Pular para o conteúdo principal

The National Carnival League (NCL)



Durante toda a última semana acompanhei várias notícias, blogs, reportagens sobre o grande evento esportivo desse domingo, o  Super Bowl 50, que coincidentemente será num domingo de carnaval. Como não sou chegado à festa de Momo, acompanhei as notícias do carnaval pelos jornais e sites, mas de uma forma superficial.

Com a chegada do final de semana e com mais tempo para refletir e acompanhar os dois eventos, me veio a ideia de imaginar como seria administrada a LIESA (Liga Independente das Escolas de Samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro) se fosse gerida pelos americanos.

Convido o leitor a embarcar num exercício de imaginação sobre as oportunidades de negócio que poderiam ser geradas através de uma gestão americana para um dos maiores produtos exportação do Brasil:

- visando internacionalizar a marca, a liga se chamaria NCL - National Carnival League;

- baseado na visão e missão da liga, seria criado um logo que comunicasse a imagem da NCL para o mundo;

- a LIESA tem um site bem amador e nada em outras línguas. O site seria em 3 línguas (português, inglês e espanhol) além de ser muito mais iterativa, para baixar músicas, ver conteúdos exclusivos, ter uma loja virtual;

- ativar páginas no Facebook, Instagram, Twitter, Periscope para se relacionar com seu público. A LIESA tem uma página com cerca de 1.000 seguidores no Facebook e 8.000 no twitter, mas não tem conta nas outras redes sociais;

- visando aumentar as receitas no sambódromo o desfile das 12 escolas de samba seria feito em 3 noites. Além disso, o horário da transmissão seria as 20h, sendo cada dia transmitido para uma emissora diferente. Dessa forma a audiência aumentaria, as receitas com patrocinadores também, além do produto poder ser comercializado para o exterior, principalmente Estados Unidos e Ásia;

- todo o sambódromo teria cobertura Wifi onde os espectadores poderiam ter acesso a conteúdos exclusivos, comprar comidas e bebidas, checar melhores opções de ida e volta, comprar souveniers. Além disso, todos poderiam dar notas para todos os quesitos, que teriam um peso adicional nas notas determinadas pela comissão julgadora de cada quesito;

-o sambódromo poderia ter naming rights tanto para todo o complexo, como para cada setor, onde vários tipos de ativações poderiam ser feitas;

- parcerias via aplicativo poderiam ser efetuadas para todo tipo de transporte de ida e volta do sambódromo (taxi, ônibus)

- a premiação seria efetuada na sexta feira a noite em um evento como a premiação do Oscar, onde várias formas de premiação poderiam ser efetuadas e não haveria mais a apuração das notas, mas sim uma grande festa com a divulgação dos ganhadores de cada quesito até a divulgação da escola campeã;

 - no sábado serie efetuada a festa das campeãs;

- durante todo o período do Carnaval, várias tendas com experiências estariam disponíveis para todos os fãs, não necessariamente apenas para os que compraram ingressos para os desfiles;

- visando internacionalizar a marca, a NCL buscaria fazer várias exibições com todas as 12 escolas em cidades do mundo e do Brasil, simulando um desfile igual aos efetuados no Carnaval, mantendo as escolas ativas durante todo o ano;

- criação de Cidade do Carnaval, uma grande Disneilândia do samba, onde teriam várias atrações para os turistas e fãs do samba, com museus, lojas, alimentação, oficinas para fazer fantasias, tocar instrumentos, compor samba enredos, aprender a dançar samba e no final do dia, uma escola de samba faria um desfile onde os quem quiser pode pagar para participar da parada junto com uma escola de samba, vivendo uma grande experiência além de gerar centenas de empregos permanentes e aumento do turismo no Rio de Janeiro;

- criação de uma série de souveniers (ex:  camisetas, bonés, fantasias, bonecos, baixar os sambas enredos atuais e do passada). Essas vendas poderiam ser feitas pela internet, via aplicativo;

- cada escola teria como uma das suas responsabilidades efetuar ações sociais em suas respectivas comunidades. As melhores ações seriam premiadas na grande festa de premiação;

- as escolas seriam obrigadas a desenvolver projetos sociais nas escolas para desenvolver as habilidades das crianças em aulas de música, dança, criação, confecção, redação, além de várias atividades de suporte. Dessa forma seria possível tirar as crianças das ruas, mantendo-as o dia inteiro na escola, além de dar a oportunidade de uma profissão para os jovens.

Como comentado pelo meu amigo Venceslau Stankus durante a semana sobre as ações da NFL para o Super Bowl 50: " nosso cérebro tem uma dificuldade natural para criar imagens e sensações do que não se tem referência. Essas ações parecem coisa de um futuro distante, quase inacessível no Brasil".

Posso estar viajando nas ideias, ainda mais em alguns quesitos culturais, mas com certeza conhecimento e habilidade para colocar essas ideias em prática, o brasileiro possui, além do samba fazer parte da cultura brasileira, o que falta é a atitude para mudar de patamar, transformando esse produto em um grande entretenimento de classe mundial, fazendo esse futuro distante virar realidade no Brasil.

As ideias acima são apenas algumas possibilidades que poderiam se exploradas para acompanhar a evolução, harmonia, ritmo, criando um novo enredo para as oportunidades de negócio que podem ser geradas, fazendo com que a NCL rode a baiana do entretimento, acelerando o ritmo da bateria, fazendo com que o Brasil entre no circuito do entretenimento global de alto nível.

Fica com uma referência a apresentação do Half Time Show do Super Bowl 50.








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…