Pular para o conteúdo principal

The Lampions League : sucesso de público?



Durante os últimos dois anos vimos todas os meios de comunicação aclamarem a Copa do Nordeste como um grande sucesso de público, estádios lotados, uma realidade oposta ao que vemos na grande maioria dos campeonatos disputados no Brasil.

Como pesquisador do comportamento do torcedor resolvi coletar os dados de público, renda, taxa de ocupação e ticket médio da Lampions League 2016. Para evitar um excesso de números, preferi discorrer sobre os dados de uma forma mais ilustrativa.

Convido o leitor a embarcar nessa análise e chegarem às suas próprias conclusões.

Imagine que a Lampions League fosse uma cadeia de 20 restaurantes espalhados por 16 cidades do Nordeste, sendo que em 4 capitais tenham 2 restaurantes devido ao maior presença de público. Após o final da temporada foi detectado que a média de ocupação por noite foi de apenas 2 mesas em cada 10 disponíveis.

Em apenas 7 restaurantes se concentraram 75% de clientes. 50% do faturamento total foi proveniente de apenas 3 restaurantes, sendo que todas as noites foram em datas especiais e nos restaurantes mais tradicionais da rede. 

Nenhum restaurante conseguiu lotar suas dependências durante toda a temporada, e em 50% das noites os restaurantes não conseguiram mais do que 1 mesa em cada 10.

Caso houvesse preocupação com a rentabilidade de todos os franqueados como seria a reunião de fechamento do ano com esses resultados?

A impressão  que se pode concluir é que os franqueados estão acomodados com os royalties que a marca consegue receber para fechar suas contas e não fazem esforço algum para melhorarem a qualidade dos produtos ofertados.

Não seria o momento de perguntar aos seus atuais e potenciais clientes o que eles gostariam de consumir, de que forma, horários, serviços adicionais entre outros fatores?

Com as dados coletados e implementados com eficácia o resultado seria um produto de melhor qualidade e por consequência aumentarem o faturamento, além de uma melhora na percepção da marca e da qualidade do produto ofertado.

Já passou da hora dos dirigentes perceberem que o jogo por si não é suficiente para atrair público aos estádios, é necessário entender o comportamento do torcedor, as novas demandas das gerações mais novas, transformando cada jogo entretenimento, uma experiência em que o torcedor vá aos jogos independente da classificação na tabela.

Para essa situação se transformar em realidade é necessário trabalhar com profissionalismo em várias frentes, tirando os holofotes de dentro das quatro linhas, e virando-os para a platéia.

Os profissionais que transformaram as Micaretas em um grande sucesso poderiam ser envolvidos no processo, pois com certeza eles são competentes e eficientes no excelente trabalho que efetuam em cada um dos eventos espalhados em todo o Brasil durante o ano.

O objetivo dessa reflexão não é desmerecer o produto, mas sim levantar questões sobre uma falsa percepção do atual produto, bem como dos enormes potenciais a serem explorados mas que ainda carecem de um melhor desenvolvimento.

Para finalizar, concluo com título desse post:

A Lampions League é sucesso de público ou é apenas uma falsa percepção vendida pelos canais detentores dos direitos de transmissão?













Comentários

  1. Ótima análise e analogia perfeita ao comparar com uma rede de restaurantes. Talvez os dirigentes e organizadores ainda não tenham percebido que deveriam trabalhar realmente como franqueados de uma liga (algo semelhante ao que ocorre com os esportes norte-americanos), quem sabe assim poderiam potencializar a lucratividade e a exposição de toda a competição, não somente times A ou B.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…