Pular para o conteúdo principal

Quanto vale o show?



Passadas 6 semanas desde o início dos campeonatos estaduais, regionais e continentais na América do Sul, a velha polêmica sobre como solucionar o decrescente apelo dos estaduais, a luta entre os interesses dos clubes x federações e o excesso de jogos para apenas um mês e meio de temporada voltaram a tona.

Nessa semana o consultor de marketing esportivo Amir Somoggi publicou em sua coluna no Lance um post sobre a falência dos Estaduais, comprovando que o apelo dos Estaduais está a cada ano diminuindo.

Na minha pesquisa de mestrado, aproveitei e perguntei aos entrevistados quais os campeonatos que os torcedores preferiam para ir ao estádio, e o resultado foi o seguinte:

1) Copa Libertadores da América
2) Campeonato Brasileiro
3) Copa do Brasil
4) Copa Sulamericana
5) Campeonatos Estaduais
6) Campeonatos Regionais (Ex: Copa do Nordeste)

Baseado nos dados levantados na pesquisa efetuei uma comparação até o momento da média público e renda, da taxa de ocupação e do ticket médio para os campeonatos disputados. Os números são os seguintes:

1) Copa Libertadores da América ( até os jogos da semana de 07/03/16)
Público Médio - 33,3 mil pagantes
Renda Média - R$ 1,982 milhões
Taxa de Ocupação - 78%
Ticket Médio - R$ 59,38

2)  Copa Primeira Liga ( fase de grupos)
Público Médio - 11,8 mil pagantes
Renda Média - R$ 325 mil
Taxa de Ocupação - 28%
Ticket Médio - R$ 23,96

3) Campeonato Paulista (até R8)
Público Médio - 6,7 mil pagantes
Renda Média - R$ 253 mil
Taxa de Ocupação - 29%
Ticket Médio - R$ 25,93

4) Copa do Nordeste ( até R4)
Público Médio - 3,9 mil pagantes
Renda Média - R$ 45,4 mil
Taxa de Ocupação - 16%
Ticket Médio - R$ 11,68

Com os números acima é possível chegar às seguintes conclusões:

- O comportamento do torcedor brasileiro em 2016 possui alta correlação com os resultados da pesquisa até o momento;

- A média de público dos times brasileiros na Liberadores só é inferior a média de público pagante da Bundesliga (42,8 mil) e da Premiere League (36, 1 mil) de acordo com o site ESPNFC., comprovando que quando o produto tem valor o torcedor comparece e consome;

- a média de público da Primeira Liga até o momento é devido a 3 jogos (Atlético Mineiro x Flamengo, Atlético Paranense x Criciúma, Grêmio x Internacional). Sem esses 3 jogos a média cairia para 7,1 mil /jogo, mesmo assim, a média é superior ao Campeonato Paulista;

- Corinthians (119 mil) e Palmeiras (102 mil) são responsáveis por 41% do total de público do Campeonato Paulista. Sem os dois times a média de público seria em torno de 4 mil pagantes/jogo;

- No Campeonato Paulista, considerado o mais rico do país, aconteceram até o momento 12 jogos com público abaixo de 1000 pagantes. O recorde negativo pertence a Mogi Mirim x Linense com 291 pagantes.

- Os times do interior que mandaram jogos contra os 4 grandes em seus respectivos estádios não conseguiram mais do que 52% de taxa de ocupação, não atraíram mais do que 10 mil pagantes. Conseguiram em média R$ 400 mil de renda bruta cobrando R$ 41,92 /ingresso. Um valor 12% inferior ao ticket médio do Palmeiras e 20% inferior ao ticket médio do Corinthians, ambos em suas respectivas modernas arenas; 

- Em 40 jogos, apenas duas partidas tiveram público acima de 10 mil pagantes pela Copa do Nordeste (Ceará x Sampaio Correa - 12,1  mil pagantes e Santa Cruz x Bahia - 10,5 mil). 

- Na Copa do Nordeste, considerado um torneio de sucesso de público, aconteceram até o momento 9 jogos com público abaixo de 1000 pagantes. O recorde negativo pertence a Vitória da Conquista x Flamengo PI com 122 pagantes.

- No jogo Salgueiro x Campinense pela Copa do Nordeste tivemos o bizarro ticket médio de R$ 1,82, com preços variando de R$ 4,00 a R$ 1,00 com direito a meia entrada e o público pagante foi de 1,4 mil!!

Os dados acima demonstram que o torcedor percebe o valor de cada produto ofertado, sabendo exatamente onde é valido pagar pelo que vale o jogo. Por outro lado, fica claro que sem uma estratégia de marketing bem definida, o torcedor não vai ao estádio nem quando o preço é muito baixo. 

Já passou da hora do profissionalismo definitivamente fazer parte da gestão dos clubes brasileiros, pois a cada geração corremos o risco de ver nosso filhos, sobrinhos e filhos dos nossos amigos torcendo para os clubes europeus ou acompanhando outros esportes como a NBA e a NFL, pois o apelo de ir ao estádio está ficando cada vez mais restrito a poucos times e a poucos torneios.

Os números até o momento são pouco promissores para um país que ainda se intitula "O País do Futebol". Em breve corre-se o risco de que o futebol se transforme em um produto consumido apenas por gerações mais velhas, sem atrativos para a geração milênio, algo que já está ocorrendo com o Beisebol nos Estados Unidos.

Aracy de Almeida
Até 1996 Silvio Santos tinha um programa chamado "Show de Calouros". Ao final de cada apresentação dos calouros o apresentador perguntava aos jurados "Quanto vale o show?". Me lembro quando o calouro era ruim e a jurada Aracy de Almeida falava: "Leva 500 mango que tá bão". 

Era a diversão de uma geração assistir aos jurados e aos calouros. Essa geração foi envelhecendo e a nova geração quase não assiste mais ao programa Silvio Santos. O futebol brasileiro caminha a passos firmes para o mesmo destino da audiência de Silvio Santos.

Devido ao atual baixo nível dos calouros do futebol brasileiro e a falta de perspectiva de mudança o torcedor se pergunta:

Quanto vale o show?













Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…