Pular para o conteúdo principal

Índice de Protagonismo dos Principais Clubes do Brasil Versão 2015



Pelo quinto ano consecutivo,  vamos ao balanço do Futebol Brasileiro em 2015. 

Considero que esta análise possa servir para projeções futuras, histórico do passado e algumas conclusões interessantes, visando principalmente o índice de protagonismo dos 12 principais clubes do Brasil.
As análises foram efetuadas baseadas nas performances das equipes nos seguintes campeonatos:
- Estaduais do SP / RJ / MG / RS
- Copa do Brasil
- Campeonato Brasileiro *
- Taça Libertadores da América
- Copa Sul-americana
- Campeonato Mundial de Clubes

- Recopa Sul-americana
*considerei 2006 por ter 20 equipes e por 2005 ter havido fatores extra campo que interferiram na classificação final

OBS 1: Não existem pesos diferentes para cada campeonato, o que se pretende medir é o protagonismo dos clubes brasileiros em todos os campeonatos disputados durante a temporada.

OBS 2: Não é considerado título de Série B
Seguem abaixo as conclusões para análise, críticas e sugestões de todos vocês:
Campeonato Brasileiro

  • O Campeão Brasileiro, Corinthians (81 pontos e aproveitamento de 71%), teve o maior aproveitamento dos pontos corridos com 20 equipes. Como nos últimos 3 anos, nenhum clube foi campeão abaixo dos 76 pontos, a média para ser campeão brasileiro se consolida nesse patamar de 66.6% de aproveitamento.
  • O quarto colocado em 2015, São Paulo (62 pontos e aproveitamento de  54%), ficou praticamente dentro da média estatística (63 pontos). 
  • Voltando a média estatística, o Figueirense (43 pontos e 38% de aproveitamento) fez o suficiente para não ser rebaixado
  • Mantendo a média estatísticaa, apenas clubes dos 4 principais estados do Brasil se classificaram no G4. O Atlético-PR em 2013 e o Paraná Clube em 2006 são as únicas exceções.
  • O Corinthians fez 71 gols, superando a média de gols marcados para um time ser campeão, que  é de 62 gols. Em apenas 03 anos o campeão fez menos que 60 gols.
  • As 03 equipes que se classificaram no G4 praticamente mantiveram a média de 53 gols . Atlético Mineiro com 65 gols teve aproveitamento de ataque de campeão.
  • Corinthians tomou 31 gols, abaixo da média de gols sofridos para um time ser campeão, que  é de 34 gols. Em apenas 01 ano um time foi campeão sofrendo mais de 40 gols.
  • As 03 equipes do G4 tiveram uma média de 42 gols sofridos, abaixo da média, que é de 46 gols. O Grêmio, com 32 gols sofridos, teve uma defesa de time campeão. Em apenas 02 anos um time do G4 sofreu mais de 50 gols.
  • Pela terceira vez nos últimos 10 anos o Campeão Brasileiro teve a melhor defesa e o melhor ataque. São Paulo em 2007 e Cruzeiro em 2014 foram as outras equipes que conseguiram essa conquista.
  • O Campeão Estadual tem a probabilidade de 30% de chance de ser Campeão Brasileiro no mesmo ano. O Corinthians, campeão brasileiro,  não foi campeão estadual.  Nos últimos 10 anos o Campeão Brasileiro  ganhou o estadual no mesmo ano em 3 ocasiões (Flamengo 2009 / Fluminense 2012, Cruzeiro 2014).
  • Mantendo o histórico dos últimos 10 anos, 02 Campeões Estaduais dos 4 principais estados do Brasil ( Atlético Mineiro e Internacional) se classificaram no G4 em 2015. 

Taça Libertadores da América
  • Mantendo o histórico dos últimos 10 anos, o Campeão Brasileiro do ano anterior não é campeão da Libertadores da América no ano seguinte. A única exceção dos últimos 10 anos foi o Corinthians em 2012.

