Pular para o conteúdo principal

Contra Números Não Há Argumentos




Após mais uma eliminação da Seleção Brasileira, as mesmas críticas, dúvidas e questionamentos do atual momento do futebol brasileiro vêem a tona com uma série de análises e sugestões de melhoria. Acredito que o ponto de partida deve ser o reconhecimento por parte de todos os envolvidos com o futebol no Brasil (dirigentes, jogadores, treinadores, comissão técnica , mídia, patrocinadores) de que o atual nível do futebol brasileiro está abaixo das maiores ligas do mundo.

Em 10/05/2015, o grande Paulo Vinícius Coelho escreveu uma coluna na Folha sobre o atual nível do Campeonato Brasileiro em comparação às principais ligas do mundo. Segundo ele o nível da Série A no Brasil é para ser comparada com as ligas da França, Holanda, Argentina e Portugal.

Esse comentário do PVC me deixou intrigado e como trabalho com produtos de estatística para o futebol, solicitei os dados consolidados das ligas acima citadas, além das 4 principais ligas do mundo ( Inglaterra, Alemanha, Espanha e Itália) para comparar com números consolidados o atual momento do futebol brasileiro em comparação às demais ligas do mundo. 

Os dados das ligas europeias são da recém terminada temporada 2014/2015, as ligas do Brasil e Argentina são de 2014. Além das 9 ligas mencionadas, também incluí a Liga Americana ( Major League Soccer) para comparação.

Seguem abaixo os principais dados encontrados:

Média de gols/jogo

1) Holanda - 3,08
2) Alemanha - 2,75
3) Itália - 2,69
4) Espanha - 2,65
5) EUA - 2,64
6) Inglaterra - 2,57
7) França - 2,49
8) Argentina - 2,43
9) Portugal - 2,20
10) Brasil - 2,15

Gols de Jogada Construída

1) Inglaterra - 47%
2) Espanha - 45%
3) Itália - 44%
4) Holanda - 44%
5) Portugal - 44%
6) EUA - 43%
7) França - 42%
8) Brasil - 41%
9) Alemanha - 40%
10) Argentina - 39%

Gols de Bola Parada

1) Alemanha - 35% ( maioria de falta)
2) Espanha - 33% ( maioria de escanteio)
3) França - 33% ( maioria de falta)
4) Portugal - 33% ( maioria de falta)
5) Brasil - 33% ( maioria de pênalti)
6) Inglaterra - 32% ( maioria de escanteio)
7) Itália - 31% ( maioria de escanteio)
8) Argentina - 31% ( maioria de pênalti)
9) EUA - 31% ( maioria de escanteio)
10) Holanda - 30% ( maioria de falta)

Média de ataques/ jogo

1) França - 101
2) Alemanha - 100
3) Portugal - 98
4) Espanha - 97
5) Itália - 96
6) Inglaterra - 95
7) Argentina - 94
8) Holanda - 94
9) Brasil - 92
10 EUA - 88

Média de passes certos/ jogo

1) Inglaterra - 406
2) Itália - 405
3) Alemanha - 392
4) França - 389
5) Holanda - 384
6) EUA - 380
7) Espanha- 376
8) Brasil - 374
9) Portugal - 337
10) Argentina - 334

Média de bolas perdidas / jogo

1) Argentina - 121
2) Brasil - 115
3) EUA - 115
4) Portugal - 106
5) Holanda - 102
6) França - 100
7) Alemanha - 98
8) Espanha - 94
9) Inglaterra - 92
10) Itália - 92

Média de faltas / jogo

1) Brasil - 16
2) Itália - 16
3) Portugal - 16
4) Alemanha - 14
5) Espanha - 14
6) França - 13
7) Holanda - 13
8) Argentina - 13
9) EUA - 12
10) Inglaterra - 11

Fonte: Instat Football

Contra números não há argumentos, o Campeonato Brasileiro produz poucos gols, muitos gols de bola parada, ataca pouco, acerta poucos passes, perde muitas bolas e comete muitas faltas. Com esses números, é possível comprovar com dados o nível do Campeonato Brasileiro em comparação com as principais ligas do mundo.  

O Campeonato Argentino também está no mesmo nível,  comprovando quanto o futebol sul americano está se distanciando dos demais, independente do poder aquisitivo das ligas mais ricas do mundo. O Campeonato Português também demonstra um nível inferior aos demais e a Liga Americana não está tão diferente das outras três ligas ( Brasil, Argentina, Portugal), demonstrando potencial de crescimento técnico, aumentando o nível dos jogos com os jogadores europeus que estão chegando a cada ano.

Em comparação o Campeonato Holandês e o Francês estão em um nível superior aos Campeonatos Brasileiro, Argentino e Português, o que demonstra um potencial de atração de jogadores e investidores.

 As quatro principais ligas do mundo ( Inglaterra, Alemanha, Espanha, Itália), tanto no poder aquisitivo quanto em nível técnico, estão em um nível superior às demais, pois nesses torneios as equipes fazem mais gols, principalmente de jogada construída, atacam mais, acertam mais passes, perdem menos bolas e fazem menos faltas, o que gera um campeonato mais atrativo para todos os envolvidos com o futebol.

Com esses números podemos concluir que para se buscar uma melhoria no nível técnico do Campeonato Brasileiro é possível buscar o padrão atual das quatro principais ligas do mundo,  com um campeonato com maior média de gols, principalmente de jogada construída, com maior número de ataques, mais passes certos, menos bolas perdidas e menos faltas. Esses números são possíveis de se atingir, independente do nível dos jogadores. Basta todos os envolvidos com o futebol quererem fazer as coisas necessárias para buscar essas melhorias.

Buscando a melhoria da qualidade do jogo é muito provável que os jogos serão melhores, torneios mais disputados e com mais qualidade, gerando possíveis novos ídolos, times mais fortes, atraindo mais torcedores para os estádios e aumentando a audiência nas TVs, gerando mais potenciais patrocinadores, que investiriam mais dinheiro no futebol, retroalimentando todo o ciclo. O grande beneficiado seria a seleção brasileira, com melhores jogadores e com maior potencial para voltar a ser protagonista no cenário mundial.

Para finalizar fica uma reflexão para esse momento:  O problema não é descobrir as soluções para o futebol brasileiro, mas sim  os dirigentes terem atitude para colocarem as soluções em prática. 









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…