Pular para o conteúdo principal

Que país é esse?



Em 1988 eu estava no famoso show da Legião Urbana no Ginásio do Ibirapuera em São Paulo. O álbum Que país é esse? era uma febre nacional e eu era um dos milhares que curtiam as letras de Renato Russo.

Como todo show, aquela tensão pré show aumentava a cada minuto até o apagar das luzes e os primeiros acordes surgirem. Renato Russo era muito bom band leader e tinha muito carisma no palco. Mal começou o show e Renato Russo bradou ao microfone:

- Para tudo!! Acabaram de atirar uma garrafa no Bonfá. Isso é vidro, isso mata! Boa noite São Paulo!!

O anti clímax se espalhou pelo ginásio, como um sentimento aflorado que deve ser reprimido a força. A frustração e incredulidade era notória na cara e no coração de cada pessoa presente no ginásio.

Depois de mais de meia hora, sem saber o que aconteceria, eis que a Legião Urbana voltou ao palco, primeiramente com as luzes todas acesas e, com o clima de confraternização voltando, as luzes se apagaram após o pedido do próprio Renato Russo. 

E o show continuou, para mais uma noite de devoção à Legião Urbana, com seu seus hits Que País é Esse? e a célebre Faroeste Caboclo.

E o que tem a ver um show da Legião Urbana de 1988 com este post?


Há 26 anos o ginásio estava lotado para ver uma grande banda que , mesmo após o incidente no início do show, ficou lá aguardando o desfecho, para gritar de forma visceral o refrão do momento:


- Que País é Esse? - cantava Renato Russo.

- É a porra do Brasil!!! - respondia a platéia .




Ao ler os últimos relatórios da Pluri Consultoria sobre a média de público e renda no futebol brasileiro em 2013, automaticamente me veio o sentimento daquele refrão.

Para quem não teve acesso às informações do relatório, seguem os principais pontos:

- 11 estados são responsáveis por 90% do público e renda de todo o futebol brasileiro

- apenas 12 dos 27 estados tiveram média de público acima da média brasileira, que é de 4.672 torcedores/jogo

- 9 dos 27 estados (33%) tiveram média de público inferior a 1.000 torcedores/jogo

- Os 3 estados com maior público total, Pernambuco, Minas Gerais e São Paulo,  tiveram 40% do público total, com 7.3 milhões de pessoas

- 7 dos 27 estados tiveram renda superior à media brasileira, que foi de R$ 121 mil /jogo

- 12 dos 27 estados tiveram renda inferior a R$ 20 mil/jogo

- Os 3 estados com maior arrecadação total, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, tiveram 52% de toda a renda total arrecadada, R$ 245,7 milhões

- O total de público nos estádios em 2013, 18.4 milhões, correspondem a 9.1% da população do Brasil

- 22 cidades representam 79% de todo o público que foi aos estádios no Brasil em 2013 

- Em apenas em 3,9% das cidades do Brasil ( 217)  tivemos partidas de futebol profissional em 2013

- A taxa de ocupação dos estádios brasileiros é de 26%

- Os torneios internacionais ( Libertadores, Recopa, Sul-Americana) lideram  o ranking com 60% de taxa de ocupação, seguido pela Copa do Nordeste com 39%, os Nacionais Séries A a D com 32% e em último os Estaduais com 21%

- O Campeonato Brasileiro da Série A está na posição 31 em taxa de ocupação dos estádios enquanto

- As primeiras ligas são Alemanha e Inglaterra com 95%, seguida pela Liga Americana  com 91% e Liga Holandesa com 90%

- A segunda divisão da Alemanha com 70% e da Inglaterra com 67% estão entre as 10 maiores taxas de ocupação

- A Liga da Espanha, do Chipre, da Suécia e da França fecham as 10 primeirs ligas do ranking de taxa de ocupação

Nesta semana Bonsucesso e Flamengo jogaram para 375 pessoas e no sábado passado Botafogo e Macaé jogaram para 702 pessoas.  Esse é o país do futebol?

Na semana passada iniciei o curso de Mestrado em Gestão do Esporte, onde pretendo levantar os fatores críticos para mudar esta situação e trazer propostas concretas para mudar este cenário que piora ano a ano.

Espero fazer parte dos agentes de mudança que tanto estão lutando para quebrar a inércia que ainda impera no panorama atual do futebol brasileiro e mudar a inserção que Renato Russo fazia no meio da música Que País é Esse, quando o ritmo e o volume baixavam e ele declamava:

Deitado eternamente em berço esplêndido
Só que o berço esplêndido é feito de plástico barato!!
Ninguém faz nada
Ninguém faz nada
Ninguém faz nada
Ninguém faz nada
Que país é esse?







