Pular para o conteúdo principal

Chegou o Derby!




Domingo é dia de Derby.

Um dia especial, pois é o dia em que entra em campo a maior rivalidade intergalática de qualquer Palmeirense.

Nada é mais saboroso, prazeroso e extasiante do que ganhar um Derby.

Com certeza os gols em que eu mais gritei e vibrei em toda a minha vida foram contra eles, nas arquibancadas do Morumbi e Pacaembu.

O gol mais gol da minha vida foi o do Zinho em 12/06/93. Talvez nunca mais grite tão forte como aquele gol.

Outro gol contra eles que pra mim é inesquecível foi o gol do Mirandinha aos 42 do segundo tempo da semi-final de 1986.

Em ambos os jogos os gols saíram bem próximos de onde eu estava. A emoção seria a mesma se estivesse do outro lado, mas estar ali antevendo o gol antes que a bola entrasse, como no chute do Zinho, em que eu vi a bola passar pelo goleiro deles antes de tocar a trave direita e morrer nas redes, foi fantástico.

Inesquecível também foi o gol de Marcos na decisão por pênaltis em 2000 pela Libertadores. Gritei forte, fiquei rouco, perdi o fôlego, a voz e o equilíbrio até cair no chão em êxtase, numa viagem sem fim rumo ao Nirvana.

O Divino nos confessou de viva voz que sua conquista mais saborosa foi naquele 22/12/1974.

Isso é o Derby.

Um caleidoscópio de emoções que se misturam intensamente e que em uma bola tudo pode mudar para um lado como para o outro.

Chegou o Derby e o que esperar de domingo?

Um Palmeiras vibrante, impulsionado por milhões de torcedores sedentos por confirmar que estamos voltando ao patamar dos anos de glória.

O sentimento geral é que desde 2008 não sentíamos a confiança de que o time pode ir longe, mesmo ainda em fase de formação.

Por isso o jogo de domingo é importante.

A vitória, mais do que uma certeza de que podemos ganhar o título, será saboreada por deixá-los ainda mais afundados numa crise que parece não querer sair da Marginal sem número.

Não nos esqueçamos do fiasco de 2011, quando eles recém toliminados, ganharam da gente no domingo seguinte. Ressuscitamo-os dos mortos, transformando aquela vitória no embrião do que eles conseguiram depois.

O que espero do nosso time é que joguem por nós, que há anos estamos sedentos por vitórias e auto-afirmação.


Estaremos espalhados pelo mundo, grudados nas TV´s, rádios, laptops e smartphones, apoiando, juntamente com os dois mil que estarão nos representando no estádio, como nossa voz, nosso coração e nossa alma, para novamente transcender nossa camisa e nossa aura para o local reservado para poucos, que é tê-los como freguês histórico.

Jogadores, domingo será o grande dia.

O divisor de águas.

O dia em que podemos ser deuses.
























Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os desafios dos Programas de Sócio Torcedor no Brasil

Durante a semana foi divulgado queda no programa sócio torcedor do Flamengo. De acordo com o blog do Rodrigo Mattos a  falta de jogos com torcida da Libertadores e o esvaziamento do Carioca são os principais pontos de abandono. O departamento de marketing identificou outros problemas: falta de um estádio, política de preços de ingressos para jogos jogos de menor apelo, o sistema de atendimento do torcedor e as vantagens oferecidas ao membro que se associa, além de reclamações com política de diretoria.
Desde o ano passado estamos notando uma estagnação deste tipo de programa na grande maioria dos times brasileiros. Participei de um projeto visando melhorias para um dos maiores programas do gênero em um time da cidade de São Paulo, onde fizemos grupos focais e pesquisas on line, mas muitas das sugestões não foram implementadas.
O que pude perceber na opinião dos torcedores que responderam a pesquisa foram sugestões de melhorias de atendimento, mais serviços, produtos e experiências, além…

O consumo per capita das maiores torcidas do Brasil

Na semana passada efetuei uma análise sobre a efetividade das atuais gestões em converter a base de torcedores em sócio torcedores e em compra de ingressos para os jogos de futebol. Aprofundando um pouco mais o estudo surgiu a curiosidade em calcular qual seria o consumo per capita dos torcedores das maiores torcidas do Brasil.
A base de torcedores utilizada foi a pesquisa de 2016 do Instituto Paraná Pesquisas, pois é a mais recente do mercado. Como base do consumo de cada torcida foram utilizados os dados compilados pelo Rodrigo Capelo do blog Época Esporte Clube, onde foi considerado como consumo dos torcedores as receitas com bilheteria, sócios torcedores e sócios patrimoniais. No caso do Corinthians, apesar do balanço não considerar receitas com bilheteria, na análise foi considerado R$ 48 milhões líquidos com essa fonte de receita, de acordo com o balanço do fundo do estádio.
Na tabela abaixo podemos observar ranking de consumo per capita considerando como base o total de torcedore…