Pular para o conteúdo principal

O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde da Pompeia



Durante o jogo Palmeiras 0 x 1 Ponte Preta, os quase 29 mil Palmeirenses presentes tiveram um estranho encontro com uma figura sinistra chamada Mr. Hyde. Os Palmeirenses se preocuparam, pois, recentemente, o seu time comandado pelo respeitável treinador Dr. Jekyll, tornou Mr. Hyde o beneficiário de seu atual trabalho. 
Os torcedores do Palmeiras, após uma parada de 10 dias para aprimorar a performance do time, ficaram impressionado com a feiura de Hyde. Após a partida, durante a coletiva de imprensa, os diretores e a imprensa indagaram Dr. Jekyll sobre o que estava acontecendo, principalmente após 10 dias de treinamentos e recuperação física dos jogadores, mas ele garantia que estava  tudo sob controle e que ninguém precisava se preocupar.
Duas semanas depois o Palmeiras perdeu para o Sport Recife por 2 a 0 em pleno Pacaembu. Com mais uma derrota em casa, sabendo que uma vitória colocaria o Palmeiras em quarto lugar na classificação,  Hyde espancou a paciência e a esperança da torcida Palmeirense ao escalar um time reserva contra o bom time pernambucano, aumentando a preocupação por uma desclassificação no jogo de volta da semi-final da Copa do Brasil contra o Fluminense. 
O time vinha de uma péssima partida no jogo de ida pela Copa do Brasil. A imbecil decisão de poupar a equipe titular no jogo contra o Sport, fazendo com que o Palmeiras se afastasse da luta pela quarta ou quinta colocação no Campeonato Brasileiro fez a torcida explodir de raiva com gritos de "Time sem Vergonha", "Quarta-feira não é mais que a obrigação", além de outras baixarias...
Acontecimentos estranhos se sucederam, culminando com uma série de cinco derrotas em seis jogos, levando Jekyll à reclusão em seu escritório. A torcida começou a pedir socorro para a diretoria tomar uma atitude, averiguar o que está acontecendo, pois esse time tem um elenco melhor do que Santos, São Paulo, Ponte Preta, Internacional, Sport, além dos jogadores e a comissão técnica terem melhores condições de trabalho do que os seus adversários diretos na disputa do quarto lugar e os seus salários estão sendo pagos em dia. 
Os diretores arrombaram a porta do escritório e lá encontraram o corpo de Hyde usando as roupas de Jekyll, e junto dele uma carta revelando o mistério. Jekyll, na tentativa de separar seu lado bom dos impulsos mais sombrios, descobriu uma poção que o transformava o seu time periodicamente numa criatura sem qualquer criatividade e estrutura tática, Mr. Hyde. No início, Jekyll se deleitava com a liberdade moral que tal ser possuía, mas com o tempo, o feitiço voltava-se contra o feiticeiro, e ele perdeu o controle sobre as transformações. Essa criatura fez com que Dr. Jekyll não conseguisse ter condições de transformar o grupo de jogadores do Palmeiras em um time. Em sua cabeça passavam os seguintes dilemas:

"Será que dei sorte de ganhar 6 jogos em 7 na segunda metade do primeiro turno?"
"Será que sou bi-campeão brasileiro porque tive a sorte de achar um time e não tive adversários a altura?"
"Será que estou sendo pressionado a conseguir resultados a qualquer custo e estou fugindo das minhas convicções?"
"Agora vou escalar Girotto e Amaral juntos, sou um gênio!!!"
"Que tal priorizar a Copa do Brasil e jogar o Brasileirão só com reservas?"
"Vou usar a desculpa que o time está em formação e que não fui eu que montei o elenco."
"Porque Gabriel e Arouca se machucaram? Agora não sei mais como fazer esse time jogar, a não ser em chutão pra frente e bola aérea."

O estoque da poção está se esgotando. Ele não consegue mais obter o ingrediente certo para recriar a magia das 6 vitórias e 1 empate do primeiro turno, não há solução que demonstre que o time está evoluindo. As desculpas já não colam mais, e agora o quarto lugar no Brasileiro já não pode mais ser alcançado. A classificação para a final da Copa do Brasil, com a chance do time se classificar para a Libertadores de 2016, virou obrigação, com a torcida bradou insanamente nos minutos finais da derrota contra o Vasco.
A torcida espera que a diretoria tome as medidas corretas para que Dr. Jekyll não transforme mais seu time nesse monstro horrendo que perdeu 14 jogos em 34 no Campeonato Brasileiro, que tem uma defesa que toma em média 1,6 gols por jogo, que não apresenta nenhuma evolução desde que perdeu Gabriel e Arouca, que só chega ao gol com chutões e bolas alçadas na área.
A torcida espera que no dia 25/11 Mr Hyde seja escondido para sempre e que Dr. Jekyll consiga transformar todos os ingredientes que possui à disposição em uma poção que transforme o time do Palmeiras em um time seguro na defesa, bem posicionado no sistema defensivo, coordenado nas transições, rápido e criativo no ataque. E mais do que tudo, que jogue os 180 minutos contra o Santos com a intensidade e dedicação que se espera em uma final.
Caso o Palmeiras conquiste o título, provavelmente Mr. Hyde não irá apareça com frequência em 2016, pois se espera reforços que qualifiquem o time nas posições carentes. Mas  Dr. Jekyll sabe que se transformar o time em monstro na final da Copa do Brasil não haverá mais volta. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…