Pular para o conteúdo principal

Campeonato Brasileiro 2015 : Análise dos maiores sucessos de público e renda



Passadas 13 rodadas do Campeonato Brasileiro 2015, chegou a hora de uma análise do desempenho dos clubes nos quesitos de público e renda. 

Por mais que os dirigentes tentem desvalorizar o campeonato, a paixão do torcedor por seu time, as novas arenas e alguns dirigentes com um pouco mais de foco no seu torcedor, estão conseguindo mostrar que, com esforço e estratégia, é possível atrair mais público aos estádios com ideias criativas. Além disso, o acaso também trouxe um fator positivo, que foi o sucesso de público do horário das 11 horas da manhã do domingo, o horário família, que demonstra uma parte da demanda reprimida que poderia se melhor aproveitada por todos os campeonatos no Brasil.

Essas pequenas ações fizeram com que, até o momento, a média de público pagante seja de 15.857 /jogo, acima da média história de 15 mil pagantes/jogo. Em 2014 a média foi de 16.595 pagantes/jogo. A taxa de ocupação também está superior, com 51% da capacidade até o momento, acima dos 40% de média histórica. Por mais que alguns clubes, como São Paulo e Atlético Mineiro, conseguiram os maiores públicos com preços reduzidos, o ticket médio está em R$ 40,90/ingresso, acima dos R$ 28,69/ingresso do ano de 2014.

Como o campeonato aparente um maior equilíbrio até o final, provavelmente mais clubes estarão disputando o título e a classificação para a Copa Libertadores, fazendo com que esses números possam permanecer no mínimo nesse patamar ou até subirem mais.

Vamos aos números mais detalhados. Os dados foram coletados do site da CBF.

As 5 maiores rendas brutas do campeonato foram do Palmeiras, o campeão de bilheteria até o momento:

1) Palmeiras x Goiás - R$ 2.410.600
2) Palmeiras x Internacional - R$ 2.355.343
3) Palmeiras x Avaí - R$ 2.405,755
4) Palmeiras x Atlético MG - R$ 2.004.965
5) Palmeiras x São Paulo - R$ 1.989.100

Os clubes com maior média de renda bruta/ jogo são:

1) Palmeiras - R$ 2.066.736
2) Corinthians -  R$ 1.366.130
3) Flamengo -  R$ 983.963
4) Atlético MG - R$ 890.966
5) Grêmio - R$ 672.787

Os 5 maiores públicos pagantes está um pouco mais divido:

1) São Paulo x Coritiba - 59.482
2) Atlético MG x Joinville - 55.987
3) Atlético MG x Sport - 50.684
4) Flamengo x Atlético MG - 42.318
5) Palmeiras x Avaí - 37.630

Os clubes com maior média de público pagante/ jogo são:

1) Palmeiras - 32.589
2) Flamengo - 29.373
3) Atlético MG - 25.646
4) Corinthians - 25.128
5) São Paulo - 21.191

Atlético MG e Palmeiras dominam as maiores taxas de ocupação:

1) Atlético MG x Joinville - 97%
2) Atlético MG x Sport - 88%
3) Atlético MG e Cruzeiro - 87%
4) Palmeiras x Goiás - 86%
4) Palmeiras x Avaí - 86%

Os clubes com maior taxa de ocupação / jogo são:

1) Palmeiras - 75%
2) Atlético MG - 66%
3) Corinthians - 57%
4) Joinville - 55%
5) Santos - 47%

Nesse quesito, Palmeiras, Corinthians se destacam , apesar do primeiro jogo do Corinthians como mandante ter sido em Araraquara. Corinthians mantém a média de taxa de ocupação próximo de 2014, que foi de 59%. Atlético MG jogou 5 jogos no Independência, que ,por ser menor, consegue uma taxa de ocupação maior, mas não se pode negar o sucesso de público nos 2 jogos disputados no Mineirão. Joinville e Santos se destacam mais por seus estádios serem menores do que pelo público, tanto que não aparecem nos primeiros lugares nem em renda nem em público. 

