Pular para o conteúdo principal

Os números da Copa 2014




Finalizando o tema Copa do Mundo, vamos aos destaques estatísticos:

- Total de Gols - 171, igualando a Copa de 1998, que foi a primeira a ser disputada com 32 seleções.

- Média gols de 2,67 gols/partida

- Resultados mais comuns:  1) 2 x 1 (13 jogos), 2)  0 x 0 (11 jogos), 3) 1 x 0 (10 jogos)

- Resultados com no máximo 1 gol / partida foram 33% do total

- Resultados com dois gols / partida foram 12% do total

- Resultados com três gols / partida foram 33% do total

- Contrariando a média da Copa de 2010, que em 16% dos jogos tivemos 4 ou mais gols, a Copa de 2014 teve 26% dos jogos , num total de 17 jogos com esse tipo de resultado.

- Repetindo 2010, houve apenas uma virada na fase eliminatória, no jogo Holanda 2 x 1 México pelas oitavas de final

- A Argentina, quase repetiu a Espanha, que em 2010 não tomou nenhum gol na fase eliminatória e foi a Campeã. Por alguns minutos a Argentina não repetiu o êxito.

- 42% dos gols foram de jogadas construídas, 29% dos gols de bola parada e 26% de jogadas de contra ataque.

- 58% dos gols saíram no segundo tempo, sendo que 25% dos gols saíram após os 35 minutos do segundo tempo


Os destaques por seleção foram:

- Melhor ataque: Alemanha (18 gols)

- Melhor defesa : Costa Rica (2 gols)

- Alemanha e Argentina foram as seleções que fizeram mais gols nos primeiros 15 minutos ( 3 gols cada um)

- Holanda foi a seleção que mais fez gols nos últimos 15 minutos de jogo ( 6 gols)

- Alemanha foi a seleção que mais fez gols em jogada construída (9 gols)

- Holanda foi a seleção que mais fez gols de contra ataque ( 6 gols)

- Alemanha e Colômbia foram as seleções que mais fizeram gols de bola parada ( 6 gols cada um)

- Seleção com maior média de posse de bola : Alemanha ( 35 minutos/partida)

- Seleção com maior número de chutes a gol por partida : Gana ( 19/ partida)

- Seleção com maior número de passes por partida: Alemanha ( 778 / partida - 86% precisos)

- Seleção com maior número de passes chaves: Alemanha ( 22/ partida - 56% precisos)

- Seleção com maior número de divididas ganhas : Bélgica ( 179 / partida - 55% precisas)

- Seleção que mais recuperou bola  : Gana (71 / partida )

* Fonte: Instat Football


Os destaques individuais por ação em campo foram:

- Artilheiro : James Rodrigues (Colômbia) com 6 gols

- Assistência - Cuadrado (Colômbia) com 5 assistências

- Jogador que mais chutou ao gol : Benzema (França)  com 31 chutes e 48% corretos

- Jogador com mais passes precisos : Kroos (Alemanha)  com 647 passes e 89% corretos

- Jogador com maior número de passes perigosos: Muller (Alemanha) com 32 passes sendo 66% corretos

- Jogador que mais ganhou dividas : De Vrij (Holanda) com 116 divididas 

- Jogador com maior recuperação de bola: Mascherano (Argentina) com 64 recuperações

- Jogador com maior número de chutes certeiros: Messi (Argentina)  64 chutes

- Jogador que mais tomou a bola do adversário : Mascherano (Argentina) com 38 recuperações

* Fonte: Instat Football

Cada vez mais fica claro que os números do jogo não são apenas dados estatísticos, mas sim demonstram que os melhores em cada ação são geralmente as seleções que mais conseguem os melhores resultados, tanto coletiva como individualmente.

Em nenhum quesito apareceu a seleção do Brasil como destaque, comprovando em números a baixa performance em campo.

Como havia mencionado no início da Copa e também baseado na última Copa do Mundo, a previsão para os quatro semi finalistas seriam os dois melhores ataques, a melhor defesa e uma equipe que mesmo com resultados inferiores, devido aos cruzamentos poderia seguir adiante.

A Alemanha e Holanda foram os dois melhores ataques, a Argentina foi uma das melhores defesas, tanto que não tomou nenhum gol na fase eliminatória, apenas na prorrogação e o Brasil foi a seleção que só chegou na semi final devido ao cruzamento com a Colômbia nas quartas de final.

Para fechar o tema, baseado no Relatório do Valor das Seleções realizado pela Pluri Consultoria em parceria com o jornal Valor Econômico, vamos ver quanto valeu cada vitória, gol e pontos das quatro semifinalistas:

Valor de mercado dos jogadores da  Alemanha  R$ 1.76 bi
Valor de mercado dos jogadores do Brasil          R$ 1.6 bi
Valor de mercado dos jogadores da  Argentina   R$ 1.3 bi
Valor de mercado dos jogadores da  Holanda     R$ 667 mi

Vitória - Considerando prorrogação e disputa em pênaltis:
Brasil -        R$ 400 milhões/ vitória
Alemanha - R$ 293 milhões / vitória
Argentina -  R$ 216 milhões/ vitória
Holanda -    R$ 111 milhões/vitória

Pontos - Considerando apenas os 90 minutos:
Brasil -        R$ 145 milhões / ponto
Alemanha - R$ 117 milhões  / ponto
Argentina - R$   87 milhões / ponto
Holanda -   R$  39 milhões / ponto

Gols - Considerando prorrogação 
Argentina - R$ 162 milhões/ gol
Brasil -       R$ 145 milhões/ gol
Alemanha - R$  98 milhões/gol
Holanda -   R$  44 milhões/gol

Os números demonstram que a Holanda foi a seleção que mais conseguiu diluir seu valor de mercado por vitória, pontos e gols marcados, enquanto o Brasil foi o que menos conseguiu êxito nesse quesito.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…