Pular para o conteúdo principal

Os Chefs




De acordo com o wikipédia Chef é o indivíduo que elabora os pratos e organiza toda a cozinha do restaurante além de supervisionar os serviços dos cozinheiros, planejando cardápios e elaborando o pré-preparo, o preparo e a finalização de alimentos, observando métodos de cocção e padrões de qualidade dos alimentos. 

A equipe de um restaurante ou uma cozinha industrial é formada por uma brigada de profissionais em que cada um tem sua tarefa bem definida dentro de sua especialidade, todos comandados pelo chef: souschef, saucier, chef deartier, boucher, entremétier, garde-manger, légumier, pâtissier, poissonier, potagier, rôtisseur, trancheur, tornant.

O Guia Michelin é o mais respeitado do mundo e premia os melhores restaurantes classificando-os com estrelas (de 1 a 3) e que representam o sonho ou o pesadelo de qualquer chef. Ganhar uma estrela do guia significa a ascensão do restaurante e de seus chefs ao passo que perder uma delas pode levar até a uma tragédia como a do chef Bernard Loiseau que se suicidou em fevereiro de 2003, com um tiro na cabeça aos 52 anos, desesperado com o rumor de que seu estabelecimento perderia a classificação de “três estrelas” no Guia Michelin.

Após a triste inauguração do Allianz Parque na última quarta feira dia 19, tenho comentado com alguns amigos que a gestão atual geriu o clube como se fosse um restaurante que já foi 3 estrelas e acabou de reformular todo o estabelecimento, mas esqueceu de trazer um chef e uma equipe de acordo com as novas instalações e, consequentemente, o menu ficou muito abaixo das expectativas devido a falta de recursos.

Como o Palmeiras está a uma semana das eleições para presidente, a primeira que será efetuada pelo voto dos sócios, convido o eleitor Palmeirense a se transformar por alguns minutos em um dos editores do Guia Michelin e avaliar o nível dos chefs que são candidatos ao cargo, neste momento crucial dos destinos que queremos para o Palmeiras para as próximas décadas.

A marca Palmeiras é uma marca que já foi 3 estrelas e seus Chefs foram os que mais vezes ficaram com as 3 estrelas, transformando o clube no melhor restaurante do século XX. Devido a uma mudança drástica na gestão, estatuto atrasado e conservador, que dificulta arejar as ideias dentro do conselho e da presidência, o clube foi rebaixado duas vezes nos últimos dez anos, transformando-se hoje em um restaurante 1 estrela, correndo o risco de ser rebaixado pela terceira vez em 2014.

Vamos considerar que temos 3 tipos de chefs:


o chef 1 estrela - não inova por ser limitado, se acostuma a produzir seus pratos com o que tem disponível, lamenta a falta de recursos, procura trabalhar sempre com o que tem em caixa e não ousa na gestão dos recursos. Por se limitar nos recursos disponíveis, não cria, não tem novas ideias nem novos pratos. Sua equipe é reduzida e de baixa qualidade. Muitas vezes até tenta trazer algumas ideias e recursos para tentar atrair mais clientes, gastando mais do que pode, mas por não ter competência na gestão, frustra seus clientes por não entregar o que prometeu, aumentando mais ainda as dívidas e afastando potenciais profissionais para sua cozinha. Muitas vezes tem atitudes duvidosas em termos de condutas e procedimentos.



O Chef 2 estrelas - sabe trabalhar com recursos limitados por ser criativo e ousado, produzindo pratos de boa qualidade, surpreendendo seus clientes com sua criatividade. Mesmo com recursos limitados, procura novas ideias, ousando e errando bastante, e mesmo não sendo considerado um chef 3 estrelas, é percebido com bons olhos pela crítica. Consegue fazer parcerias com fornecedores exclusivos, trazendo vantagens competitivas que geram pratos exclusivos. Como não tem recursos em abundância, a crítica reconhece seus esforços e excelente trabalho, mas tanto o Chef como os críticos sabem que pode até ser premiado por alguns pratos e serviços, mas não consegue atingir 3 estrelas devido aos recursos disponíveis. Muitos profissionais são atraídos para trabalhar com o Chef, devido sua criatividade, mas após algum tempo, saem para vôos mais altos na carreira.



O CHEF 3 estrelas (Top Chef) - ousado, genial, surpreendente e inovador. Trabalha com maestria com todos os recursos disponíveis, conseguindo ir além em termos dos pratos desenvolvidos. Um eterno impaciente, sempre buscando se superar, e também tira o máximo de sua equipe, sendo muito exigente com todos. Altamente reconhecido no mercado, recebe sempre propostas para mudar de restaurante, mas devido à todas as condições das instalações e recursos, sabe que pode perder o nível 3 estrelas e sua reputação, se deixar o restaurante. Reconhecido em nível internacional, sempre conquista prêmios e sua produção é sempre surpreendente e de altíssima qualidade.

O Palmeiras se transformou em uma grande marca devido ter vários Top Chefs como: Conde Eduardo Matarazzo, Italo Adami, João Minervino, Enrico De Martino, Ferrúcio Sandoli, Paschoal Giuliano, Delfino Facchina durante seu primeiro centenário, mas recentemente, devido ao estatuto e ao modus operandi da política do clube, chefs 1 estrela estão se alternando no comando da cozinha, acarretando no cenário atual.

Os dois candidatos a chef parecem ser da mesma linha 1 estrela. Produzir chefs 1 estrela se transformou em uma linha de produção em série dentro do Palmeiras e as condições atuais não permitem que Top Chefs possam surgir para fazer com que a marca Palmeiras volte ao nível 3 estrelas em curto prazo.

A pergunta que faço a todos os Palmeirenses e que gostaria que todos reflitam é:

O que estamos fazendo para mudar o cenário atual e poder  revelar Top Chefs?

O destino dos 2 próximos anos do Palmeiras começa a ser definido a partir do jogo deste domingo em Coritiba. O resultado da partida vai ter um grande impacto na eleição da semana que vem.

Espero que os eleitores pensem muito bem em qual dos dois chefs deve ser o escolhido para tentar mudar o atual cenário. Independente do chef vencedor, espero que ele tenha auto crítica suficiente para perceber que não é Top Chef, e que trabalhe para permitir que, num futuro próximo, o Palmeiras possa voltar ter condições de revelar Chefs 2 e 3 estrelas novamente no comando, e recuperar o status do século XX.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…