Pular para o conteúdo principal

A Copa da Primeira Vez



Mesmo com uma semana após a grande final, ainda temos tempo para falar da Copa que recém encerrada no dia 13/7. Não foi a Copa das Copas, mas com certeza essa Copa vai ser marcada como:

- A Copa da Emoção : com vários jogos decididos até o último minuto, muito equilíbrio entre as equipes, incerteza do resultado final e vários empates de 0 x 0 emocionantes.

- A Copa dos Goleiros : várias atuações magistrais dos goleiros durante a copa como Howard dos Estados Unidos, Navas da Costa Rica, Ochoa do México, M`Bolhi da Argélia, Enyema da Nigéria, Neuer da Alemanha.

- A Derrota das Derrotas : a seleção brasileira sofreu a maior derrota da sua história centenária. Para os desavisados que acreditavam nas ladainhas e ufanismos da TV oficial da CBF imaginavam que o hexa estava garantido, mas ficaram atônitos, como a cara da brasileira estampada no telão após o terceiro gol da avalanche alemã.

No final das contas, considero que esta Copa vai ficar para a história como a Copa da Primeira Vez pelos seguintes fatos:

- Mondragon, goleiro da Colômbia, é agora o primeiro jogador a jogar uma Copa do Mundo aos 43 anos de idade

- Mirolslav Klose, atacante da Alemanha, é agora o primeiro jogador a fazer 16 gols em Copas do Mundo

- Alemanha 7 x 1 Brasil foi o maior placar em todas as semi finais da história

- Pela primeira vez uma seleção, Brasil, sofreu 5 gols no primeiro tempo e até os 30 minutos

- Pela primeira vez uma seleção, Brasil, sofreu 14 gols em um mundial

- A primeira vez que uma semi final é decidida nos pênaltis

- A primeira vez que um jogador reserva fez o gol que decidiu o título mundial, Mario Gotze da Alemanha

- Pela primeira vez três Copas seguidas foram vencidas por países do mesmo continente

- Pela primeira vez um país europeu venceu uma Copa nas Américas

Depois de 1982, considero que a Copa do Mundo de 2014 foi a melhor que eu vi, resgatando as mesmas emoções que eu sentia há 32 anos, vibrando a cada jogo como um garoto de 13 anos.



Além de tudo isso, foi a primeira vez que eu assisti a um jogo de Copa do Mundo no estádio. Após quase um ano tentando comprar ingresso no site da FIFA sem sucesso, tive o prazer de assistir a semi final entre Argentina e Holanda em São Paulo.

Inesquecível esse momento que só quem é apaixonado por futebol sabe quanto é  emocionante esse momento.

Que venham as próximas Copas, essa grande festa do futebol onde heróis se transforam em vilões, o fraco supera o forte, o coadjuvante se transforma em protagonista e quem ganha sempre com isso é o futebol.

Essa Copa foi uma grande celebração desse jogo mágico que me encanta cada vez mais e vai ficar marcada para sempre.

" Futebol não é uma questão de vida ou morte, eu posso assegurar que futebol é muito, muito mais importante"
Bill Shankly - Ex Manager do Liverpool


Comentários

  1. Bom, Marcelo! Tem de falar por muito tempo... essa história de que já passou uma semana é coisa desses tempos frenéticos e tecnológicos! O tempo deve e pode ser apreciado... devagar, gostosamente, sentindo as emoções como você sentiu! Bom, Marcelo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…