Pular para o conteúdo principal

Planejamento e Avaliação de Performance



Normalmente o torcedor começa acompanhando o Campeonato Brasileiro da mesma forma que os dirigentes em geral o tratam, de uma forma morna, como um clima de ressaca pós finais dos estaduais, devido a falta de promoção e cuidado em tratar o maior campeonato do país do jeito que deveria ser. 

Em geral os dirigentes dos clubes  também o tratam da mesma forma, como os clubes ainda procurando reforços, outros focando na Libertadores, com um discurso geral de que o campeonato é longo, tem muitos jogos pela frente, etc. A imprensa parece que também vai na mesma linha, ao invés de questionar por que os elencos e equipes não estão montadas adequadamente para ter uma boa performance desde as primeiras rodadas, o que repercute na forma como o torcedor também encara as primeiras rodadas do torneio.

Com times ainda em formação, com jogadores machucados, outros com foco na Libertadores ou com times mistos, além da falta de grandes atrações e os clubes aguardando mais reforços, o público nos estádios e a audiência em geral são muito menores do que deveriam ser para um torneio tão importante como o campeonato brasileiro.

Caso eu fosse o gestor de um time que está disputando um campeonato de pontos corridos com 38 rodadas, de acordo com os recursos disponíveis e dentro de uma responsabilidade financeira, seria traçado um cenário visando montar uma elenco desde o início da temporada já com uma meta pré estabelecida para o campeonato nacional, e só traria posteriormente reforços pontuais em posições necessárias para montar o elenco. Essa meta  curto prazo faria parte de uma estratégia de médio e longo prazo, de acordo com a visão e missão da organização esportiva.

Com o elenco montado de acordo com as metas estabelecidas, não iria para o discurso comum mencionado acima e desde a primeira rodada o meu time iria focado nos melhores resultados possíveis, pois a maioria dos clubes seguem falhando nesse planejamento, e buscaria posicionar minha equipe dentro da meta ou até acima visando vôos maiores ou ter uma gordura para queimar nos momentos de oscilação durante o campeonato.

Baseado nessas observações convido o torcedor a fazer juntamente comigo um acompanhamento desde a primeira rodada da performance do seu time, para buscar uma avaliação mais consciente possível da performance x expectativa esperada.

Para esse exercício sugiro a seguinte segmentação de forças baseado no elenco e performance atual e potencial. Questões financeiras e de arrecadação não serão consideradas, pois alguns clubes mesmo com situação financeira complicada foram campeões estaduais ou estão/ estavam disputando a Copa Liberadores da América até a semana passada:

Categoria A -  equipes que se classificaram para a Liberadores 2015, mantiveram e/ou reforçaram seus elencos, estão com rendimento superior a média dos 20 clubes da Séria A:
Internacional, Cruzeiro, Atlético Mineiro, Corinthians.

Categoria B - equipes com boa performance nos estaduais 2015, reforçaram seus elencos, equipes que se classificaram para a Libertadores 2015 mas tiveram queda de rendimento em 2015:
Grêmio, Palmeiras, Santos, São Paulo, Flamengo, Vasco

Categoria C - demais equipes que disputam o torneio e que a princípio devem ser coadjuvantes ou brigar para não serem rebaixadas no final do ano:
Fluminense, Avaí, Figueirense, Criciúma, Joinville, Chapecoense, Ponte Preta, Goiás, Sport, Atlético Paranaense e Coritiba.

Baseado nas 3 categorias sugiro o seguinte aproveitamento de pontos:

Categoria A x Categoria A - 50% de aproveitamento ( 9 pontos)
Categoria A x Categoria B - 75% de aproveitamento (27 pontos)
Categoria A x Categoria C - 75% de aproveitamento (50 pontos)
Categoria B x Categoria A - 25% de aproveitamento (6 pontos)
Categoria B x Categoria B - 50% de aproveitamento ( 15 pontos)
Categoria B x Categoria C - 75% de aproveitamento ( 50 pontos)
Categoria C x Categoria A - 25% de aproveitamento ( 6 pontos)
Categoria C x Categoria B - 25% de aproveitamento ( 9 pontos)
Categoria C x Categoria C - 50% de aproveitamento ( 33 pontos)

Se as equipes da categoria A atingirem as metas todas estariam classificadas para a Libertadores 2015, mas sabemos que muito provavelmente não deveremos ter essa performance no final das 38 rodadas. Conforme escrito no último post, o aproveitamento para ser campeão, atingir o G4 e não ser rebaixado vai depender basicamente de como as equipes das 3 categorias vão conseguir de performance de acordo com a sugestão acima.

Fica claro que para quem quer buscar o título e o G4 o aproveitamento sobre os times da categoria C são fundamentais, e quem não fizer 50 pontos sobre os times dessa categoria vai ter dificuldades em buscar uma boa classificação no final do torneio. Além disso o primeiro turno é fundamental para uma melhor posição final na tabela, pois nos últimos torneios quem terminou o primeiro turno no G4 ou no Z4 permanece na mesma zona de classificação em 75% das vezes, devido ao aproveitamento de pontos geralmente é maior no primeiro do que no segundo turno.

Após 10 rodadas pretendo fazer uma primeira avaliação da performance e cruzar com a meta estipulada e, ao final do primeiro turno, já com as equipes segmentadas, talvez seja necessário alterar a classificação dos times em suas respectivas categorias para evitar distorções.

O que pretendo com essa proposta é que o torcedor, tirando o seu lado emocional, compreenda que muitas vezes um empate em casa, dependendo da categoria do adversário, não é um mal resultado, desde que o clube esteja pontuando dentro do previsto nas demais categorias, bem como um empate fora de casa não deveria ser tão comemorado, dentro da mesma linha de raciocínio.

É óbvio que na prática teremos algumas distorções no modelo proposto, mas o que gostaria de salientar é que, principalmente como gestor, mas também como um torcedor consciente, proponho que fiquemos atentos aos discursos comuns de todo início de campeonato e que no final, provavelmente iremos constatar que muitos clubes perderão oportunidades de melhores resultados exatamente por que não foi feito esse planejamento no início do ano e desta forma poderemos avaliar a gestão da performance da equipe de uma forma mais consciente e mensurável.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…