Pular para o conteúdo principal

O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde da Pompeia



Durante o jogo Palmeiras 0 x 1 Ponte Preta, os quase 29 mil Palmeirenses presentes tiveram um estranho encontro com uma figura sinistra chamada Mr. Hyde. Os Palmeirenses se preocuparam, pois, recentemente, o seu time comandado pelo respeitável treinador Dr. Jekyll, tornou Mr. Hyde o beneficiário de seu atual trabalho. 
Os torcedores do Palmeiras, após uma parada de 10 dias para aprimorar a performance do time, ficaram impressionado com a feiura de Hyde. Após a partida, durante a coletiva de imprensa, os diretores e a imprensa indagaram Dr. Jekyll sobre o que estava acontecendo, principalmente após 10 dias de treinamentos e recuperação física dos jogadores, mas ele garantia que estava  tudo sob controle e que ninguém precisava se preocupar.
Duas semanas depois o Palmeiras perdeu para o Sport Recife por 2 a 0 em pleno Pacaembu. Com mais uma derrota em casa, sabendo que uma vitória colocaria o Palmeiras em quarto lugar na classificação,  Hyde espancou a paciência e a esperança da torcida Palmeirense ao escalar um time reserva contra o bom time pernambucano, aumentando a preocupação por uma desclassificação no jogo de volta da semi-final da Copa do Brasil contra o Fluminense. 
O time vinha de uma péssima partida no jogo de ida pela Copa do Brasil. A imbecil decisão de poupar a equipe titular no jogo contra o Sport, fazendo com que o Palmeiras se afastasse da luta pela quarta ou quinta colocação no Campeonato Brasileiro fez a torcida explodir de raiva com gritos de "Time sem Vergonha", "Quarta-feira não é mais que a obrigação", além de outras baixarias...
Acontecimentos estranhos se sucederam, culminando com uma série de cinco derrotas em seis jogos, levando Jekyll à reclusão em seu escritório. A torcida começou a pedir socorro para a diretoria tomar uma atitude, averiguar o que está acontecendo, pois esse time tem um elenco melhor do que Santos, São Paulo, Ponte Preta, Internacional, Sport, além dos jogadores e a comissão técnica terem melhores condições de trabalho do que os seus adversários diretos na disputa do quarto lugar e os seus salários estão sendo pagos em dia. 
Os diretores arrombaram a porta do escritório e lá encontraram o corpo de Hyde usando as roupas de Jekyll, e junto dele uma carta revelando o mistério. Jekyll, na tentativa de separar seu lado bom dos impulsos mais sombrios, descobriu uma poção que o transformava o seu time periodicamente numa criatura sem qualquer criatividade e estrutura tática, Mr. Hyde. No início, Jekyll se deleitava com a liberdade moral que tal ser possuía, mas com o tempo, o feitiço voltava-se contra o feiticeiro, e ele perdeu o controle sobre as transformações. Essa criatura fez com que Dr. Jekyll não conseguisse ter condições de transformar o grupo de jogadores do Palmeiras em um time. Em sua cabeça passavam os seguintes dilemas:

"Será que dei sorte de ganhar 6 jogos em 7 na segunda metade do primeiro turno?"
"Será que sou bi-campeão brasileiro porque tive a sorte de achar um time e não tive adversários a altura?"
"Será que estou sendo pressionado a conseguir resultados a qualquer custo e estou fugindo das minhas convicções?"
"Agora vou escalar Girotto e Amaral juntos, sou um gênio!!!"
"Que tal priorizar a Copa do Brasil e jogar o Brasileirão só com reservas?"
"Vou usar a desculpa que o time está em formação e que não fui eu que montei o elenco."
"Porque Gabriel e Arouca se machucaram? Agora não sei mais como fazer esse time jogar, a não ser em chutão pra frente e bola aérea."

O estoque da poção está se esgotando. Ele não consegue mais obter o ingrediente certo para recriar a magia das 6 vitórias e 1 empate do primeiro turno, não há solução que demonstre que o time está evoluindo. As desculpas já não colam mais, e agora o quarto lugar no Brasileiro já não pode mais ser alcançado. A classificação para a final da Copa do Brasil, com a chance do time se classificar para a Libertadores de 2016, virou obrigação, com a torcida bradou insanamente nos minutos finais da derrota contra o Vasco.
A torcida espera que a diretoria tome as medidas corretas para que Dr. Jekyll não transforme mais seu time nesse monstro horrendo que perdeu 14 jogos em 34 no Campeonato Brasileiro, que tem uma defesa que toma em média 1,6 gols por jogo, que não apresenta nenhuma evolução desde que perdeu Gabriel e Arouca, que só chega ao gol com chutões e bolas alçadas na área.
A torcida espera que no dia 25/11 Mr Hyde seja escondido para sempre e que Dr. Jekyll consiga transformar todos os ingredientes que possui à disposição em uma poção que transforme o time do Palmeiras em um time seguro na defesa, bem posicionado no sistema defensivo, coordenado nas transições, rápido e criativo no ataque. E mais do que tudo, que jogue os 180 minutos contra o Santos com a intensidade e dedicação que se espera em uma final.
Caso o Palmeiras conquiste o título, provavelmente Mr. Hyde não irá apareça com frequência em 2016, pois se espera reforços que qualifiquem o time nas posições carentes. Mas  Dr. Jekyll sabe que se transformar o time em monstro na final da Copa do Brasil não haverá mais volta. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…