Comentários

  1. Esse é o País do descaso? Esse é o País do desrespeito as regras básicas? Esse é o País do "olhar para o próprio umbigo"? Muitas outras respostas poderia ser respondidas com novas perguntas que serviriam para responder a sua indignação, mas o que mais me deixa animado e aí, me permito ir além e reforçar o sentimento de "animado", ou seja, falo de "alma", de algo mais profundo e representativo. Quando se faz com a alma, com o espírito de crença na transformação, não há impedimentos possíveis, como diria o nobre Arnaldo: "A regra é clara!" Esse pode ser o País de muitos defeitos e problemas, mas também é o mesmo que tem pessoas como você e eu que bradamos e não desistimos de abrir e construir caminhos que levam a soluções profícuas e perenes! E quando tem isso, ninguém impede que irremediavelmente, as soluções apareçam. O futebol é apenas mais uma das grandes paixões que trabalha com emoções e sentimentos. Existem muitos outras paixões que merecem nosso olhar mais profundo, mas um passo de cada vez. O importante é fazer. Temos o dever e a obrigação de sermos a mudança que queremos para o mundo. Confio em você, na sua força, no seu sonho e na construção de um País melhor que sirva de exemplo e orgulho para todos os demais! Conte com mais um soldado no fronte. Abraços, sucesso e Felicidades, pois sem ela nada vale a pena. Adotei uma frase que serve de lema para minha vida, o convido a fazer parte disso...
    "O MELHOR AINDA ESTÁ POR VIR".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O verdadeiro 7 x 1 é fora de campo

Após a eliminação da Alemanha na fase grupos da Copa do Mundo de 2018 começaram a surgir vários questionamentos nas mídias sociais e na TV se a valorização do futebol alemão até agora seria válida ou não.
Quem tem uma visão resultadista provavelmente adorou a eliminação, criticou a exaltação da Alemanha dos últimos anos, mandou memes, cantou a versão do "Bela Tchau" para os alemães e até questionou se o que os tetracampeões fizeram em 2014 foi realmente merecedor ou apenas coincidência.
Par quem tem uma visão mais ampla de gestão e estratégia provavelmente não caiu no embalo da turma do oba oba e, pelo contrário, até lamentou a precoce eliminação alemã. Para entender a questão campo do resultado obtido pelos alemães em 2018, recomendo a excelente análise do Leonardo Miranda.
Referente a questão da gestão e da estratégia de como o produto futebol é gerido pela federação e pela liga alemã, o 7 x 1 fora de campo continuará imperando por muito tempo caso a visão resultadista e limi…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a sua base em sócio torcedores, em bilheteria e sócios do clube social. Houve um ajuste na análise pois faltaram os dados de faturamento de bilheteria do Grêmio.

Pelo segundo ano consecutivo, efetuei um estudo visando calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.

Os dados foram coletados do relatório no siteSports Value. O número de torcedores foi baseado na última pesquisa Datafolha de abril de 2018. Apesar do faturamento com bilheteria não constar no balanço de Corinthians, Grêmio e Fluminense, para não haver distorção na análise, foi considerado o faturamento bruto coletado no site globoesporte.com.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedores em todo o território nacional:




Nessa análise é possível verificar que, como no ranking anterior, o Botafogo é o grande destaque com faturamento de 42 mi…

O custo por ponto conquistado no Brasileirão 2017

Após a publicação sobre a eficácia dos times brasileiros referente a gestão dos custos do departamento de futebol e o desempenho no campeonato brasileiro, foi sugerido uma análise sobre o custo por cada ponto conquistado pelas equipes.
Foi considerado na análise os mesmos valores do post anterior, 8 meses da temporada. Segue abaixo a relação:

Pela tabela podemos observar que um custo abaixo de R$ 50 milhões (R$ 6,25  milhões/mês)  aumenta o risco de um time ser rebaixado, casos de Ponte Preta e Coritiba. Sport se livrou nas últimas rodadas, bem como o Vitória. 
Em 2016 vários times com R$ 5 milhões/mês conseguiram êxito, como a própria Ponte Preta, além do Vitória, Sport e Chapecoense. Provavelmente os custos com salários devem ter sido inflacionados em 2017, pois apenas três times tiveram gastos abaixo de 50 milhões. Em 2016 seis times tiveram orçamentos abaixo dos 50 milhões.
O mesmo se observa para os times que chegaram entre os seis primeiros colocados. Nenhum time gastou menos do que…