Quando se avalia os maiores tickets médios é possível perceber que, com exceção do Palmeiras como mandante, Cruzeiro e Vasco fazem parte da relação com os jogos que foram disputados nas arenas de Cuiabá e Brasília:

1) Cruzeiro x Corinthians - R$ 95,82
2) Vasco x São Paulo - R$ 80,57
3) Palmeiras x Goiás - R$ 69,66
4) Vasco x Flamengo - R$ 69,57
5) Palmeiras x São Paulo - R$ 68,54

Os clubes com maior ticket médio/ jogo são:

1) Palmeiras - R$ 63,52
2) Corinthians - R$ 44,49
3) Cruzeiro - R$ 46,77
4) Vasco - R$ 40,93
5) Atlético - MG R$ 37,58

Vasco e Cruzeiro estão entre os 5 principais devido aos motivo explicados acima., já o Corinthians baixou seu ticket médio em 2015, no ano passado era R$ 58,68/jogo.

Aos poucos os clubes brasileiros vão começando a entender o comportamento do torcedor no quesito comparecimento de público aos estádios, é apenas o começo, mas é possível conseguir uma maior porcentagem com bilheteria do que os atuais 11% da receita. A média dos 20 principais clubes europeus nesse quesito é de 20%. 

Estou estudando esse fenômeno no meu mestrado em Gestão do Esporte. Nas teorias que levantei é possível comprovar que, além das vitórias e melhor classificação na tabela, é possível atrair público para os estádios como o Palmeiras tem conseguido com a nova arena, com o programa sócio torcedor, ou com ações promocionais como Atlético MG e São Paulo começaram a fazer, com a compra de 1 ingresso para 2 pessoas. 

Para finalizar esse post, segue a relação das maiores médias de público por horário, onde está sendo possível perceber que existe um horário de grande sucesso, que é o das 11 horas de domingo, o horário família, atraindo para o estádio outro tipo de público. Mais um sinal que deve ser aproveitado pelos gestores dos clubes, e se caso tivéssemos o gestor da liga. A média de público por horário é a seguinte:

1) 11:00h - 27.662
2) 16:30h - 19.204
3) 18:30h - 18.539
4) 22:00h - 18.254
5) 16:00h - 14.254
6) 21:00h - 13.138
7) 19:30h - 10.930

Algumas observações sobre os horários:

- os poucos jogos aos sábados as 16:30h demonstram um outro horário potencial para atrair mais público nos estádios. Essa média foi puxada pelo jogo Flamengo x Atlético MG. Seria coincidência que os jogos da Premiere League e da Bundesliga, as duas maiores ligas em média de público e taxa de ocupação, terem a maior parte dos jogos aos sábados a tarde?

- o horário das 22h possui a média de 18.254 devido ao jogo Atlético MG x Sport com mais de 50 mil torcedores. Ao retirar esse jogo da somatória a média seria de 14.172 pagantes, na penúltima posição;

- os jogos das 21h no meio de semana possuem média de 16.998 pagantes, já os de sábado possuem média de 10.568, a pior média de público. Sendo possível perceber que esse horário no meio de semana é atrativo para o torcedor, mas no final de semana não;

- provavelmente os jogos das 19:30h possuem a pior média de público pagante devido ao retorno do trabalho e ao trânsito do horário do rush nas grandes cidades durante a semana;

- a média de publico no final de semana (15.669) e meio de semana (15.913) são muito similares. Os jogos das 21h do meio de semana puxam a média para cima, já os jogos das 21h do sábado e do domingo as 16h puxam a média para baixo no final de semana;

Como pesquisador do comportamento do consumidor esportivo espero que esses inputs possam servir como tomada de decisão na precificação dos jogos e, no futuro, os dirigentes consigam perceber os potenciais de consumo nos estádios nos horários mais adequados, alterando o status quo atual;

No final do primeiro turno trarei esse dados atualizados.








Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…