Pular para o conteúdo principal

Si se puede!!




Si se puede!
Si se puede!

Quantas vezes escutamos esses gritos vindos das arquibancadas sulamericanas em jogos do Brasil como visitante pelas eliminatórias da Copa do  Mundo? 
Um grito de esperança, mesmo que fugaz dos torcedores de Perú, Equador, Bolívia, Paraguai, buscando forças para apoiar seus jogadores em partidas onde eram teoricamente inferiores aos brasileiros.

Da mesma forma que os nossos hermanos buscam incentivar seus jogadores nas arquibancadas, creio que nós brasileiros devemos começar a criar esse mesmo espírito quando tentamos comparar o Campeonato Brasileiro com as principais ligas do mundo: Premiere League (ING), Bundesliga (ALE), La Liga (ESP) e Serie A (IT).

Ontem estive no Allianz Parque para assistir ao eletrizante derby entre Palmeiras 3 x 3 Corinthians, e apesar de sair um pouco decepcionado pelo resultado como torcedor, como amante, profissional e pesquisador do esporte o jogo foi um grande espetáculo para todos. Um produto desse nível não deve nada para nenhum Manchester United x Manchester City, Chealsea x Arsenal, Milan x Internazionale, Real Madrid x Atlético de Madrid.

Prova disso foi um comentário de um amigo italiano postado na minha timeline no Facebook:

Franco de Rienzo tagged you in a publicação.
Palmeiras - Corinthians classico Brasiliano 42 min 3-2 .... che partitone su gazzetta TV.Clasico que belo jogo ao vivo da Itália vamos Palestra!!!!!!! 




O campeonato brasileiro tem todo o potencial para ser uma das 4 principais ligas do mundo, basta vontade politica, competência, profissionalismo e credibilidade para criar uma liga fortíssima e com enorme potencial de mercado internacional.

Sustento minhas expetativas comparando o sucesso das ligas europeias com o campeonato brasileiro nos seguintes quesitos:

1) Onde existe empate entre Brasil e europeus:
  • Arenas modernas
  • Grandes clubes 
  • Torcedores apaixonados 
  • Habilidade dos jogadores 

2) Onde os europeus levam vantagem:
  • Maior número de grandes jogos
  • Maior número de jogos de bom nível técnico 
  • Alta média de público nos estádios

Nesses quesitos perdemos em quantidade, mas estamos verificando nesse campeonato de 2015 parte dos jogos e de públicos que não devem nada para os europeus.

3) Onde os europeus levam grande vantagem:
  • Menor número de jogos por temporada
  • Menor troca de treinadores durante a temporada
  • Melhor saúde financeira
  • Árbitros profissionais e independentes
  • Ligas independentes cuidando dos interesses dos clubes
  • Clubes mantendo seus elencos por mais tempo
  • Grandes ídolos
  • Marcas internacionalizadas
  • Gramados padronizados em tamanho e qualidade da grama
  • Horário das partidas de acordo com os interesses do espectador que vai ao estádio
  • Pré temporada de 30 dias
  • Parada do campeonato nacional para datas FIFA
  • Distribuição mais justa das cotas de TV
  • Sequencia máxima 4 a 5 semanas consecutivas com 2 jogos por semana
  • Maior exigência na formação dos treinadores 

Existe um movimento de uma parte de profissionais do esporte que visam diminuir essa diferença, mas a política clubística e entre federações e CBF impedem avanços mais rápidos nessa direção. Podemos comprovar essas ações conservadoras nos movimentos buscando alterar parte da essência da MP do Futebol aprovada recentemente no Congresso Nacional.

Independente desse movimento conservador, da parte dos gestores, profissionais e pesquisadores do esporte, cabe propor ideias e sugestões visando atingir níveis mais altos de qualidade e performance no futebol brasileiro.

Baseado nos comparativos anteriormente citados, proponho as seguintes premissas para que o futebol brasileiro tenha o nível do seus campeonatos cada vez mais próximo ao das grandes ligas europeias para podermos assistir em cada final de semana partidas emocionantes e de alta qualidade como o inesquecível Derby desse domingo:
  • Pré temporada de 30 dias
  • Redução do período dos estaduais para no máximo 1 mês
  • Criação do Fair Play financeiro
  • Criação da Liga Profissional do Futebol Brasileiro
  • Profissionalização e independência dos árbitros
  • Proibição da contratação de treinadores que já atuaram em outro clube na mesma temporada
  • Duas janelas de contratação durante a temporada
  • 2 semanas para participar de torneios internacionais 
  • Padronização do tamanho e da qualidade dos gramados
  • Mais jogos no sábado e domingo a tarde
  • Priorizar jogos das Copas durante a semana com horário máximo de início das partidas as 21h
  • Elevar o nível de exigência para um profissional ser um treinador de futebol

Com as premissas acima propostas, com certeza as demais vantagens que as principais ligas do mundo possuem atualmente serão alcançadas pela Liga Brasileira:
  • Menor número de jogos por temporada
  • Menor troca de treinadores durante a temporada
  • Melhor saúde financeira
  • Árbitros profissionais e independentes
  • Clubes mantendo seus elencos por mais tempo
  • Grandes ídolos
  • Marcas internacionalizadas
  • Parada do campeonato nacional para datas FIFA
  • Distribuição mais justa das cotas de TV
  • Aumento da média de público nos estádios
  • Aumento do nível técnico
  • Maior número de partidas de alta qualidade
Parafraseando a apaixonada torcida do Galo e como amante, profissional e pesquisador do esporte:

Eu acredito!
Eu acredito!

Eu acredito!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…