Pular para o conteúdo principal

Um Plano de Negócios para o Comitê de Reformas da CBF



No último dia 18/02 a CBF criou o Comitê de Reformas do Futebol Brasileiro (CRFB) visando efetuar melhorias na gestão como para o futebol brasileiro. Após a criação desse comitê a entidade disponibilizou um espaço para que seja possível o envio de sugestões, críticas para o respectivo grupo recém criado.

Muitas críticas já foram efetuadas ao CRFB devido a relação próxima do poder dos 17 membros, faltando uma abertura para um ambiente mais arejado, com grupos, organizações e pessoas que possam ter maior independência para efetuar as sugestões e posteriores ações para mudar os rumos do futebol brasileiro.

Como um apaixonado pelo esporte, estudioso da Gestão do Esporte e pelos 25 anos de experiência no mundo corporativo e dos negócios, creio que, em qualquer mudança que se pretenda implementar, deve partir de um plano de negócios. À partir da definição do plano de negócios, as ações a serem implementadas devem estar alinhadas com os fundamentos pré definidos.

Partindo do pressuposto que a CBF tenha clareza que os produtos que ela comercializa são os Campeonatos de Futebol e os jogos da Seleção Brasileira,sugiro que seja adotado o roteiro abaixo para as tomadas de decisão:

Ambiente - avaliar o que vem ocorrendo no ambiente externo e que pode afetar a CBF.Quais as rupturas, tendências e as novas demandas perceptíveis? A CBF possui os ativos tangíveis, intangíveis e as competências para implementar estratégias baseadas na Visão Baseada em Recursos (VBR) para se apropriar das oportunidades?

Análise do macro ambiente - considerar os fatores e as tendências políticos/legais, econômicos, sócio-demográficos, tecnológicos. Efetuar análise estrutural da indústria de Porter, analisando os concorrentes, os novos entrantes, os fornecedores, o poder de negociação dos clientes (torcedores) os potenciais substitutos. Também é recomendável uma análise SWOT, avaliando os pontos fortes, pontos fracos, ameaças e oportunidades no mercado.

Análise do micro ambiente - pesquisar o consumidor para detectar as tendências, especialmente as de longo prazo, segmentar o mercado para detectar o potencial de faturamento por região, faixa etária, nível de renda, gênero etc.

O negócio - Que problema a CBF resolve para seus consumidores? Qual o público tem essa demanda? Quais as vantagens dos produtos em comparação à concorrência? Quais os recursos para obter essa vantagem? Qual a missão, visão, valores  e a trajetória da empresa até o momento? Qual é o DNA dos produtos e da CBF?

Recursos - De acordo com a Visão Baseada em Recursos (VBR), quais os ativos tangíveis, intangíveis e as competências são responsáveis pelo desenvolvimento dos diferenciais competitivos? Quais são os recursos difíceis de serem imitados pela concorrência ou substituídos pelos clientes por um considerável período de tempo? Os clientes estão dispostos a pagar por esses produtos?

Estratégia - Baseado em Porter novamente, definir qual será o posicionamento de mercado em comparação aos concorrentes:diferenciação, custo, foco? Criar uma proposta de valor única, entregando aquilo que o mercado está desejando. Estabelecer um modelo de negócios claro e objetivo. Quais atributos devem ser criados? Quais deve ser elevados acima da média? Quais atributos devem ser reduzidos? Quais devem ser eliminados?

Uma vez atingido esse estágio, o próximo passo é organizar as atividades que permitirão a execução da estratégia, um planejamento detalhado da área operacional, marketing e financeiro é fundamental.

Planejamento operacional - listar as ações para a execução do plano, definindo responsáveis, prazo. Dimensionar a estrutura e infraestrutura necessárias para o funcionamento. Quem são as pessoas envolvidas para que a execução tenha êxito? Qual a tecnologia necessária, quais fornecedores?

Planejamento de marketing - Qual o público alvo? Qual o posicionamento de mercado? Definir o marketing mix (produtos, preços, promoção, pontos de venda), plano de marketing. 

Planejamento financeiro - Qual o plano de investimento? Qual o fluxo de caixa? Qual o balanço patrimonial e os resultados projetados? Qual o brek even, payback, retorno sobre o investimento (ROI), a análise de risco?

Espero sinceramente que o Comitê de Reformas do Futebol Brasileiro tenha consciência que não estão apenas olhando para o jogo de futebol, com foco apenas para dentro das quatro linhas. O negócio da CBF e dos clubes de futebol são os Campeonatos de Futebol e a Seleção Brasileira que são consumidos pelos diferentes torcedores/consumidores de várias formas : nas arenas/estádios, pela TV (aberta, fechada, streaming), livros, filmes, documentários, etc.

Como em qualquer negócio, é necessário um excelente plano de negócio que seja executado com competência para se atingir os resultados esperados, consolidando as marcas, os produtos, atraindo mais consumidores, parceiros, gerando mais receitas para todos os stakeholders.

Desejo muita lucidez para todos os envolvidos nesse momento de enormes oportunidades de mudança no futebol mundial e brasileiro, pois os recursos necessários para esse trabalho estão disponíveis. Estou enviando esse post para o Comitê de Reformas no link disponibilizado pela CBF como parte da minha contribuição. Que ele possa ser utilizado de alguma forma para transformar o futebol brasileiro em um grande produto de entretenimento global, um dos maiores desejos que eu tenho há anos.









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…