Pular para o conteúdo principal

Sound + Vision





Thank you!!!

As luzes se apagaram e vi sua silhueta rapidamente saindo do palco, deixando apenas um rastro do seu brilho na escuridão do Parque Antártica. 

Todos ficaram esperando um bis que nunca aconteceu. Foi um show morno, cheio de hits, mas sem alma, parecia que Bowie estava lá cumprindo tabela. Foi essa a minha percepção, ainda mais para um Palmeirense que amargava 14 anos de fila. Ainda mais para quem esperava algo similar a teatral Glass Spider Tour em 1987, que eu tinha visto em vídeo recentemente. 

Eu não era um grande fã de Bowie, e fui apresentado a sua obra pelo Walter Músico. Sim, Músico era o sobrenome de um cara super descolado que trabalhava comigo em um insalubre laboratório de análise química no bairro do Belém. Embalados por cianuretos, ácidos nítricos, banhos de cromo, mas também pelo som do Bowie, fazíamos controle qualidade, ajustes nos banhos químicos e dividíamos nossos sonhos e frustrações de garotos suburbanos da ZL durante os acordes de Starman.

Foi assim que os grandes clássicos de Bowie chegaram até meus ouvidos, cansados e carentes por novos sons após uma década mergulhada na grande era do heavy metal. 

Heroes, Space Oddity, Rebel Rebel , Ziggy Stardust, Young Americans, This is not America, Jean Genie, Starman, Life on Mars? ......

Depois dessa imersão, o primeiro CD que comprei na minha vida foi o platinado Let´s Dance de Bowie. Reconheço que gostei, mas nunca chegou perto do que o heavy metal traz de emoção, fazendo o sangue correr mais forte pelas veias junto com solos de guitarra e gritos dos grandes vocalistas de uma geração que começa a nos deixar aos poucos. Era uma época das mudanças de vento dos anos 90, que varreram o mundo com a queda do comunismo na Europa Oriental e que também chegava até aquele garoto de 21 anos cheio de sonhos.

Ingresso David Bowie
Sound + Vision Tour
Depois de me encantar com a belíssima produção nos anos 70 e 80 e estar super ansioso para ver o primeiro show fora do heavy metal em minha vida, o Bowie que chegou até mim deixou a desejar. Com exceção do Parque Antártica, que era meu habitat há 10 anos, onde cantava, vibrava e sofria regularmente com meu Palmeiras, as pessoas, o estilo, as músicas pareciam desconexas do meu antigo ambiente rock and roll. Mas eu e meu brother Cabeça estávamos lá para ver um dos grandes ícones da música pop.

Após aquele frio Thank You!!! sem um mísero bis, mal fui apresentado ao seu trabalho, e fiquei decepcionado ao sair do Parque Antártica, algo que já era comum naquele estádio para quem via o decepcionante Palmeiras do início dos anos 90. Após o show fechei os ouvidos para Bowie, como se fosse a minha resposta pela frieza do seu show e de como nos sentimos.

24 anos depois, ao ir à magnífica exposição do gênio Stanley Kubrick no MIS, vimos que a próxima atração seria uma grande exposição sobre David Bowie. Para mim, aquele "Thank You" de 1990 ressoou em meus ouvidos novamente e, pelo menos para mim, aquele bis, que esperava ansioso na gélida noite daquele longínquo domingo, poderia ser compensado de alguma forma.

Fomos a exposição logo no primeiro sábado após a abertura. E não me arrependi do que vi. Foi uma das melhores exposições sobre um artista que tive a oportunidade de ir. Toda a sua carreira estava exposta em várias salas. Desde o início de sua carreira, passando pelos seus grandes momentos, tudo estava ali para poder apreciar. Suas grandes turnês, as roupas dos shows, vídeos da época, a trilogia de Berlim, suas atuações no cinema, a máquina de criar palavras, letras originais.

Confesso que fiquei emocionado ao ver aquela riqueza de produção artística em que tive contato naquelas horas. Após 24 anos, finalmente tive um bis que esperava avidamente. E esse bis foi muito melhor, e pude me reconciliar com Bowie. Muito mais pela Vision do que pelo Sound, mas muita vezes a ordem dos fatores não altera o produto.

Exibição David Bowie - MIS 2014

Na última segunda feira David Bowie nos deixou de uma forma muito similar como o final do show no Parque Antártica, um curto tweet de seu filho informando a todos sobre a tragédia. Bowie saiu do palco da vida, deixando apenas um rastro do seu brilho na escuridão dos nossos corações e mentes. Dessa vez ele nos deixou um bis novo em folha com seu álbum Blackstar. Pela luz que sua carreira trouxe para o mundo, o álbum bem que poderia se chamar Shining Star.

Ainda bem que tive a possibilidade de me reconciliar com Bowie em 2014, tanto que fiz questão de homenageá-lo com essas humildes palavras.


 "RIP David Bowie, another starman waiting in the sky" 
Luciana Penna









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…