Performance dos 12 principais times do Brasil nos últimos 10 anos
Time
Títulos Conquistados
Participação em Finais *  e/ou G4
Títulos em 2015
Posição em 2014
1) Internacional
13
5
01 Estadual
1
2) Santos
9
4
01 Estadual
2
3) Corinthians
8
3
  01 Brasileiro
5
4) Flamengo
8
2
  0
3
5) Atlético Mineiro
8
2
  01 Estadual
6
6) Cruzeiro
7
6
   0
4
7) São Paulo
4
5
0
8
8) Fluminense
4
4
0
7
9) Grêmio
3
6
0
9
10) Botafogo
3
1
0
10
11) Palmeiras
3
1
01 Copa do Brasil
11
12) Vasco
2
2
01 Estadual
12


*   Finais - Copa do Brasil, Sul-Americana, Libertadores, Mundial de Clubes.

Conclusões
  • O Corinthians voltou ao Top 3, recuperando a posição que mantinha em 2013.
  • O Internacional permanece como o líder do ranking, mas sua posição está sendo garantida pelos títulos estaduais e participação no G4, assim como o Flamengo com as conquistas estaduais.
  • O Atlético Mineiro saltou do 11º lugar em 2011 para a sexta posição pelo segundo ano consecutivo, empatando em títulos com o Cruzeiro, perdendo a quinta posição devido ao maior número de G4 e vice campeonatos do rival. Continua sendo o clube com maior evolução nos últimos 4 anos.
  • O Grêmio caiu do 5º lugar em 2011 para a nona posição, a maior queda dos últimos 5 anos.
  • O Vasco permanece pelo quarto ano consecutivo em último lugar dos 12 principais times do Brasil, sendo rebaixado pela terceira vez nos últimos 10 anos.
Os times com mais conquistas sempre serão os que mais arrecadarão, consequentemente atrairão investimentos, jogadores, torcedores e exposição na mídia. Corinthians e Flamengo continuam com maiores arrecadações provenientes das cotas de TV, já o Palmeiras, com a nova arena, o grande salto no número de sócios torcedores e com a conquista da Copa do Brasil, possui grande potencial para se destacar em faturamento em 2016.  

O Santos pós Neymar, ainda permanece no Top 3 e conseguiu se manter em segundo lugar devido ao título estadual e ao vice campeonato da Copa do Brasil, mas precisa tomar medidas se manter no topo pois, caso contrário, corre o risco de ir para a segunda metade do ranking em no máximo dois anos.

Nos últimos 4 anos São Paulo e Fluminense estão se mantendo praticamente nas mesmas posições, apenas invertendo posições em 2015. Devido ao limite de recursos e necessidade de melhorias na gestão, os dois times, juntamente com Cruzeiro, correm risco de caírem no ranking no próximo biênio.

Como previso em 2012 o Atlético Mineiro chegou na primeira metade do ranking em 2014 e se manteve na mesma posição em 2015. Para o próximo biênio, Flamengo e Palmeiras possuem potencial de subir no ranking devido às suas gestões, visando o equilíbrio e a sustentabilidade financeira, o que acabou atraindo melhores treinadores e jogadores.


Os quatro últimos clubes no ranking permanecem os mesmos, e nas mesmas posições de 2014. Desse quatro clubes, o Botafogo e o Vasco devem permanecer na parte de baixo do ranking. Grêmio e Palmeiras possuem um potencial de subir no ranking.
Como previsto em 2014, os problemas de gestão ainda imperam na grande maioria dos clubes, fazendo com que os resultados em campo sejam radicalmente alterados de um ano para outro (ex: Cruzeiro). Além disso, situações como a classificação do São Paulo em quarto lugar, também demonstram que, mesmo como uma péssima gestão e também a baixa performance de equipes com maior potencial (ex: Internacional, Santos, Flamengo), ainda é possível de se conquistar uma melhor classificação. Essa situação ainda tende a permanecer nos próximos anos, mas em breve espera-se que, com a adoção do Profut, uma boa gestão comece a pesar ainda mais nos resultados em campo.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…