Pular para o conteúdo principal

O Comercial



Gilson e Pepe eram cozinheiros que vieram do interior para ganhar a vida na cidade grande. Ambos com sonhos de dias melhores para a família, encontrar a mulher amada e dar para seus futuros filhos o que seus pais não puderam dar devido às dificuldades da vida.

Eles não se conheciam e, por ironia do destino, conseguiram um trabalho como auxiliar de cozinha em lanchonetes vizinhas no centro de São Paulo.

O tempo foi passando e ambos conseguiram se transformar nos cozinheiros chefes das suas respectivas lanchonetes. Era uma época mais simples, em que não havia muita diferenciação e a camaradagem e o hábito atraíam públicos semelhantes para as duas lanchonetes.

O prato principal de cada santo dia era: salada, arroz, feijão, bife e fritas, o famoso Comercial.

Tanto Gilson como Pepe eram elogiados, pois faziam muito bem o arroz com feijão de cada dia. Seus respectivos chefes e a clientela da região não tinham porque reclamar.

Com o passar do tempo a concorrência exigia diferenciação e novos ingredientes começaram a chegar nas cozinhas. Como os patrões não eram do ramo, a responsabilidade da criação ficava para Gilson e Pepe.

Os novos ingredientes foram chegando e os primeiros foram farinha e ovos.

Gilson, como fazia um excelente comercial com arroz com feijão, não teve dúvidas e criou o bife frito com farinha com ovo frito. Uma inovação para quem sempre era elogiado pelo trivial que fazia muito bem.

Pepe, ao receber os mesmos ingredientes, não teve dúvidas em consultar o livro de receitas para fazer um macarrão com ovos, farinha e sal.

No dia seguinte, enquanto Gilson ofertava comercial com a opção com bife frito e ovo, Pepe ofertava macarronada. Automaticamente os clientes foram experimentar a novidade e gostaram do que viram, aumentando a frequência na lanchonete de Pepe.

Gilson ficou com alguma dúvida, já que ele fazia o arroz com feijão muito elogiado pelo chefe. Achava que era um modismo, e que em breve os clientes voltariam.

Mais umas semanas se passaram e ambos receberam creme de leite para produzir novos pratos.

Gilson não teve dúvidas e inovou criando a sobremesa inclusa ao comercial.

- Isso vai ser uma grande inovação. Os clientes vão adorar comer o comercial e como cortesia terão um pudim como sobremesa - pensou Gilson.

Pepe, ao receber o mesmo ingrediente, novamente pesquisou por novidades e fez um novo prato, o strogonoff de carne com arroz e fritas.

Os clientes perceberam mais uma vez a novidade e aprovaram a variação de cardápio da cozinha de Pepe.

Gilson lamentava, pois seu comercial era o melhor, não entendia porque os clientes diminuíram enquanto o dono da lanchonete de Pepe vibravam com o aumento de renda.

A diferença de público era gritante, e Gilson começou a copiar os pratos de Pepe, mas o sabor não era o mesmo. Não tinha sua assinatura como o velho e bom comercial de cada dia.

O tempo passou e nos dias de hoje Gilson trabalha na mesma lanchonete no centro velho de São Paulo, cozinhando seu bom e velho comercial de cada dia e sempre lamentando com seus antigos e poucos clientes sobre o que acontecera há duas décadas.Ele não entendia como o o melhor comercial do centro de São Paulo fora deixado de lado pelos ingratos clientes.

Pepe abriu seu próprio restaurante, sempre buscando inovar com ingredientes simples, mas quando bem trabalhados podem gerar pratos extremamente saborosos. O seu segredo ele comentou da mesma forma simples de quando chegou em São Paulo:

- Não é necessário ingredientes caros para se fazer um bom prato, mas sim tirar o melhor de cada ingrediente, buscando a melhor mistura, fazendo com que eles rendam acima do que podem render.

-------------------------------------

Qualquer semelhança com um treinador de um time grande de São Paulo com este causo não é mera coincidência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dono e os Chefs

Após sete mudanças de treinadores em apenas quatro rodadas do Campeonato Brasileiro da Série A, vários colunistas estão criticando o que já é recorrente na gestão do clubes brasileiros, a troca de treinadores por maus resultados ou expectativas não alcançadas.
Para tentar ilustrar de uma forma mais lúdica as consequências deste comportamento inaceitável dos gestores esportivos, convido o leitor a ler a seguinte historia:
O Dono e os Chefs
Uma churrascaria acaba de trocar de dono no início de dezembro e, como o negócio não ia bem, o dono resolveu trocar de churrasqueiro, pois os clientes estavam reclamando da qualidade da comida, tanto que as vendas estavam baixas recentemente.
O novo mestre churrasqueiro, juntamente com o dono, estavam com várias ideias e decidiram aumentar a variedade de carnes no cardápio. No começo do ano a curiosidade dos clientes fez com que aumentassem as vendas mas,  após 3 meses, os clientes já perceberam que a qualidade e a expectativa com o novo churrasqueiro fi…

Os fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores parte 2 : Precificação

Na semana passada iniciei uma série de posts referentes aos fatores que impactam na percepção de valor dos torcedores. O próximo fator que gostaria de compartilhar com vocês é a precificação dos ingressos.
Como ponto de partida dessa análise, vamos avaliar o comportamento do torcedor do São Paulo em alguns jogos no Morumbi:
23/03/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 1 x 0 Botafogo de Ribeirão Preto Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 3.118 Renda Bruta: R$ 123.026 Ticket Médio: R$ 39,49
06/07/2016 – Copa Libertadores da América São Paulo 1 x 2 Atlético Nacional (semi final) Dia da semana: quarta feira Horário: 21:45h Público Pagante: 61.766 Renda Bruta: R$ 7.526.480 Ticket Médio: R$ 121,85
22/10/2016 – Campeonato Brasileiro São Paulo 2 x 0 Ponte Preta Dia da semana: sábado Horário: 17:00h Público Pagante: 49.673 Renda Bruta: R$ 600.541 Ticket Médio: R$ 12,09
12/02/2016 – Campeonato Paulista São Paulo 5 x 2 Ponte Preta Dia da semana: domingo Horário: 17:00h Público Pagante: 50.952 Renda Br…

Os Alienistas

Tudo começou em 1995, na final da Supercopa São Paulo de Juniores. Após o gol de ouro que deu o título ao Palmeiras, os palmeirenses invadiram o gramado para comemorar e foram provocar os são paulinos, que, aproveitando a pouca presença de policiais, invadiram o gramado, transformando o campo de jogo na primeira batalha campal entre torcidas organizadas transmitidas ao vivo pela TV. 
As consequências foram a morte do garoto Márcio Gasparin, a condenação de Adalberto Benedito do Santos e, pela primeira vez, as organizadas Mancha Verde e Independente foram extintas pelo promotor público Fernando Capez, que comentou na época: “Era necessário um tratamento de choque.”
Como na belíssima obra O Alienista, de Machado de Assis, a partir dessa época começou a batalha dos Alienistas contra a festa popular nas arquibancadas do Brasil. Depois dessa medida, as bandeiras, instrumentos, faixas, papéis picados, rojões, fogos de artifício, sinalizadores foram proibidos, além de não poder vender cerveja.…