Pular para o conteúdo principal

Os números do Primeiro Turno do Campeonato Brasileiro - Parte 2



Durante a semana recebi o relatório consolidado dos dados estatísticos do primeiro turno do Campeonato Brasileiro e, para consolidar os números, vamos comparar os clubes que estão no G4 e os clubes que estão no Z4 para avaliarmos as principais diferenças:

Os times que estão no G4:

- fazem mais gols de jogada construída
- fazem mais gols até os 15 minutos de jogo 
- fazem mais gols após os 35 minutos do segundo tempo
- têm média acima de 50% de posse de bola/partida
- têm maior média de chute a gol/partida
- têm em média 83% de passes certos/partida
- têm médias menores divididas ganhas/partida

Os times que estão no Z4 :

- fazem mais gols de bola parada
- fazem menos gols até os 15 minutos de jogo 
- fazem menos gols após os 35 minutos do segundo tempo
- têm média abaixo de 50% de posse de bola/partida
- têm menor média de chute a gol/partida
- têm em média 79% de passes certos/ partida
- tem médias maiores de divididas ganhas/partida

A seleção do primeiro turno, baseado nos dados estatísticos, é a seguinte :

Marcelo Grohe (GRE); Fagner (COR), Gil (COR), Dedé (CRU) e  Fabrício (INT); Ralf (COR) e Willians (INT); Ewerton Ribeiro (CRU), Ganso (SAO) e Wagner (FLU); Marcelo Moreno (CRU).

* Fonte: Instat Football

Os números mostram que os times melhores classificados possuem maior performance em quesitos que exigem maior qualidade técnica, precisão e intensidade de jogo do que os que estão na parte de baixo da tabela. 

Como consequência a seleção dos melhores jogadores em termos estatísticos demonstram que os jogadores que possuem melhor performance em suas posições são dos time que estão melhores classificados na tabela.

Referente ao público e renda, vamos aos números consolidados do primeiro turno:

Média de Renda: R$ 462 mil/jogo
Média de Público Pagante: 15.384/jogo
Média de Taxa de Ocupação ( Público Pagante): 37%
Média de Ticket Médio: R$ 27,78

Melhores Renda:

1) Corinthians : R$ 19 milhões (R$ 1.9 milhões / jogo)
2) Flamengo: R$ 9 milhões (R$ 900 mil / jogo)
3) Internacional : R$ 8 milhões (R$ 800 mil / jogo)

Melhores Públicos Pagantes:

1) Corinthians: 296 mil (29.6 mil/ jogo)
2) São Paulo: 295 mil ( 29.5 mil/jogo)
3) Flamengo: 244 mil ( 24 mil/jogo)

Melhor Taxa de Ocupação:

1) Corinthians 72%
2) Criciúma 55%
3) São Paulo 49%

Melhor Ticket Médio:

1) Corinthians : R$ 60,14
2) Atlético PR : R$ 44,29
3) Palmeiras : R$ 36,98

Os dados demonstram que houve uma melhoria após a Copa do Mundo. Essa melhoria pode ter vários fatores como o efeito pós Copa, melhores jogos e alguns clubes como Flamengo reduzindo valor do ingresso. 

A taxa de ocupação continua sendo um grande desafio, pois ainda temos em média 67% de ociosidade nos estádios. Os fatores que influenciam nesses dados precisam ser avaliados com maior profundidade.

O grande destaque nesse quesito é o Corinthians, líder em todos os quesitos, principalmente no faturamento bruto total, com um valor que é a soma do segundo e terceiro melhores times. Até o momento estão aproveitando muito bem o seu novo estádio, mas temos que avaliar se essa situação é sustentável a médio e longo prazo. 

Diferentemente do Corinthians, São Paulo e Flamengo são respectivamente o segundo e terceiro em público devido a estratégia de preços baixos, tanto que nem aparecem entre os três melhores em termos de ticket médio. Essa estratégia de preços baixos também precisa ser melhor avaliada em termos de sustentabilidade em curto e médio prazo.

Os dados comprovam que performance técnica e financeira estão muito ligados, e é um quesito fundamental para gerar e aumentar receitas em níveis sustentáveis. O risco de equipes que adotam uma postura mais cautelosa em termos de gastos com contratação e salário de jogadores é louvável em curto prazo, mas se não houver a perspectiva de aumento de receitas para atrair melhores jogadores, corre-se um grande risco de que a diferença em termos de faturamento e performance técnica aumente de uma forma que pode não ser possível recuperar a diferença nos próximos anos.

Em um cenário em que o negócio futebol exige altos investimentos financeiros, para se obter melhores resultados técnicos as estratégias dos clubes brasileiros precisam ser muito bem avaliadas pensando em termos de protagonismo e aumento de receitas em médio e longo prazo.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…