Pular para o conteúdo principal

Quanto vale o show?



Passadas 6 semanas desde o início dos campeonatos estaduais, regionais e continentais na América do Sul, a velha polêmica sobre como solucionar o decrescente apelo dos estaduais, a luta entre os interesses dos clubes x federações e o excesso de jogos para apenas um mês e meio de temporada voltaram a tona.

Nessa semana o consultor de marketing esportivo Amir Somoggi publicou em sua coluna no Lance um post sobre a falência dos Estaduais, comprovando que o apelo dos Estaduais está a cada ano diminuindo.

Na minha pesquisa de mestrado, aproveitei e perguntei aos entrevistados quais os campeonatos que os torcedores preferiam para ir ao estádio, e o resultado foi o seguinte:

1) Copa Libertadores da América
2) Campeonato Brasileiro
3) Copa do Brasil
4) Copa Sulamericana
5) Campeonatos Estaduais
6) Campeonatos Regionais (Ex: Copa do Nordeste)

Baseado nos dados levantados na pesquisa efetuei uma comparação até o momento da média público e renda, da taxa de ocupação e do ticket médio para os campeonatos disputados. Os números são os seguintes:

1) Copa Libertadores da América ( até os jogos da semana de 07/03/16)
Público Médio - 33,3 mil pagantes
Renda Média - R$ 1,982 milhões
Taxa de Ocupação - 78%
Ticket Médio - R$ 59,38

2)  Copa Primeira Liga ( fase de grupos)
Público Médio - 11,8 mil pagantes
Renda Média - R$ 325 mil
Taxa de Ocupação - 28%
Ticket Médio - R$ 23,96

3) Campeonato Paulista (até R8)
Público Médio - 6,7 mil pagantes
Renda Média - R$ 253 mil
Taxa de Ocupação - 29%
Ticket Médio - R$ 25,93

4) Copa do Nordeste ( até R4)
Público Médio - 3,9 mil pagantes
Renda Média - R$ 45,4 mil
Taxa de Ocupação - 16%
Ticket Médio - R$ 11,68

Com os números acima é possível chegar às seguintes conclusões:

- O comportamento do torcedor brasileiro em 2016 possui alta correlação com os resultados da pesquisa até o momento;

- A média de público dos times brasileiros na Liberadores só é inferior a média de público pagante da Bundesliga (42,8 mil) e da Premiere League (36, 1 mil) de acordo com o site ESPNFC., comprovando que quando o produto tem valor o torcedor comparece e consome;

- a média de público da Primeira Liga até o momento é devido a 3 jogos (Atlético Mineiro x Flamengo, Atlético Paranense x Criciúma, Grêmio x Internacional). Sem esses 3 jogos a média cairia para 7,1 mil /jogo, mesmo assim, a média é superior ao Campeonato Paulista;

- Corinthians (119 mil) e Palmeiras (102 mil) são responsáveis por 41% do total de público do Campeonato Paulista. Sem os dois times a média de público seria em torno de 4 mil pagantes/jogo;

- No Campeonato Paulista, considerado o mais rico do país, aconteceram até o momento 12 jogos com público abaixo de 1000 pagantes. O recorde negativo pertence a Mogi Mirim x Linense com 291 pagantes.

- Os times do interior que mandaram jogos contra os 4 grandes em seus respectivos estádios não conseguiram mais do que 52% de taxa de ocupação, não atraíram mais do que 10 mil pagantes. Conseguiram em média R$ 400 mil de renda bruta cobrando R$ 41,92 /ingresso. Um valor 12% inferior ao ticket médio do Palmeiras e 20% inferior ao ticket médio do Corinthians, ambos em suas respectivas modernas arenas; 

- Em 40 jogos, apenas duas partidas tiveram público acima de 10 mil pagantes pela Copa do Nordeste (Ceará x Sampaio Correa - 12,1  mil pagantes e Santa Cruz x Bahia - 10,5 mil). 

- Na Copa do Nordeste, considerado um torneio de sucesso de público, aconteceram até o momento 9 jogos com público abaixo de 1000 pagantes. O recorde negativo pertence a Vitória da Conquista x Flamengo PI com 122 pagantes.

- No jogo Salgueiro x Campinense pela Copa do Nordeste tivemos o bizarro ticket médio de R$ 1,82, com preços variando de R$ 4,00 a R$ 1,00 com direito a meia entrada e o público pagante foi de 1,4 mil!!

Os dados acima demonstram que o torcedor percebe o valor de cada produto ofertado, sabendo exatamente onde é valido pagar pelo que vale o jogo. Por outro lado, fica claro que sem uma estratégia de marketing bem definida, o torcedor não vai ao estádio nem quando o preço é muito baixo. 

Já passou da hora do profissionalismo definitivamente fazer parte da gestão dos clubes brasileiros, pois a cada geração corremos o risco de ver nosso filhos, sobrinhos e filhos dos nossos amigos torcendo para os clubes europeus ou acompanhando outros esportes como a NBA e a NFL, pois o apelo de ir ao estádio está ficando cada vez mais restrito a poucos times e a poucos torneios.

Os números até o momento são pouco promissores para um país que ainda se intitula "O País do Futebol". Em breve corre-se o risco de que o futebol se transforme em um produto consumido apenas por gerações mais velhas, sem atrativos para a geração milênio, algo que já está ocorrendo com o Beisebol nos Estados Unidos.

Aracy de Almeida
Até 1996 Silvio Santos tinha um programa chamado "Show de Calouros". Ao final de cada apresentação dos calouros o apresentador perguntava aos jurados "Quanto vale o show?". Me lembro quando o calouro era ruim e a jurada Aracy de Almeida falava: "Leva 500 mango que tá bão". 

Era a diversão de uma geração assistir aos jurados e aos calouros. Essa geração foi envelhecendo e a nova geração quase não assiste mais ao programa Silvio Santos. O futebol brasileiro caminha a passos firmes para o mesmo destino da audiência de Silvio Santos.

Devido ao atual baixo nível dos calouros do futebol brasileiro e a falta de perspectiva de mudança o torcedor se pergunta:

Quanto vale o show?













Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…