Pular para o conteúdo principal

Contra Números Não Há Argumentos




Após mais uma eliminação da Seleção Brasileira, as mesmas críticas, dúvidas e questionamentos do atual momento do futebol brasileiro vêem a tona com uma série de análises e sugestões de melhoria. Acredito que o ponto de partida deve ser o reconhecimento por parte de todos os envolvidos com o futebol no Brasil (dirigentes, jogadores, treinadores, comissão técnica , mídia, patrocinadores) de que o atual nível do futebol brasileiro está abaixo das maiores ligas do mundo.

Em 10/05/2015, o grande Paulo Vinícius Coelho escreveu uma coluna na Folha sobre o atual nível do Campeonato Brasileiro em comparação às principais ligas do mundo. Segundo ele o nível da Série A no Brasil é para ser comparada com as ligas da França, Holanda, Argentina e Portugal.

Esse comentário do PVC me deixou intrigado e como trabalho com produtos de estatística para o futebol, solicitei os dados consolidados das ligas acima citadas, além das 4 principais ligas do mundo ( Inglaterra, Alemanha, Espanha e Itália) para comparar com números consolidados o atual momento do futebol brasileiro em comparação às demais ligas do mundo. 

Os dados das ligas europeias são da recém terminada temporada 2014/2015, as ligas do Brasil e Argentina são de 2014. Além das 9 ligas mencionadas, também incluí a Liga Americana ( Major League Soccer) para comparação.

Seguem abaixo os principais dados encontrados:

Média de gols/jogo

1) Holanda - 3,08
2) Alemanha - 2,75
3) Itália - 2,69
4) Espanha - 2,65
5) EUA - 2,64
6) Inglaterra - 2,57
7) França - 2,49
8) Argentina - 2,43
9) Portugal - 2,20
10) Brasil - 2,15

Gols de Jogada Construída

1) Inglaterra - 47%
2) Espanha - 45%
3) Itália - 44%
4) Holanda - 44%
5) Portugal - 44%
6) EUA - 43%
7) França - 42%
8) Brasil - 41%
9) Alemanha - 40%
10) Argentina - 39%

Gols de Bola Parada

1) Alemanha - 35% ( maioria de falta)
2) Espanha - 33% ( maioria de escanteio)
3) França - 33% ( maioria de falta)
4) Portugal - 33% ( maioria de falta)
5) Brasil - 33% ( maioria de pênalti)
6) Inglaterra - 32% ( maioria de escanteio)
7) Itália - 31% ( maioria de escanteio)
8) Argentina - 31% ( maioria de pênalti)
9) EUA - 31% ( maioria de escanteio)
10) Holanda - 30% ( maioria de falta)

Média de ataques/ jogo

1) França - 101
2) Alemanha - 100
3) Portugal - 98
4) Espanha - 97
5) Itália - 96
6) Inglaterra - 95
7) Argentina - 94
8) Holanda - 94
9) Brasil - 92
10 EUA - 88

Média de passes certos/ jogo

1) Inglaterra - 406
2) Itália - 405
3) Alemanha - 392
4) França - 389
5) Holanda - 384
6) EUA - 380
7) Espanha- 376
8) Brasil - 374
9) Portugal - 337
10) Argentina - 334

Média de bolas perdidas / jogo

1) Argentina - 121
2) Brasil - 115
3) EUA - 115
4) Portugal - 106
5) Holanda - 102
6) França - 100
7) Alemanha - 98
8) Espanha - 94
9) Inglaterra - 92
10) Itália - 92

Média de faltas / jogo

1) Brasil - 16
2) Itália - 16
3) Portugal - 16
4) Alemanha - 14
5) Espanha - 14
6) França - 13
7) Holanda - 13
8) Argentina - 13
9) EUA - 12
10) Inglaterra - 11

Fonte: Instat Football

Contra números não há argumentos, o Campeonato Brasileiro produz poucos gols, muitos gols de bola parada, ataca pouco, acerta poucos passes, perde muitas bolas e comete muitas faltas. Com esses números, é possível comprovar com dados o nível do Campeonato Brasileiro em comparação com as principais ligas do mundo.  

O Campeonato Argentino também está no mesmo nível,  comprovando quanto o futebol sul americano está se distanciando dos demais, independente do poder aquisitivo das ligas mais ricas do mundo. O Campeonato Português também demonstra um nível inferior aos demais e a Liga Americana não está tão diferente das outras três ligas ( Brasil, Argentina, Portugal), demonstrando potencial de crescimento técnico, aumentando o nível dos jogos com os jogadores europeus que estão chegando a cada ano.

Em comparação o Campeonato Holandês e o Francês estão em um nível superior aos Campeonatos Brasileiro, Argentino e Português, o que demonstra um potencial de atração de jogadores e investidores.

 As quatro principais ligas do mundo ( Inglaterra, Alemanha, Espanha, Itália), tanto no poder aquisitivo quanto em nível técnico, estão em um nível superior às demais, pois nesses torneios as equipes fazem mais gols, principalmente de jogada construída, atacam mais, acertam mais passes, perdem menos bolas e fazem menos faltas, o que gera um campeonato mais atrativo para todos os envolvidos com o futebol.

Com esses números podemos concluir que para se buscar uma melhoria no nível técnico do Campeonato Brasileiro é possível buscar o padrão atual das quatro principais ligas do mundo,  com um campeonato com maior média de gols, principalmente de jogada construída, com maior número de ataques, mais passes certos, menos bolas perdidas e menos faltas. Esses números são possíveis de se atingir, independente do nível dos jogadores. Basta todos os envolvidos com o futebol quererem fazer as coisas necessárias para buscar essas melhorias.

Buscando a melhoria da qualidade do jogo é muito provável que os jogos serão melhores, torneios mais disputados e com mais qualidade, gerando possíveis novos ídolos, times mais fortes, atraindo mais torcedores para os estádios e aumentando a audiência nas TVs, gerando mais potenciais patrocinadores, que investiriam mais dinheiro no futebol, retroalimentando todo o ciclo. O grande beneficiado seria a seleção brasileira, com melhores jogadores e com maior potencial para voltar a ser protagonista no cenário mundial.

Para finalizar fica uma reflexão para esse momento:  O problema não é descobrir as soluções para o futebol brasileiro, mas sim  os dirigentes terem atitude para colocarem as soluções em prática. 









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…