às Arenas de Basquete da NBA. Os exemplos de gestão do produto estão disponíveis, basta atitude para querer mudar as coisas.










Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…