Pular para o conteúdo principal

Os clubes brasileiros continuam vendendo seus Mickey Mouses





Durante as duas últimas semanas foram divulgados os balanços dos 20 principais clubes brasileiros em 2015. Várias análises foram efetuadas e alguns números precisam ser analisados com uma visão mais ampla para tentar enxergar alguns dados por trás dos números.

Os números consolidados demonstram que as cotas de TV permanecem como a maior fonte de receita dos clubes, por outro lado a venda de jogadores são a segunda maior fonte de receita. Esse fenômeno pode estar afetando as demais fontes de receita. Os números consolidados são os seguintes:

Direitos de TV - 38%
Venda de Atletas - 17%
Patrocínios - 14%
Sócio Torcedor - 14%
Bilheteria - 10%
Outros - 7%

Quando se compara com a porcentagem de faturamento dos 20 principais clubes europeus na temporada 204/2015 os números com patrocínio e bilheteria possuem um impacto mais significativo do que nos clubes brasileiros:

Direitos de TV - 44%
Patrocínios / Comercial - 36%
Bilheteria - 20%

Os números acima demonstram que a venda de atletas não aparecem como receitas dos clubes, nem os sócios torcedores. Caso formos classificar a receita com sócios torcedores como comercial , os 20 principais clubes brasileiros teriam 28% da sua receita entre patrocínio e comercial, ainda bem abaixo do que os clubes europeus faturam com essa fonte de receita.

O campeonato brasileiro da Série A se iniciará no próximo final de semana com o seguinte cenário:

- Atlético Mineiro e São Paulo poupando jogadores para as quartas de final da Copa Libertadores;

- Durante nove rodadas vários clubes brasileiros vão ficar sem seus principais jogadores devido a disputa da Copa América Centenário;

- Após a Copa América Centenário, Atlético Mineiro ou São Paulo vão estar na semi final da Copa Libertadores e deverão poupar jogadores por no mínimo mais duas rodadas, caso forem para a final, serão mais 2 rodadas;

- Em julho e agosto abrirá a janela de transferências do mercado internacional, o que provavelmente causará saída de mais jogadores;

- Em agosto serão disputados os Jogos Olímpicos e vários clubes ficarão sem suas jovens promessas por mais nove rodadas;

- Os 3 clubes do Rio de Janeiro que disputarão a Série A não terão estádios disponíveis na sua cidade até novembro, sendo obrigados a jogar fora da cidade ou em outros estádios.

Com esse cenários, qual a probabilidade de uma empresa utilizar algum clube, estádio ou o próprio campeonato como plataforma de relacionamento e  valorização da sua marca?

O que esperar da qualidade dos jogos com a certeza que os times que entrarão em campo no próximo domingo não serão os mesmos após os Jogos Olímpicos?

Como exigir qualidade no trabalho dos treinadores com a necessidade de remontar os seus respectivos times durante o campeonato?

Como atrair os torcedores menos envolvidos/identificados em consumir os produtos comercializados no campeonato ( ex: pay per view, ingressos, TV aberta, produtos e serviços nos estádios, programa de sócio torcedor)?

Essas perguntas precisam ser respondidas com uma série de medidas a serem implementadas para que a participação das fontes de receita dos 20 principais clubes brasileiros se aproxime, em termos proporcionais, a receita dos europeus, aumentando a participação das receitas com patrocínio e bilheteria, reduzindo a dependência das receitas com venda de jogadores.

A mudança do calendário é peça fundamental, bem como o consenso geral que todos os envolvidos precisam entender que o produto ofertado atualmente está desvalorizado, mas possui um enorme potencial de valorização. Um fator impeditivo é a política que impera na relação CBF e Federações, que precisam ser drasticamente alterada.Com um melhor produto, todos os envolvidos colherão os frutos positivos, alterando o cenário atual.

Quando se vai à Disneylândia, tanto adultos como as crianças que entram no Parque Magic Kingdon buscam ter contato com Mickey Mouse e todas as célebres personagens que habitam as memórias afetivas de várias gerações, além de terem certeza de que todos os produtos e serviços ofertados nos parques da Disney são de alto nível de excelência.

Quando se vai assistir a um jogo de futebol, tanto os adultos quanto as crianças buscam ver ídolos e grandes jogadores que habitam a memória afetiva dos torcedores. Quando se vai ao estádio no Brasil os torcedores, com raras exceções, não se identificam com nenhum jogador, pois acabaram de ser vendidos para clubes do exterior. 

Dessa forma, não se consegue gerar ligação afetiva/ identificação, não se desperta o interesse das novas gerações, a qualidade dos jogos fica baixa, não se atrai mais público nem patrocinadores para os clubes, fazendo com que mais da metade das receitas fiquem dependentes das cotas de TV e da venda de jogadores, sem se preocupar com um alto nível de excelência nos produtos e serviços ofertados nos estádios e na TV.

A sensação geral é como ir a Disneylândia e perceber que Mickey Mouse e sua turma foram todos vendidos para fazer caixa visando fechar as contas do ano, e os torcedores sentindo-se tratados como um bando de Patetas.









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…