Pular para o conteúdo principal

The Lampions League : sucesso de público?



Durante os últimos dois anos vimos todas os meios de comunicação aclamarem a Copa do Nordeste como um grande sucesso de público, estádios lotados, uma realidade oposta ao que vemos na grande maioria dos campeonatos disputados no Brasil.

Como pesquisador do comportamento do torcedor resolvi coletar os dados de público, renda, taxa de ocupação e ticket médio da Lampions League 2016. Para evitar um excesso de números, preferi discorrer sobre os dados de uma forma mais ilustrativa.

Convido o leitor a embarcar nessa análise e chegarem às suas próprias conclusões.

Imagine que a Lampions League fosse uma cadeia de 20 restaurantes espalhados por 16 cidades do Nordeste, sendo que em 4 capitais tenham 2 restaurantes devido ao maior presença de público. Após o final da temporada foi detectado que a média de ocupação por noite foi de apenas 2 mesas em cada 10 disponíveis.

Em apenas 7 restaurantes se concentraram 75% de clientes. 50% do faturamento total foi proveniente de apenas 3 restaurantes, sendo que todas as noites foram em datas especiais e nos restaurantes mais tradicionais da rede. 

Nenhum restaurante conseguiu lotar suas dependências durante toda a temporada, e em 50% das noites os restaurantes não conseguiram mais do que 1 mesa em cada 10.

Caso houvesse preocupação com a rentabilidade de todos os franqueados como seria a reunião de fechamento do ano com esses resultados?

A impressão  que se pode concluir é que os franqueados estão acomodados com os royalties que a marca consegue receber para fechar suas contas e não fazem esforço algum para melhorarem a qualidade dos produtos ofertados.

Não seria o momento de perguntar aos seus atuais e potenciais clientes o que eles gostariam de consumir, de que forma, horários, serviços adicionais entre outros fatores?

Com as dados coletados e implementados com eficácia o resultado seria um produto de melhor qualidade e por consequência aumentarem o faturamento, além de uma melhora na percepção da marca e da qualidade do produto ofertado.

Já passou da hora dos dirigentes perceberem que o jogo por si não é suficiente para atrair público aos estádios, é necessário entender o comportamento do torcedor, as novas demandas das gerações mais novas, transformando cada jogo entretenimento, uma experiência em que o torcedor vá aos jogos independente da classificação na tabela.

Para essa situação se transformar em realidade é necessário trabalhar com profissionalismo em várias frentes, tirando os holofotes de dentro das quatro linhas, e virando-os para a platéia.

Os profissionais que transformaram as Micaretas em um grande sucesso poderiam ser envolvidos no processo, pois com certeza eles são competentes e eficientes no excelente trabalho que efetuam em cada um dos eventos espalhados em todo o Brasil durante o ano.

O objetivo dessa reflexão não é desmerecer o produto, mas sim levantar questões sobre uma falsa percepção do atual produto, bem como dos enormes potenciais a serem explorados mas que ainda carecem de um melhor desenvolvimento.

Para finalizar, concluo com título desse post:

A Lampions League é sucesso de público ou é apenas uma falsa percepção vendida pelos canais detentores dos direitos de transmissão?













Comentários

  1. Ótima análise e analogia perfeita ao comparar com uma rede de restaurantes. Talvez os dirigentes e organizadores ainda não tenham percebido que deveriam trabalhar realmente como franqueados de uma liga (algo semelhante ao que ocorre com os esportes norte-americanos), quem sabe assim poderiam potencializar a lucratividade e a exposição de toda a competição, não somente times A ou B.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…