Pular para o conteúdo principal

Planejamento e Avaliação de Performance



Normalmente o torcedor começa acompanhando o Campeonato Brasileiro da mesma forma que os dirigentes em geral o tratam, de uma forma morna, como um clima de ressaca pós finais dos estaduais, devido a falta de promoção e cuidado em tratar o maior campeonato do país do jeito que deveria ser. 

Em geral os dirigentes dos clubes  também o tratam da mesma forma, como os clubes ainda procurando reforços, outros focando na Libertadores, com um discurso geral de que o campeonato é longo, tem muitos jogos pela frente, etc. A imprensa parece que também vai na mesma linha, ao invés de questionar por que os elencos e equipes não estão montadas adequadamente para ter uma boa performance desde as primeiras rodadas, o que repercute na forma como o torcedor também encara as primeiras rodadas do torneio.

Com times ainda em formação, com jogadores machucados, outros com foco na Libertadores ou com times mistos, além da falta de grandes atrações e os clubes aguardando mais reforços, o público nos estádios e a audiência em geral são muito menores do que deveriam ser para um torneio tão importante como o campeonato brasileiro.

Caso eu fosse o gestor de um time que está disputando um campeonato de pontos corridos com 38 rodadas, de acordo com os recursos disponíveis e dentro de uma responsabilidade financeira, seria traçado um cenário visando montar uma elenco desde o início da temporada já com uma meta pré estabelecida para o campeonato nacional, e só traria posteriormente reforços pontuais em posições necessárias para montar o elenco. Essa meta  curto prazo faria parte de uma estratégia de médio e longo prazo, de acordo com a visão e missão da organização esportiva.

Com o elenco montado de acordo com as metas estabelecidas, não iria para o discurso comum mencionado acima e desde a primeira rodada o meu time iria focado nos melhores resultados possíveis, pois a maioria dos clubes seguem falhando nesse planejamento, e buscaria posicionar minha equipe dentro da meta ou até acima visando vôos maiores ou ter uma gordura para queimar nos momentos de oscilação durante o campeonato.

Baseado nessas observações convido o torcedor a fazer juntamente comigo um acompanhamento desde a primeira rodada da performance do seu time, para buscar uma avaliação mais consciente possível da performance x expectativa esperada.

Para esse exercício sugiro a seguinte segmentação de forças baseado no elenco e performance atual e potencial. Questões financeiras e de arrecadação não serão consideradas, pois alguns clubes mesmo com situação financeira complicada foram campeões estaduais ou estão/ estavam disputando a Copa Liberadores da América até a semana passada:

Categoria A -  equipes que se classificaram para a Liberadores 2015, mantiveram e/ou reforçaram seus elencos, estão com rendimento superior a média dos 20 clubes da Séria A:
Internacional, Cruzeiro, Atlético Mineiro, Corinthians.

Categoria B - equipes com boa performance nos estaduais 2015, reforçaram seus elencos, equipes que se classificaram para a Libertadores 2015 mas tiveram queda de rendimento em 2015:
Grêmio, Palmeiras, Santos, São Paulo, Flamengo, Vasco

Categoria C - demais equipes que disputam o torneio e que a princípio devem ser coadjuvantes ou brigar para não serem rebaixadas no final do ano:
Fluminense, Avaí, Figueirense, Criciúma, Joinville, Chapecoense, Ponte Preta, Goiás, Sport, Atlético Paranaense e Coritiba.

Baseado nas 3 categorias sugiro o seguinte aproveitamento de pontos:

Categoria A x Categoria A - 50% de aproveitamento ( 9 pontos)
Categoria A x Categoria B - 75% de aproveitamento (27 pontos)
Categoria A x Categoria C - 75% de aproveitamento (50 pontos)
Categoria B x Categoria A - 25% de aproveitamento (6 pontos)
Categoria B x Categoria B - 50% de aproveitamento ( 15 pontos)
Categoria B x Categoria C - 75% de aproveitamento ( 50 pontos)
Categoria C x Categoria A - 25% de aproveitamento ( 6 pontos)
Categoria C x Categoria B - 25% de aproveitamento ( 9 pontos)
Categoria C x Categoria C - 50% de aproveitamento ( 33 pontos)

Se as equipes da categoria A atingirem as metas todas estariam classificadas para a Libertadores 2015, mas sabemos que muito provavelmente não deveremos ter essa performance no final das 38 rodadas. Conforme escrito no último post, o aproveitamento para ser campeão, atingir o G4 e não ser rebaixado vai depender basicamente de como as equipes das 3 categorias vão conseguir de performance de acordo com a sugestão acima.

Fica claro que para quem quer buscar o título e o G4 o aproveitamento sobre os times da categoria C são fundamentais, e quem não fizer 50 pontos sobre os times dessa categoria vai ter dificuldades em buscar uma boa classificação no final do torneio. Além disso o primeiro turno é fundamental para uma melhor posição final na tabela, pois nos últimos torneios quem terminou o primeiro turno no G4 ou no Z4 permanece na mesma zona de classificação em 75% das vezes, devido ao aproveitamento de pontos geralmente é maior no primeiro do que no segundo turno.

Após 10 rodadas pretendo fazer uma primeira avaliação da performance e cruzar com a meta estipulada e, ao final do primeiro turno, já com as equipes segmentadas, talvez seja necessário alterar a classificação dos times em suas respectivas categorias para evitar distorções.

O que pretendo com essa proposta é que o torcedor, tirando o seu lado emocional, compreenda que muitas vezes um empate em casa, dependendo da categoria do adversário, não é um mal resultado, desde que o clube esteja pontuando dentro do previsto nas demais categorias, bem como um empate fora de casa não deveria ser tão comemorado, dentro da mesma linha de raciocínio.

É óbvio que na prática teremos algumas distorções no modelo proposto, mas o que gostaria de salientar é que, principalmente como gestor, mas também como um torcedor consciente, proponho que fiquemos atentos aos discursos comuns de todo início de campeonato e que no final, provavelmente iremos constatar que muitos clubes perderão oportunidades de melhores resultados exatamente por que não foi feito esse planejamento no início do ano e desta forma poderemos avaliar a gestão da performance da equipe de uma forma mais consciente e mensurável.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…