Pular para o conteúdo principal

Que futebol queremos: como um negócio ou apenas como um jogo?




A cada dia em que a música tema da Champions League precede a abertura de mais uma transmissão do melhor campeonato de futebol do mundo, ao mesmo tempo que sabemos que vem um jogo de qualidade pela frente, me vem uma melancolia sobre o que o futebol brasileiro e sul-americano continua desperdiçando de oportunidade.

Ao assistir Manchester City x Barcelona, Arsenal x Bayern Munich, Bayer Leverkusen x PSG, Milan x Atlético de Madrid e a noite assistirmos Nacional PAR x Zamora, Flamengo x Madureira, Palmeiras x Ituano chego a conclusão que são dois negócios distintos.

Não se pode dizer que os torneios disputados na Europa e na América do Sul fazem parte do mesmo negócio.

O que pretendo debater neste espaço é que sejam colocadas as cartas na mesa e se responda a seguinte pergunta:

Queremos tratar o futebol no Brasil e na América do Sul como um negócio ou apenas como um jogo?

Infelizmente a primeira impressão que me vem à mente ao fazer este questionamento é imaginar quem no futebol sul-americano teria condições e interesse em fazer esta pergunta. 

Se dentre os principais clubes do continente um número de dirigentes, por menor que seja, estiver com essas indagações em mente já será um pequeno alento para que as coisas mudem na linha abaixo do Equador.

Como ainda não tenho como influenciar diretamente, mas pretendo fazer parte do processo de mudança de mentalidade no ambiente futebolistico, vou procurar colocar minhas modestas opiniões a respeito da pergunta título deste post.

Se a resposta for SIM, não precisamos inventar a roda, mas sim fazer um benchmarking com as melhores práticas dos países europeus e com pitadas da cultura americana de fazer esporte.

Deste benchmarking eu sugiro as seguintes diretrizes para as mudanças:

- transformar o jogo/campeonato em uma indústria do futebol 
- avaliar o quanto é possível de se gerar de empregos e oportunidades para todos os envolvidos no segmento
- criar regras claras e objetivas de governança para os times de futebol
- criar ligas independentes das federações para tratar de todos os interesses dos times
- separar claramente os interesses dos clubes sociais do negócio futebol dentro dos mesmos
- focar o negócio futebol no torcedor / consumidor
- profissionalizar todos os departamentos dos clubes 
- presidentes dos clubes devem responder civilmente por seus atos ao lesarem os clubes
- quem deve conduzir e executar o negócio futebol nos clubes são os executivos e profissionais
- o presidente e os demais órgãos consultivos devem se preocupar com os rumos e as metas de médio e longo prazo e acompanhar as implementações pelo corpo executivo
- a TV deve ser um parceiro e não quem decide tabelas, transmissões, divisão de direitos
- punição severa para baderneiros e arruaceiros, afastando-os dos estádios

Acredito que se todas as diretrizes acima forem implementadas, como foram na Europa e nos Estados Unidos, teremos o que tanto esperamos:

- clubes com marcas fortes e com poder de competir dentro e fora do campo com as marcas europeias e americanas
- torneios valorizados e com apelo para serem comercializados para outros continentes
- clubes com caixa equilibrado para atrair talentos dentro e fora do campo
- estádios cheios em todos os jogos
- final da presença de aventureiros e despreparados nos comandos dos clubes
- aumento da geração de emprego em vários segmento 
- aumento da arrecadação dos clubes
- melhor qualidade dos torneios e das partidas
- aumento da presença das classes A e B e suas famílias nos estádios
- transformar o evento esportivo nos estádios em uma grande e feliz experiência

Agora, se os que estão no comando das confederações e clubes no Brasil e América do Sul não estiverem pensando na pergunta tema deste post, o que iremos continuar a ver em termos de futebol no continente é o que estamos presenciando ano a ano, de forma cada vez mais decadente:

- foco no jogo de futebol 
- falta de transparência na gestão
- clubes fracos em termos de representatividade e reféns da TV, federações e confederações 
- amadorismo e falta de pessoas capacitadas e competentes na gestão
- tratar o torcedor como massa de manobra 
- presidentes personalistas e egocêntricos, preocupados muito mais com seu mandato e seu poder do que com o legado e com o médio e longo prazo
- a política fazendo parte das decisões ao invés da gestão 
- a TV tratando os clubes e federações como grade de programação a ser preenchida em horários inadequados
- violência e baderna
- afastamento das famílias e das classes A e B dos estádios

As consequências serão as futuras gerações grudadas nas TVs nas terças e quartas  à tarde esperando o tema da Champions League para verem o jogo do time de seus corações, que ficam a mais de 10 mil km de distância.

Estão colocando um oceano de distância entre o verdadeiro futebol  e o torcedor sul-americano. Há 30 anos este mesmo futebol estava presente a poucos quilômetros de distância, no Morumbi, Pacaembu, Maracanã e Mineirão.  Mesmo sem TV aberta nem pay per view, só de ouvir os músicas que abriam as transmissões das rádios, já era garantia de emoções e qualidade do espetáculo.

Estão esperando o quê para acordarem?

Uma bolada na cara como a eliminação do Brasil na Copa?

Somos apaixonados por futebol, temos os jogadores e agora teremos estádios de alto nível, falta transformar tudo isso num grande espetáculo novamente mas com visão de negócio, como o grande Fiori Giglioti abria suas transmissões:

- Apita o árbitro, abrem-se as cortinas e começa o grande jogo, torcida brasileira!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

Pizzaria Paulista

A rede Pizzaria Paulista, criada em 1902, vem a público divulgar o balanço das suas 16 franquias espalhadas no estado de São Paulo no período de 17 de janeiro a 11 de março de 2018.
Em 2018 tivemos as 3 tradicionais franquias da capital, juntamente com uma das mais famosas unidades, que fica no litoral. Além dessas 4 tradicionais franquias,  constam no balanço unidades de cidades com bom nível de renda per capta e com populações elevadas, sendo duas unidades na Grande São Paulo, mais duas unidades na cidade de Campinas, além de uma unidade em Ribeirão Preto, Araraquara, Sorocaba entre outras ricas cidades do interior paulista.
Em 2018, mesmo com a rede presente nas principais regiões do estado, tivemos uma redução de 9% na presença de clientes. Foram 70 mil pessoas a menos do que no ano passado, primeiro ano após a redução no número de franquias.
Além dessa redução, perdemos R$ 700 mil reais em faturamento bruto, 2% menor do que 2017. Por outro lado o ticket médio subiu 7% , R$ 2,60 a ma…

Hoje é dia de Derby

Derby, uma palavra inglesa que acompanhada dos grandes rivais Palmeiras e Corinthians, cria vida própria. As emoções que remetem a este grande clássico do futebol mundial transcendem as quatro linhas, os 90 minutos, o estádio e, em vários casos, se transformam em lendas, epopeias, grandes batalhas. Vilões se transformam em ídolos e vice versa, menos que por efêmeros momentos. Jogos como estes são capazes, como na vida real e não por acaso, de mudar o rumo dos times nos campeonatos, inverter completamente o estado de espírito, de autoconfiança reinante em cada um dos lados. São raros os confrontos que possuem esse poder mágico de mexer com toda uma cidade, uma nação e que, por 90 minutos, se transformam na coisa mais importante da vida. Muitos podem estar perguntando qual a origem desse termo dentro do futebol. Segue abaixo uma versão resumida que encontrei na internet:
A origem vem da palavra "derby" – ou dérbi, segundo o aportuguesamento da palavra original inglesa, proposto p…