Pular para o conteúdo principal

A defesa é o melhor ataque?




Provavelmente vocês já estão habituados com o ditado " A melhor defesa é o ataque", mas eu quero provocar o trocadilho baseado no campeão do primeiro turno do Campeonato Brasileiro de 2015, o Corinthians.

Baseado nos dados consolidados do primeiro turno, fiz uma avaliação das estatísticas coletivas entre as 20 equipes e o que encontrei aparentemente pode desconstruir o aproveitamento do Corinthians. Normalmente quem termina na primeira posição em campeonatos de pontos corridos está entre as melhores estatísticas coletivas e individuais, como o Cruzeiro de 2014:

  • maior número de vitórias
  • melhor ataque
  • quarta melhor defesa
  • melhor média de posse de bola
  • equipe que mais chuta a gol
  • melhor média de passes certos
  • equipe com melhor recuperação de bola


Já o Corinthians, mesmo sendo a equipe com o maior número de vitórias, possui números medianos nos mesmos quesitos:

  • maior número de vitórias
  • quinto melhor ataque
  • melhor defesa
  • nona melhor média de posse de bola
  • oitavo melhor equipe que mais chuta a gol
  • quarta melhor média de passes certos
  • sétimo equipe com melhor recuperação de bola

Como é possível de se notar, são números que não sustentam uma campanha tão sólida, mas quando se observa outras ações defensivas, o Corinthians é destaque nas seguintes ações:

  • terceira melhor equipe que mais ganha divididas na defesa
  • quinta melhor equipe em desarmes, sendo a segunda melhor em desarmes com sucesso
  • quarta melhor equipe em intercepções de bola
* Dados: Summary Report (Instat Football)


Desde 2006 em 4 ocasiões a equipe com melhor defesa foi campeã mesmo não tendo o melhor ataque, fato esse que pode levar a conclusão que o Corinthians poderá ser campeão baseado em seu sólido sistema defensivo e de uma forma muito coletiva, pois individualmente poucos jogadores do Corinthians estão entre os melhores.

Baseado nas estatísticas a seleção do primeiro turno é:

Cássio (Corinthians); Wellington Silva (Fluminense), Manoel (Cruzeiro), Wallace (Flamengo) e Douglas Santos (Atlético Mineiro); Rafael Carioca (Atlético Mineiro) e Williams (Cruzeiro), Jadson (Corinthians), Lucas Lima (Santos), Alexandre Pato (São Paulo); Lucas Pratto (Atlético Mineiro).

Como conclusão é possível compreender que o Corinthians está dentro das análises estatísticas que os autores do livro " Os Números do Jogo" conseguiram comprovar estatisticamente:

- Marcar 10 gols a mais reduziu a expectativa de derrota em  1,76
- Levar 10 gols a menos reduziu o a expectativa de derrota em 2,35
- Cada gol que um time deixa de sofrer é 33% mais valioso que os gols marcados

O gráfico abaixo ilustra perfeitamente a análise e é uma quebra de paradigma que já foi comprovada e estamos vendo acontecer novamente no Campeonato Brasileiro de 2015. Veremos se no final do campeonato teremos a concretização das estatísticas.

Que venha o segundo turno.


Fonte: Os números do jogo



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…